23/9/19
 
 
Soares dos Santos. Uma das maiores figuras da vida pública portuguesa

Soares dos Santos. Uma das maiores figuras da vida pública portuguesa

Sara Matos Sónia Peres Pinto 19/08/2019 08:28

Empresário abandona o curso de Direito a meio e dedica-se aos negócios, primeiro na Unilever, e só em 1968 assume a empresa da família, tornando a Jerónimo Martins um dos maiores grupos empresariais portugueses.

Morreu na sexta-feira um dos maiores empresários das últimas décadas. Visto por muitos como frontal e polémico, mas também como um homem de coragem e empresário notável, Alexandre Soares dos Santos, o rosto da Jerónimo Martins, morreu aos 84 anos. Nasceu no Porto em 1934, no seio de uma família com longas tradições de comerciantes de produtos alimentares.

Soares dos Santos frequentou o curso de Direito na Faculdade de Direito de Lisboa, mas abandonou a meio, em 1957, desiludido por uma reprovação. Nessa altura aceita o convite da multinacional Unilever, iniciando assim a sua carreira profissional e passando por várias delegações e filiais no estrangeiro. Aliás, é quando está no Brasil como diretor de marketing da empresa que recebe a notícia da morte do seu pai. Acaba por regressar a Portugal, em 1968, para assumir a liderança da Jerónimo Martins, que pelas suas mãos passou de uma empresa de pequena dimensão a um dos maiores grupos empresariais portugueses e que o colocou na rota dos mais ricos de Portugal.

A braços com o negócio de família, o empresário ampliou a sua atividade e fez crescer a empresa. Lançou a marca Pingo Doce, colocou o grupo em bolsa e expandiu-o internacionalmente, em 1995, para o Brasil – uma operação vista como fracassada – e a Polónia, com a famosa marca Biedronka. Aposta também na Colômbia ao abrir os supermercados Ara.

Em 2009, criou a Fundação Francisco Manuel dos Santos, que gere o portal Pordata, base de dados do Portugal contemporâneo, e lançou uma coleção de livros de ensaios, a preços reduzidos, sobre temas da atualidade.

Em 18 de dezembro de 2013, Soares dos Santos foi substituído no cargo pelo filho, Pedro Soares dos Santos. Nessa altura, numa entrevista ao Jornal de Negócios, fez um balanço positivo da sua carreira. “Chego a esta idade sem a mínima frustração. Tudo me correu bem. Fui feliz no casamento, fui feliz nos filhos, tenho netos. Os negócios correram muito bem, gosto das pessoas e as pessoas gostam de mim. De maneira que sou um tipo feliz”.

O empresário foi condecorado, em abril de 2017, pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito Empresarial, tendo o chefe de Estado destacado o seu lado de “responsabilidade social” e o papel como servidor da comunidade.

 

Polémicas

Em 2012, o grupo viveu um dos momentos mais polémicos quando tomou a decisão de mudar a sede para a Holanda. A ideia era fugir a uma dupla tributação com a entrada na Colômbia – onde a dona do Pingo Doce queria investir 400 milhões de euros até 2014 –, mas também a antecipação a eventuais mudanças na lei portuguesa que podiam penalizar ainda mais as SGPS. A decisão chegou a ser considerada como “mesquinha” por alguns políticos, como Francisco Louçã.

Soares dos Santos foi ainda responsável por algumas frases que fizeram correr tinta: “Os pobres fizeram-se para a gente os transformar em classe média” ou “detesto investimento chinês porque não traz coisíssima nenhuma, nem know-how [conhecimento] nem sequer management [gestão]”.

É também na altura que muda a sede para a Holanda que comentou a crise financeira que afetava Portugal e como isso se repercutiu nos hábitos dos portugueses. “Começou-se na carne de vaca, passou-se para o porco, para o frango, e já se vai na salsicha” ou “as frutas exóticas não se vendem e já há pessoas que dividem o pequeno-almoço por dois”.

A vida política também não escapou à visão do empresário. “Tinha admiração pelo Mário Soares. O eng.o Guterres era um homem inteligente, mas não foi feito para liderar o Governo. Um tipo interessante que me deixou boa impressão, por um lado, como homem honesto e com vontade, foi o Passos Coelho, mas que não ouvia. Não sabia ouvir. (…) E o António Costa, até hoje não sei quem ele é”.

 

“Vai fazer falta ao país”

As reações à morte de Alexandre Soares dos Santos não se fizerem esperar. Do lado das confederações empresariais é recordado como um “guerreiro” criador de riqueza e emprego, de grande coragem e responsável pelo “contributo decisivo para a modernização do setor”.

Do lado dos políticos é destacada a “forte personalidade” e a sua estratégia visionária. Considerado uma das maiores figuras da vida pública portuguesa, a opinião é unânime: “Vai fazer falta ao país”.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×