29/05/2022
 
 
Djokovic. França abre as portas ao número 1 do mundo

Djokovic. França abre as portas ao número 1 do mundo

AFP Laura Ramires 24/01/2022 09:47

Depois de ter sido eliminado do 1.º Grand Slam da temporada pela justiça australiana, franceses reveem regras e permitem presença do sérvio no Roland Garros, em Paris.

Novak Djokovic: o nome que continua a dar que falar mesmo sem estar a disputar o Open da Austrália, o 1.º Grand Slam da temporada que vai terminar no dia 30 de janeiro. O sérvio, como se sabe, ainda pisou os courts em Melbourne, mas acabou eliminado pela justiça australiana, que impediu o número 1 do ranking mundial de lutar pela revalidação do título no major australiano, naquela que poderia representar a 10.ª vitória no torneio (2008, 2011, 2012, 2013, 2015, 2016, 2019, 2020 e 2021), além da conquista do 21.º Grand Slam da sua carreira.

Djoko tinha recorrido à justiça australiana, mas três juízes do Tribunal Federal confirmaram a decisão tomada pelo ministro da Imigração, de cancelar o visto do tenista, que não está vacinado contra a covid-19, alegando motivos de interesse público. O ministro cancelou o visto, alegando que a presença de Djokovic no país “pode constituir um risco para a saúde” e “ser contraproducente para os esforços de vacinação de outros na Austrália”. “[...] Uma icónica estrela de ténis de renome mundial poderá influenciar pessoas de todas as idades, jovens ou idosas, mas talvez especialmente os mais jovens e impressionáveis, que quererão seguir o seu exemplo. Isto não é fantasioso; não carece de provas”, pode ler-se no principal ponto entre os 106 que sustentam a decisão.

Foi a segunda vez que o visto do sérvio foi cancelado, depois de ter chegado a solo australiano no dia 5 de janeiro, lembrando que não poderia estar vacinado, uma vez que teria estado alegadamente infetado com o vírus na segunda quinzena de dezembro.

Apesar dos avanços e recuos que culminaram com a deportação do sérvio, já este domingo (23 de janeiro), o diretor do Open da Austrália assegurou que Djoko pretende regressar aos palcos do major australiano em 2023, garantindo ainda que o desfecho desta história resultou de uma “má comunicação”. Para Craig Tiley, a deportação do número um mundial resultou da “constante alteração de condições” e da “má comunicação” com o governo federal de Victoria. “Mesmo durante a semana passada [já depois da expulsão de Djokovic], as coisas mudaram no que diz respeito às medidas de combate à pandemia [de covid-19]”, notou.

Roland Garros, Wimbledon e US Open Aliás, só as possíveis mudanças verificadas de país para país no que respeita às leis covid parecem deixar Djoko sonhar com uma participação em Roland Garros, a disputar no próximo mês de maio e junho. O jornal italiano Gazzetta dello Sport diz que o governo francês vai operar uma alteração nos regulamentos de entrada no país que vai passar a incluir pessoas não-vacinadas, desde que tenham acusado positivo à covid-19 nos seis meses anteriores. A confirmar-se, Djokovic – que esteve supostamente infetado a partir de 16 de dezembro – teria ‘porta aberta’ até meados de junho, altura em que Roland Garros já terá conhecido o campeão da edição de 2022.

Segue-se o Wimbledon (junho/julho) e o US Open (agosto/setembro). No primeiro, a disputar em Londres, Djokovic poderá dar entrada no país desde que cumpra 10 dias de isolamento e teste duas vezes negativo à covid nesse período, mas, já nos EUA, as regras voltam a ser semelhantes aos critérios australianos, pelo que a presença do sérvio poderá ficar novamente em causa. Mas, no final do dia, a presença do atual número 1 do mundo estará sempre dependente das regras em vigor em cada um dos países nas respetivas datas em que decorrem os torneios.

 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline