07/02/2023
 
 
A aventura de existir (1)

A aventura de existir (1)

Ricardo António Alves 13/06/2022 22:55

De vez em quando surgem coisas assim, obras em que o heroísmo de viver a vida de todos os dias, com as suas alegrias e tribulações, sucessos e fracassos, nos atinge em cheio

Will Eisner (1917-2005) não teria passado de um autor de segundo plano se se ficasse pelo tarzanesco Sheena, Rainha da Selva (1938); ou um dos muitos mestres dos comics, se se houvesse cingido ao extraordinário The Spirit (1940), pseudo-alma do outro mundo que combate o crime, por entre mulheres vaporosas e uma bem humorada interacção com o irascível Comissário Dolan; seria hoje um nome como Lee Falk (Mandrake e Fantasma), Bob Kane (Batman) ou Stan Lee (Homem-Aranha, Demolidor e um longo etc.). Mas Eisner foi muito mais longe, foi para além dos heróis mascarados, e dos superpoderes: com Um Contrato com Deus (1978), reminiscências da juventude no Bronx, mergulhou dentro de si próprio, nele encontrando a dignidade da auto-representação artística – parafraseando Óscar Lopes, a propósito dos romances de inspiração autobiográfica de Ferreira de Castro.

Não que haja algum mérito em retirar aos quadradinhos a sua natureza de entretenimento, tornando-o objecto de um academismo pedante, pouco compatível com a sua natureza. Hal Foster (Príncipe Valente), Edgar P. Jacobs (Blake e Mortimer), Milton Caniff (Terry e os Piratas), Hergé (Tintin), Alex Raymond (Flash Gordon), Charlier e Giraud (Tenente Blueberry) ou Hugo Pratt (Corto Maltese), são nomes de pura aventura e de primeira grandeza na 9.ª Arte; assim como, no humor, Al Capp (Lil’Abner/Ferdinando) ou Morris e Goscinny (Lucky Luke); e irrepetível é o onirismo de McCay (Little Nemo) ou Fred (Philémon). Havia porém este vazio, que, pensando melhor, começara a ser preenchido com as elucubrações de Charles M. Schulz no “país da infância” (Saint-Exupéry), através do alter ego infantil chamado Charlie Brown...

De vez em quando surgem coisas assim, obras em que o heroísmo de viver a vida de todos os dias, com as suas alegrias e tribulações, sucessos e fracassos, as complicações do amor (“melhor seria arrancar um braço”, Janita Salomé, cantando Luís Pignatelli), o passado traumático ou mitificado da meninice – tudo isto nos atinge em cheio com a obra de Manu Larcenet, nascido num subúrbio de Paris, em 1969, O Combate Quotidiano. Por isso, enquanto já deixámos de nos preocupar sobre a identidade actual do Robin, ou a que grupo étnico pertence agora o Peter Parker, guardamos na memória e revisitamos O Edifício, de Eisner, Maus, de Spiegelman, Persépolis, de Satrapi, entre vários que pretenderam lançar-se nessa aventura de trabalhar a sua história pessoal. O modo como Larcenet o faz em quatro álbuns, publicados aos pares em coedição entre A Seita e Arte de Autor, é o que veremos na próxima semana. Para já, diga-se apenas que, escrevendo-se em O Combate Quotidiano, o autor escreve também um pouco da história contemporânea, e não apenas do seu país.

BDTECA

ABECEDEDÁRIO

V, de Vasco (Gilles Chaillet, 1980). Assistente e discípulo de Jacques Martin (Alix), de onde retira não apenas o traço, mas o rigor da pesquisa, com Vasco, Chaillet dá-nos as peripécias de jovem intrépido pertencente a uma família de banqueiros de Siena, numa Itália medieval, tão imbricada quanto os muitos estados que a compõem, na transição dos séculos XIII-XIV, limiar também de uma outra era.
 
LIVROS
Hot, de André Ruivo. “Este molho de desenhos cheios de rabiosques, pilinhas e maminhas prova que o sexo em 2022 pode ainda a ser divertido e amoroso. Chuac!” (Chili com Carne).
 
Le Chemisier, de Bastien Vivès. “Estudante de letras, Séverine, nem brilhante nem estúpida, feia ou bonita, jovem com uma vida banal, sem excitação, mas também sem drama, com um companheiro que liga mais aos vídeojogos do que a ela. Mas inexplicavelmente tudo oscila, quando veste uma blusa emprestada, e de um dia para o outro os homens começam a olhá-la de maneira diferente. O que lhe dá mais confiança e vontade de tomar o destino pelas próprias mãos.” (Casterman).

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline