28/11/2022
 
 
"O foco não deve estar exclusivamente na maçã e na pêra"

"O foco não deve estar exclusivamente na maçã e na pêra"

Maria Moreira Rato 27/05/2022 15:43

Doutora em Biologia Humana pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e professora catedrática na Nova Medical School, a nutricionista esclarece que devemos ter em atenção os pesticidas presentes em todos os alimentos.

O que pensa das notícias que têm sido veiculadas desde a publicação do estudo da “Pesticide Action Network”?

Ontem estive a cruzar estes dados com o Ministério da Agricultura. É uma preocupação que temos de ter: clara e que ajude a decisão. O consumidor tem de ter informação que não vá condicionar o consumo de fruta portuguesa.

Em que medida?

Aquilo que foi divulgado tem a ver com uma preocupação mundial de reduzir a utilização de pesticidas, no geral, e alguns em particular. Este esforço tem mais de 10 anos e esta notícia surge agora porque fizeram uma análise e perceberam que os níveis estavam ligeiramente acima daquilo que era expectável. Ou seja, tudo vem no seguimento de uma orientação para a utilização cada vez menor dos pesticidas e da necessidade de elaboração de alternativas.

Os autores do estudo salientaram que “tem havido um aumento dramático de fruta vendida ao público com resíduos dos pesticidas mais tóxicos que deveriam ter sido banidos na Europa por razões de saúde”. Quais são as características específicas destes pesticidas perigosos?

Estes, em concreto, são persistentes no ambiente, aquilo a que chamamos os poluentes, não são degradados ao longo dos anos. Isto traz-nos um enorme problema de saúde: não só do ecossistema, mas também do Homem. Esta contaminação vai estar na cadeia alimentar e esta é a maior preocupação: fazem o fenómeno de bioamplificação e vão sendo cada vez mais concentrados ao longo da mesma. Estes tipo de compostos é, muitas das vezes, alterador endócrino.

Mas não os ingerimos apenas através da fruta.

Não, estão cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia, seja pelas tintas, protetores solares... Estão distribuídos porque são moléculas que inventámos, de utilização imediata e, quimicamente, são pequeninos e lipossolúveis. Passando à questão em concreto da notícia, é importante termos a noção de que a UE faz um esforço, temos vigilância, temos de dar alternativas aos nossos agricultores e entre a fruta portuguesa e aquela que não é, estamos empenhados na primeira.

Como é que os consumidores podem optar pela fruta nacional sendo ‘bombardeados’ com dados semelhantes a estes?

O consumidor tem de entender que a complexidade química de cada alimento é enorme. Se pensarmos na fruta, tem um lado benéfico tão importante que, quando analisamos os benefícios e os riscos, os primeiros são maiores. As notícias são importantes para alertar as entidades que fiscalizam, mas não para deixarmos de comer a fruta e/ou penalizar o agricultor português.

Devemos relativizar as conclusões deste estudo?

Temos de interpretar isto com cautela: uma das principais mensagens na alimentação é variar. O meu grupo faz análise desde 2007 e temos noção de onde estão estes pesticidas: a fruta é só um bocadinho, estão em todo o lado. As concentrações podem representar muito em termo dos objetivos traçados para 2030, mas não para o consumo diário. Temos de ter a noção do impacto: esta informação não está clara e temos de tranquilizar, não dizer que está tudo fantástico, mas sim explicar que existem informações suficientes para se tomarem medidas, que os organismos que tutelam estas áreas estão a encontrar soluções, a fruta tem muitas vantagens nutricionais e que muitos outros alimentos estão contaminados e nem fazemos ideia disso.

Entre o vasto leque destas substâncias, existe alguma particularmente preocupante?

Os pesticidas são quimicamente diferentes, mas, por exemplo, um que todos conhecem é o inseticida DDT, muito usado para controlar a malária. É um organoclorado, não é alterado pelo ambiente, acumula-se e está muito relacionado com cancro estrogenodependente. Fizemos um trabalho com pessoas com obesidade mórbida, no Norte do país, e não havia um único doente que não tivesse DDT ou DDE no tecido adiposo, portanto, persistem no ambiente. Daqui a 10 ou 15 anos, podem estar presentes no ambiente ou no organismo humano. Alteram hormonas, sejam elas quais forem: posso ter interferência na insulina, na hormona do crescimento, etc., e pode ser nefasta.

Que outros exemplos de produtos alimentares pode dar?

Efetivamente, temos uma enorme exposição. A água é um bom exemplo: se calhar, se comermos duas maçãs por dia, 250g aproximadamente, e bebermos 2 litros de água, isto em termos de concentração pode ser muito diferente. Só se encontra aquilo que se procura e onde se procura. A cadeia alimentar está contaminada por estas moléculas que tiveram uma grande explosão depois da Revolucao Industrial. Por exemplo, o acidente de Pedrógão Grande teve uma grande emissão de alteradores endócrinos que vão estar presentes nos animais e já aconteceram e acontecem muitas mais tragédias semelhantes. Esta notícia não é uma novidade.

Que caminho tem trilhado Portugal para recorrer cada vez menos aos pesticidas?

Aqui, não temos medidas propriamente não-síncronas. A Europa tem uma preocupação cada vez maior e, sobretudo, desde que foram definidos os objetivos de desenvolvimento sustentável. Todos nós temos de estar em equilíbrio e a utilização destes compostos tem de ser cada vez mais controlada. Temos tentado estar ao ritmo dos outros países. Sempre se disse “an apple a day, keeps the doctor away”. Não podemos diabolizar a maçã nem as restantes frutas! A notícia tem factos reais, mas o consumidor deve estar tranquilo. Existem outras frutas que não foram mencionadas e têm tantos ou mais contaminantes.

Estas substâncias estão presentes em toda a cadeia alimentar, mas há algo que devemos consumir com especial cuidado devido à concentração de pesticidas?

O nosso grupo de investigação tem feito a parte final: avaliamos se as pessoas têm ou não estes contaminantes no organismo. Perguntamos aquilo que comem e, por isso, podemos fazer associações, mas muitos destes compostos podem não estar presentes somente nos alimentos. Uma pediatra que fez uma investigação percebeu que as crianças com diabetes, com uma alimentação mediterrânica, passavam a excretar muito menos aditivos do plástico na urina. Portanto, tinham uma alimentação muito mais rica em hortofrutículas do que na chamada comida de plástico. O que é que em Portugal mais contribui em termos alimentares... Não sei porque faltam esses estudos.

Porquê?

Há sempre muito pouca vontade política, são pouco ‘sexy’, digamos assim. Tive zero financiamento do Estado português ao longo destes anos – e não tenho problema nenhum em dizê-lo – porque a prioridade nunca foi estudar dioxinas, metais pesados, etc. A verdade é que faltam estes dados porque se quisermos ter uma tabela com os mesmos, tal como existem os rótulos tradicionais nos alimentos, não há. Em 2015, publicámos o manual “Linhas de Orientação Sobre Contaminantes de Alimentos” e ficámos com uma noção muito mais clara desta realidade. E a própria Direção-Geral da Saúde (DGS) alterou o seu entendimento, pois, imaginemos, sobre o peixe gordo, as recomendações são muito claras: salmão não mais do que uma vez por mês. Alimenta-se de outros peixes, há os de aquicultura que se alimenta de farinhas de peixe e tem estes poluentes acumulados. Entre o beneficio dos ómega 3 e estes poluentes... Devemos comer peixes como a sardinha ou o carapau.

Que outras recomendações dão aos portugueses?

Qualquer pessoa pode consultar o manual porque está disponível online. Temos caixinhas verdes ao longo do texto e damos conselhos como a necessidade de se dar preferência a “pratos de panela” como caldeiradas, jardineiras, cataplanas, ensopados e de evitar consumos elevados de carne. Mais uma vez, lembro que o foco não deve estar exclusivamente na maçã e na pêra porque temos o foco virado para os vários alimentos. Temos de encontrar soluções porque não podemos dizer apenas aos agricultores para reduzirem x e y. É o ganha-pão deles e temos a necessidade de manter a produção. Temos de ajudar os nossos agricultores e, em simultâneo, cuidar deste tema e, consequentemente, da nossa saúde.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline