25/9/20
 
 
Sobre o mal

Sobre o mal

Ricardo António Alves 08/06/2020 20:51

Umbra é uma publicação de banda desenhada sobre  a persistência do mal, em nós e nos outros – e que bem ele se nos apresenta

Umbra, palavra latina para sombra, traz consigo todos os transtornos: os segredos inconfessáveis, a clausura, a morte. Digamos então que Umbra é uma publicação de banda desenhada sobre a persistência do mal, em nós e nos outros – e que bem ele se nos apresenta: predação, conspirações, ganância, parafilias, abusos, de tudo há nestas cinco-histórias-cinco de BD em português. Uma cabeça de ursinho Rupert, na capa magnificamente umbrosa, diz tudo.

“Estrada da Coca-Cola”, de João Chambel (texto) e João Sequeira (desenhos), fábula pós-nuclear em que impera o mutismo e o isolamento. Um casal, habitando uma rulote à beira duma via deserta em que por vezes circulam presas e predadores, desespera por encontrar mais gente, mas os sinais de desumanidade são demasiados para um final feliz. O preto e branco de João Sequeira serve esta narrativa porosa em que a escuridão predomina.

“Óscar”, sigla de mensagem de radioamador – “o chat dos anos setenta” – e alcunha da personagem desta história, com argumento de Pedro Moura e desenhos de Filipe Abranches. Contactado na banca da arrecadação, onde tentava arrumar tralha antiga, por um amigo desse tempo, desaparecido havia muito, Óscar percebe aquele que agora lhe surge do nada, inesperadamente, como se engolido e materializado em frequências eletromagnéticas. Óscar empreendeu o registo dessa voz que lhe vinha de outras bandas; porém, o homem põe e há sempre alguém a dispor...

“Herbicida”, também de Pedro Moura e desenhos de Sérgio Sequeira, estica até ao horror as consequência da manipulação genética no reino vegetal. O estilo manga de Sequeira enquadra na perfeição o argumento. Das cinco, é a única narrativa que não se afunda no pessimismo.

“Carne”, de José Carlos Joaquim, Pedro Moura e Hugo Maciel, traz-nos um loquaz psicopata esquartejador de mulheres. Tudo correto mas, talvez pelo tema batido, foi a que menos nos agradou. No entanto, uma bela subversão daquele verso de Camões “Transforma-se o amador na cousa amada”...

Finalmente, “Zodíaco”, do brasileiro (Eduardo Filipe) Sama, é uma feliz combinação de sobrenatural e atmosfera negra por onde vagueia um jornalista despromovido para a secção do horóscopo. Há o patrão e a mulher dele, ou cá se fazem, cá se pagam – ou não?

Para revista, falta à Umbra um pouco mais – e não é só o índice inexistente. Um editorial a dizer ao que vem não estaria mal; umas notas sobre os autores, também não; e se se quer ser revista, há que rever, um artigo ou outro não era mal pensado. Falta tudo isso, e é pena. Esperemos que o n.o 2 possa colmatar estas lacunas, até porque, quando se fizer um balanço das revistas de BD numa qualquer data redonda deste século, a Umbra terá de lá estar.

Mercado nacional A edição de BD tem sofrido uma razia com a covid-19. E têm sido algumas pequenas ou médias editoras a arriscar, mesmo com as livrarias fechadas. Segue-se uma pequena lista de livros recentes.

Umbra #1

Texto Vários autores

Editora Umbra Edições, outubro 2019

BDTECA

Mercado nacional A edição de BD tem sofrido uma razia com a covid-19. E têm sido algumas pequenas ou médias editoras a arriscar, mesmo com as livrarias fechadas. Segue-se uma pequena lista de livros recentes.
 
Ala dos Livros: Os Filhos de El Topo – 1.  Abel, de Jodorowsky e Ladrönn;

O Castelo dos Animais – 1. Miss Bengalore, por Xavier Dorrison
 
Arte de Autor: Corvo – Inconsciência Tranquila, de Luís Louro; Verões Felizes, volume 2, tomos 3 e 4: 

Menina Esterel, seguido de O Repouso do Guerreiro, Zidrou e Jordi Lafergue.
 
Asa: Blake e Mortimer – O Último Faraó, por Thomas Gunzig, Jaco van Dormael e François Schuitten
 
Devir: Drama, de Rainer Telgemeyer.
 
G-Floy: Kick-Ass: A Miúda Nova, vol. 1, por Mark Millar e John Romita Jr.; Sete para a Eternidade, vol. 1, de Rick Remender e Jerome Opeña.
 
Gradiva: Estaline, por Christophe Regnault, Vincent Delmas, Alessio Camardella e Nicolas Werth; O Guardião, Agente Secreto do Vaticano – O Anjo de Malta , vol. 1, de Yves Sente e François Boucq.
 
Levoir: Batman – Asilo Arkham, de Grant Morrison e Dave McKean; Batman – O Último Cavaleiro da Terra, por Scott Snyder e Greg Capullo.
 
Polvo: Félix Görmann, Aqui Já Houve Algo.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×