17/5/21
 
 
A história acontece hoje

A história acontece hoje

Ricardo António Alves 30/11/2020 19:32

J. Martin sabia que o momento presente é a História a desenrolar-se diante dos nossos olhos. Lefranc adentra-se pela Guerra Fria

Jacques Martin (1921-2010), o autor de Alix (1948), jovem escravo gaulês que um dia chegará a senador romano, é um dos nomes de referência da linha clara. Todos os bedéfilos o conhecem, bem como os historiadores da Antiguidade Clássica, pelo rigor documental com que foi fazendo evoluir a série, tornando-se um profundo conhecedor do período, e com pensamento próprio. Martin tinha duas paixões: a História e os motores: criador de várias personagens cuja acção se desenrola em períodos bem definidos, foi contudo, com uma série de actualidade, Lefranc, que o autor pôde dar azo a essas duas paixões em simultâneo – é notável o gosto com que as máquinas são postas em cena no álbum de hoje.

Criado em 1954, Lefranc é um jornalista que, como outras personagens da BD – Tintin ou Ric Hochet –, se destaca não pelo que escreve, mas pelas aventuras em que se envolve, e como sucede com estes, o tempo passa por si sem que envelheça, sempre contemporâneo do período em que cada narrativa decorre. Martin sabia que o momento presente é a História a desenrolar-se diante dos nossos olhos; e Lefranc, surgido no rescaldo da II Guerra, adentra-se pela Guerra Fria, quando a mesma História correu o risco de parar.

O Mistério Borg (1964) é um thriller como tantos, em que um aventureiro se apodera de um vírus mortífero, disposto a vendê-lo a uma potência inimiga. A caminho de uma estância de ski suíça, o Alfa Romeo Giulietta de Lefranc é perigosamente ultrapassado por um Fiat 2300, e instantes depois por um Jaguar Mark 2. Ficaremos a saber tratar-se de uma perseguição: no Fiat segue o infame Prof. Fosca, assistente do célebre biólogo Zerni, o homem que isolara o temível “supervírus”, assim ingenuamente chamado; Fosca fez o mestre ir desta para melhor, encomendando um atropelamento; atrás dele, na estrada suíça, ia uma criatura mais perigosa: Axel Borg, a némesis de Lefranc. Aventureiro elegante e educado, apreciador de arte, sem escrúpulos, rico já de si mas almejando mais, apodera-se do letal micro-organismo, propondo-se fazer uma experimentação, usando os habitantes de uma aldeia isolada dos Alpes como cobaias. Grande parte da trama decorre sob e sobre a neve suíça, terminando em Veneza, onde as forças do bem triunfarão sobre a maldade, a riqueza, a ambição de Borg, um bandido que se faz admirar, mesmo por Lefranc.

É o terceiro álbum da série, primeiro entre nós, e o derradeiro desenhado por J. Martin, então nos Estúdios Hergé e já tendo trabalho de sobra com Alix. Diga-se que não foi fácil, na primeira metade dos anos 50, convencer a Casterman a publicar um herói como Lefranc; só queriam Alix, que dava dinheiro a ganhar. De tal modo que impuseram que o herói fosse louro como o gaulês, e que tivesse também um rapazinho como coadjuvante, Jeanjean, escuteiro órfão acolhido pelo jornalista , pois os eunucos da época proibiam as mulheres jovens na BD.

Jorge Miguel. Talvez mais conhecido em França – onde publicou vários álbuns com o selo de Les Humanoïdes Associés, que no seu país –, Jorge Miguel (Amadora, 1963), vê agora a edição conjunta dos dois tomos de Shangai Dream (2018-2019), com argumento de Philippe Tirault. A história fala-nos de Bernhard e Illo, um casal judeu alemão apaixonado também pelo cinema, fugido da psicopatia nazi. O exílio ocorrerá em 1938, de Berlim até Xangai. Tintin estivera por lá em 1935 (O Lótus Azul) e Ferreira de Castro, em carne e osso, em 1939 (A Volta ao Mundo), a cidade ocupada pelo Japão imperial. Quem leu um e outro sabe que o filme era de terror. Edição conjunta de A Seita e Arte de Autor. O Mistério Borg

O Mistério Borg

Texto e desenhos de Jacques Martin

Editora Livraria Bertrand, Venda Nova, 1982

BDTECA

Jorge Miguel. Talvez mais conhecido em França – onde publicou vários álbuns com o selo de Les Humanoïdes Associés, que no seu país –, Jorge Miguel (Amadora, 1963), vê agora a edição conjunta dos dois tomos de Shangai Dream (2018-2019), com argumento de Philippe Tirault. A história fala-nos de Bernhard e Illo, um casal judeu alemão apaixonado também pelo cinema, fugido da psicopatia nazi. O exílio ocorrerá em 1938, de Berlim até Xangai. Tintin estivera por lá em 1935 (O Lótus Azul) e Ferreira de Castro, em carne e osso, em 1939 (A Volta ao Mundo), a cidade ocupada pelo Japão imperial. Quem leu um e outro sabe que o filme era de terror. Edição conjunta de A Seita e Arte de Autor. 
 
Trillo & Mandrafina. Dois autores argentinos de referência, Carlos Trillo (1943-2011) e Domingo Mandrafina (1945), num quadro negro da América novecentista centrada numa família de origem italiana, os irmãos Cantobucchi, com ramificações na Máfia, na Igreja e na Polícia. Spaghetti Bros, tomos 1-4, Arte de Autor, Estoril, 2020.
 
O Raio U. Já aqui falámos da primeira BD de Edgar P. Jacobs, iniciada em 1943, quando Flash Gordon e os demais comics americanos havia sido proibidos na Bélgica ocupada. Três anos mais tarde, seria a vez de Blake e Mortimer. É sempre bom ver as primícias de um autor notável. Nova edição na Asa. 

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×