18/4/21
 
 
Vítor Rainho 02/12/2020
Vítor Rainho

vitor.rainho@ionline.pt

O país está quase todo a pão e água

Portugal enfrenta uma das suas maiores crises e não vai ser fácil ultrapassar este momento, com milhares de desempregados sem qualquer apoio a juntarem-se àqueles que ainda recebem o subsídio de desemprego.

O movimento A Pão e Água representa três setores muito castigados com decisões governamentais devido à covid-19: discotecas, bares e restaurantes têm estado fechados ou a meio-gás para não contribuírem para a propagação do vírus – e há ainda a acrescentar os hotéis. Mas a estes setores juntam-se muitos outros que praticamente ficaram paralisados desde março, mas que não têm ninguém que grite por eles. Portugal enfrenta uma das suas maiores crises e não vai ser fácil ultrapassar este momento, com milhares de desempregados sem qualquer apoio a juntarem-se àqueles que ainda recebem o subsídio de desemprego. Se a rapaziada do movimento terá de mostrar o que descontou no ano passado, até para se saber quanto terão direito, haverá quem nesse grupo esteja numa situação dramática pois os seus negócios já estavam em declínio e com o encerramento obrigatório ainda ficaram pior. As questões legais prometem longas batalhas jurídicas, mas quase toda a sociedade está na mesma situação.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.


Especiais em Destaque

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×