12/08/2022
 
 
Exercícios de auto-ironia

Exercícios de auto-ironia

Ricardo António Alves 25/07/2022 20:58

É através da abertura fácil de uma lata de Oettinger, a cerveja alemã mais popular, que a perseguição ou rapto se inicia, num mundo de pesadelo, de que não está ausente a autoironia.

Por Ricardo António Alves

Por pausa relaxante ou desleixo temperamental, espoja-se no sofá o herói (?), frente a um ecrã desligado. Na coffee table jazem meia dúzia latas de cerveja vazias, postas ao acaso, enquanto se assiste ao terno adormecimento do protagonista - em relação a quem temos boas razões para crer tratar-se do retrato do artista quando desocupado, porventura confinado. (Há que fazer o inventário do grande contributo da Covid-19 para as letras e as artes...). Segue-se um clássico: adormecido e com o bandulho confortavelmente maltado, entra o herói a sonhar e o delírio começa. 

Escreve-se na página da editora, a Chili com Carne, que se trata de “um mergulho nas fantasias perversas e depressões que andam de mão em mão com o fundo de cada garrafa, copo ou lata (para os menos refinados) do qual tanto usufruímos para nos adormecer da realidade por uns breves momentos, mas que nos atira para um vazio sem fim.” Que editor e autor falem por si, pois este leitor ficou deveras preenchido e regalado com os desenhos de Marco del Void (aliás, Marco Gomes, Hamburgo, 1995). Trata-se de um um artista de vastos recursos expressivos, imaginação transbordante e um sentido apurado do movimento e do espaço - essencial para todo o autor de banda desenhada -, e que, apesar da sua juventude, apresenta um domínio invejável da arte que pratica, no que à imagem respeita. Veja-se o splash (vinheta de página inteira) que constitui a quinta prancha, que é de antologia: puxado por uma espécie de cabeçudo sem corpo - outra auto-representação? -, mais feio que um careto de Podence, depois de saltar para a lata, o nosso homem emerge de um estreito rio, cujas margens são repletas de boas surpresas para os nossos olhos: magníficas árvores antropomorfizadas ou uma espécie de homem-batráquio, fumando calmamente enquanto o rio corre. Uma vinheta para emoldurar, palavra de honra! - de preferência autenticada pelo autor...

Quanto ao argumento, teremos de ser mais comedidos, não que suscite grandes reservas: não sendo especialmente loquaz, Cerveja Depressão é um concentrado de sequências que poderiam ser assinadas por um jovem Chuck Jones de hoje, talvez um pouco gore. Em vez do buraco da fechadura como o que levou Alice ao País das Maravilhas - pernaltas de cabeça pata baixo fazendo as vezes de taco de cricket -, aqui é através da abertura fácil de uma lata de Oettinger, a cerveja alemã mais popular, que a perseguição ou rapto se inicia, num mundo de pesadelo, de que não está ausente a autoironia - com o artista a representar-se a si próprio quando jovem, deparando-se com o que é hoje, suscitando, em alemão, um comentário depreciativo: “26 anos e Foi nisto que se tornou? / Que embaraço”.

“Ode ao grande vazio”, como se escreve na contracapa? Que venham outras...

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline