20/10/21
 
 
Falha no "frigorífico" do Queimódromo não tem "impacto na saúde" dos inoculados: "A vacina pode é ser considerada nula"

Falha no "frigorífico" do Queimódromo não tem "impacto na saúde" dos inoculados: "A vacina pode é ser considerada nula"

Manuel de Almeida/Pool/Lusa Jornal i 12/08/2021 11:43

Foram 980 as pessoas afetadas por falha na cadeia de frio. Situação vai ser avaliada. 

A vacinação contra a covid-19 no Queimódromo do Porto foi suspensa devido a uma falha na cadeia de frio. Ao falar sobre o sucedido, o coordenador da task-force de vacinação, o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, reconheceu os constrangimentos causados pela falha, mas garantiu que a task-force conseguiu reconfigurar a operação para superar o problema. O responsável esclareceu ainda que não há perigo para a saúde das pessoas que foram inoculadas naquele local.

Gouveia e Melo começou por dizer que se perdeu “a capacidade” de vacinar “num espaço específico”, mas que “há outras capacidades que podem responder imediatamente”. “Conseguimos reconfigurar a operação para superar o problema”, indicou. 

“Do que é o nosso conhecimento, e do conhecimento do próprio processo relacionado com as vacinas, não há impacto na saúde das pessoas. A vacina pode é ser considerada nula e é isso que tem de ser verificado agora. Se é ou não, isso ainda vai ser avaliado por um protocolo, porque, eventualmente, as vacinas apesar de terem fugido ao período de temperatura em que deviam estar guardadas, podem estar ativas. É isso que tem de ser verificado”, explicou o responsável aos jornalistas, no Porto, ao responder sobre o eventual impacto na saúde das 980 que tomaram as vacinas que levaram à suspensão da vacinação naquele espaço, acrescentando ainda que a falha na refrigeração ocorreu “no frigorífico do Queimódromo”.

Apesar desta falha, Gouveia e Melo sublinhou que a vacinação em Portugal “está no bom caminho”.

“Acho que estamos num bom caminho. Queria vacinar entre 85 a 90% da população portuguesa para ter a certeza que conseguimos eliminar este vírus e retomar às nossas vidas normais”, rematou.

Recorde-se que ao anunciar a suspensão da vacinação no Queimódromo do Porto, na manhã desta quinta-feira, a task force indicou que os agendamentos previstos para este centro serão reagendados para outros locais e os utentes vacinados nos dias 9 e 10 de agosto “serão contactados pelas entidades de saúde, até a próxima semana”,

O Infarmed está a acompanhar a situação e “na eventualidade de existir alguma suspeita de reação adversa, esta deve ser comunicada através do Portal RAM”.

Ler Mais


Especiais em Destaque

×

Pesquise no i

×