24/9/18
 
 
Pedro Tinoco Faria. “A maçonaria manda na tropa”

Pedro Tinoco Faria. “A maçonaria manda na tropa”

Bruno Gonçalves Vítro Rainho e Beatriz Dias Coelho 09/09/2018 13:00

Este sábado realizou-se o almoço de homenagem ao comandante dos Comandos exonerado. Tinoco Faria diz de sua justiça

O seu pai era do exército. Qual a sua ligação à tropa além da familiar?

O meu pai era oficial paraquedista. Foi morto em combate na Guiné em 1966. A minha mãe é professora de Geografia. Eu, na realidade, nunca quis ser militar, mas tive uma juventude um bocado atribulada e, como não me portava bem, a minha mãe decidiu “agora vais para a tropa para seres um homem”. Foi ela que me colocou na vida militar, o meu sonho era outro e, entretanto, ingressei na Academia Militar em 1982 e terminei em 1988 e a partir daí ingressei no Regimento de Comandos.

Digamos que começou a gostar?

Sempre gostei de desporto. Comecei a saltar de paraquedas muito cedo, ainda a nível desportivo, com 17 anos. Na minha adolescência passei a vida no fundo do mar porque mergulhava, daí a minha mãe ter-me mandado para a tropa, para eu sair do mar e estar mais em terra, porque realmente a paixão do mar foi muito grande. Fui para as vindimas para França um mês e acabei por estar três anos, e portanto, quando cheguei entrei mesmo para a vida militar. Sinto que não tinha uma vocação militar, mas é engraçado que quando nós não temos planos as coisas acabam por se suceder, acabamos por fluir na vida. Mas penso que trouxe alguns valores e que os reforcei na vida militar, como o respeito pela condição humana e pelos homens, e acima de tudo não confundir hierarquia com prepotência. As pessoas que me conhecem da vida militar sabem que eu, por exemplo, nunca participei de um homem. Todos os problemas disciplinares resolvi individualmente à porta fechada, homem a homem. Nunca humilhei um homem à frente de outros homens, isso é o pior que se pode fazer, e há muito esta perspetiva às vezes na vida militar de que um coronel, ou um capitão ou um major podem gritar com um homem. Sempre entendi que isso não se devia fazer e também nunca permiti que gritassem comigo. Houve até uma altura em que um atual general me perguntou “que mal é que tu fizeste a estes coronéis para eles não gostarem de ti?”. Eu não fiz mal nenhum, simplesmente se me gritavam eu gritava mais alto, porque o respeito é biunívoco e a educação é biunívoca. Depois de ter entrado no Regimento de Comandos, realmente apaixonei-me pelos Comandos. O meu irmão foi oficial paraquedista, eu não quis, ao entrar para a tropa, ir para os paraquedistas e viver na sombra do meu pai, que é um ícone nos paraquedistas, é um herói nacional. Para sair da sombra do capitão Tinoco de Faria, acabei por ir para o Regimento de Comandos, onde ninguém me conhecia mas onde acabavam por me conhecer. Depois começaram as missões no estrangeiro.

Quando diz que ninguém gritava consigo, ninguém imagina a formação dos comandos sem ser a gritar…

Não, mas não é isso. Uma coisa é a instrução, outra coisa é no dia-a-dia. Se for o meu chefe, eu admito - e nós vamos cometendo erros na carreira militar - que me chame à parte e me diga “ó Tinoco, pá, atenção a isto e isto” e até que me possa dar um grande raspanete entre portas. À frente das outras pessoas é que não.

Na formação com certeza que gritou com muita gente…

Obviamente, mas não é preciso gritar para se ser duro e exigir e disciplina. Não sou muito de gritar, nunca fui muito de gritar com as pessoas. O silêncio tem um ruído atroz e em silêncio, e sem levantar muito a voz, podem atingir-se os mesmos objetivos.

Os Comandos têm a vertente de levar as pessoas ao limite.

Sim, mas não é preciso gritar. O meu curso de instrutores de comandos foi o primeiro depois de terem morrido dois homens na instrução, já que na altura o chefe de Estado-Maior do Exército, o coronel Folques, parou o curso e houve um investimento de oficiais do quadro para o Regimento de Comandos, exatamente para restruturar a instrução. Ninguém deseja a morte de um soldado e isso é um baque psicológico enorme para os instrutores. Esta coisa da procuradora dizer que os militares dos Comandos são uns criminosos psicopáticos é uma vergonha. Lembro-me de toda a malta ficar destroçada com a morte na instrução de um miúdo de 20, 22 anos. E é curioso que os que morrem são os melhores, porque aqueles que não são tão fortes, emocionalmente ou psicologicamente, protegem-se, caem, atiram-se para o chão. Os que morrem são tipos que não sabem dosear o esforço e acabam por, eventualmente, não aceitar que não estão bem e que têm algum problema físico. E acho que há aqui uma situação que nunca foi levantada e devia ser levantada. Eu fui para a Academia Militar para aprender a essência da vida militar. Passam a vida a preparar-me para matar outros seres humanos, essa é a essência da vida militar, ou seja, eu tenho de chegar ao pé de si, olhá-lo nos olhos e matá-lo. E para quem passou por situações de combate, esteve no Afeganistão, na Bósnia ou no Kosovo, sabe que não se preparam homens para combate e para estarem prontos a matar e a saberem sobreviver com flores e com uma instrução fácil. Portanto, no caso das mortes dos Comandos há um aproveitamento político e de desinformação. Mas deixem-me contar-lhes que quando fiz a prova de choque como instruendo, acabei por sofrer uma hipo glicemia,  caí e fui evacuado e recuperado. O que acontece é que o chefe de Estado-Maior do Exército não nos dava os meios necessários para uma prova de choque: nós pedíamos dispositivos de alerta para estarem estacionados na zona, como helicópteros,  pedíamos médicos de suporte para estarem no local e ninguém nos dava. E o programa de instrução está aprovado, onde constam essas ajudas. Note-se que a prova de choque é fundamental, eu dei a quatro ou cinco cursos de Comandos - na altura em que havia 800 instruendos - não eram 30 e 40 como hoje - e sabíamos exatamente quem ia chegar ao fim e quem não ia. O limite do combate em termos psíquicos e físicos é muito superior a uma prova de choque. Eu, se vou para combate, quero ter homens ao meu lado, não é o caso da tropa normal hoje em dia em que os soldados descarregam dois carregadores e não acertam um tiro. A diferença no Regimento de Comandos é que o homem leva a arma à cara, dá dois tiros e mata uma pessoa, porque repetiu, repetiu, repetiu. Eu depois estudei neurociência e percebi por que isto acontece. É como um tenista ou um atleta de alta competição, que treina uma tarefa repetidamente até que atinge a excelência.

Diz então que não há um acompanhamento das mais altas chefias nesses cursos mais complexos.

Defendo que o chefe de Estado-Maior do Exército deve acompanhar as provas de choque ou outras também difíceis, já que se estiver no gabinete não sabe o que se passa. Tem de estar no terreno para exigir que estejam presentes as ajudas sanitárias, helicóptero, ambulância, para os médicos estarem presentes para acudirem em caso de necessidade.

Então por que nunca foi pedido?

Foi sempre pedido, tem de perguntar ao chefe de Estado-Maior do Exército.

Mas na altura em que dava formação aceitou fazê-lo sem esses meios.

Não, a ordem vem de cima e nós damos o curso. Esta malta que está envolvida neste processo-crime estava a cumprir uma ordem, de certeza que não queriam matar ninguém, não há intenção de matar ninguém. Há um programa de instrução e é o que eles dão. Estamos a viver uma situação política particular, já que não se admitem mortos na instrução, mas admite-se que um soldado vá para combate e morra por falta de instrução ou porque não sabe combater. Isso já se admite, a malta pode morrer, mas depois não nos podemos preparar bem. Há aqui uma hipocrisia política brutal, que é exigir que estejamos bem preparados mas depois tiram-nos o tapete quando estamos a dar uma instrução que é ordenada pelo chefe de Estado-Maior do Exército. 

Por que acha que é tanta gente? Já se referiu à juíza…

Sim, já referi. Eu se fosse o chefe de Estado-Maior do Exército, quando a juíza se referiu  daquela forma aos seus homens, eu fazia-lhe um pedido para se descartar publicamente. 

O que disse a juíza assim de tão grave?

Falou em ódio psicopático e assim. Acho que o Exército não podia deixar que esses homens fossem tratados dessa forma. Tem de se abrir um processo, tem de haver uma investigação. Agora, é preciso saber onde as coisas começam. Por que morreram aquelas pessoas? Foi por dolo, foi por excesso dos instrutores ou foi por falta de meios? Ou foi porque os meios que se pedem há anos para as Forças Armadas não estão lá porque a classe política não está interessada em dar esses meios, está interessada em gastar dinheiro no orçamento para o palácio do Presidente, mas não está interessada em pôr ali 100 mil euros para ter lá o helicóptero de alerta. Eu estou ciente, tenho quase a certeza, o Dores Moreira é do meu curso da Academia Militar, que pediram os meios de apoio no caso das mortes nos Comandos, e isso tem depois de ser averiguado. Mas, se calhar, não lhos deram, e deve haver um papel escrito a pedir os meios. Provou-se que a existência de um helicóptero na zona e uma evacuação rápida faz a diferença, e assim que os recrutas começam a dar sinais de que estão em baixo ou desidratados, o médico, se tiver esses meios, evacua-os.

Mas as acusações são que ninguém ligou a esses sinais de desidratação.

Não acredito nisso. Fui instrutor e dei cinco cursos de Comandos e como sabia que era uma prova de risco, em que eles são levados ao limite - a mim nunca me morreu nenhum homem, mas não estava livre disso -, estava sempre atento e assim que um caía era imediatamente evacuado. Essa sempre foi a postura no Regimento de Comandos.

Os Comandos hoje em dia são a nossa tropa de elite? Mas havia outras tropas especiais como os Rangers.

É diferente. Os Rangers, trabalhei com eles no Kosovo, são uma tropa preparada para recolher informações, infiltrar-se e estar escondida num teatro de operações. Os Comandos são uma tropa de choque, é a tropa em que o meu comandante me dá a ordem e eu vou para uma missão de que não volto. E como se prepara um homem para isto? Com flores? Porque é assim, eu também sou paraquedista e fui oficial paraquedista e as instruções são diferentes. Fiz instrução em vários sítios e nunca encontrei tropa tão boa e tão bem preparada como os Comandos, e não estou a puxar a brasa à minha sardinha, o meu pai foi oficial paraquedista morto em combate e tenho um grande respeito pelos paraquedistas. Agora, se eu puser a minha avó num avião e lhe fechar os olhos ela também salta. Quando chegamos ao solo e temos de combater, aí é que é a essência. É levar a arma à cara, é a diferença. Quando eu lá estava, nós éramos a unidade que fazia mais tiro do que todas a unidades das Forças Armadas. O tiro de combate era de tal forma repetido que a arma já fazia parte do meu corpo, eu levava a arma à cara e só fazíamos dois tiros de cada vez, um para acertar e o outro para confirmar. E não se gastavam munições. Uma disciplina de tiro, um respeito pela hierarquia, um sentido de dever e honra fantásticos, uma instrução duríssima.

O que define por duríssima?

É uma instrução exigente, em que se pratica a essência da aprendizagem, que é a neuroplasticidade - repetirmos um comportamento até passarmos a ser o comportamento. Não tem nada que saber. E a prova de choque o que é então?

É uma prova onde o programa de instrução não se altera - há instrução de ordem unida, de tiro de combate, de GAM, de sapadores, de sobrevivência… é uma instrução com um ritmo mais acelerado, com menos descanso. Há mais stress. Na minha prova de choque, nunca dormi, porque basta um “tic”e já se está alerta. O ritmo em combate, a média de horas de sono por dia são duas a três horas. Esta instrução leva realmente à aproximação de uma situação real de combate, em termos psicomotores, fisiológicos, psicológicos, anímicos, para ver qual é o homem que resiste. Lembro-me que no meu curso, éramos tudo malta do quadro, profissionais, começámos 30, acabámos sete. E já na prova de choque acabámos 13. Houve malta do quadro a dizer que não queria mais aquilo.

E por que razão a maioria reprovou?

Cabeça. Não é a parte física. A cabeça é o julgamento que fazemos de nós mesmos, é a forma como o cérebro funciona. Quando o corpo manda mais do que o cérebro e a preguiça manda mais do que o cérebro, o cérebro acaba por não controlar nada e quando o corpo diz “eu desisto” o cérebro não tem força para dizer “não, não desistes, vais dar mais um passo”. Portanto, quem termina, não é por uma questão física. Eu já fiz o curso velho, com putos de 20 anos a fazer ao meu lado, eu já tinha 30 e tal anos e acabei o curso. E quantas vezes eu não disse “vou desistir, o que estou aqui a fazer?”. Mas dei sempre mais um passo, mais um dia. Era a cabeça. O treino da prova de choque no fundo acaba mais por ser treinar a cabeça, mais do que fisicamente, para conseguir ter uma rusticidade emocional que seja capaz de enfrentar uma situação de combate real.

Nomeadamente matar. E como se treina alguém para matar?

Ensinando a disparar bem, a saber exatamente as munições que tem no carregador, a gritar vazio para avisar os outros que tem de mudar de carregador, a dar uma boa preparação física, a dar-lhe instrução sucessiva de técnicas de combate, criar automatismos de combate. A malta reage automaticamente porque repetiu muito e são eles que se escolhem uns aos outros para as equipas, o interrogatório que é feito a todos os soldados é “destes teus colegas aqui, com quem gostavas de ir sair à noite e quem gostavas de ter ao teu lado para combater” e eles escolhem. Cada um escolhe a sua equipa e o comandante de equipa.

Fez vários missões no estrangeiro.

Entretanto, é extinto o Regimento de Comandos, em 1992/3, contra a nossa vontade. Eu era comandante da companhia de Comandos 121 e tínhamos o batalhão de Comandos 12 pronto na sua máxima força. Eu lembro-me da cerimónia, foi lá o Mário Soares e houve ordem de destroçar e ninguém destroçou porque não queríamos ir embora. Foi um crime de lesa-pátria, não sei quem tomou essa decisão, mas diminuíram a capacidade de defesa do país nitidamente. As pessoas dizem que isso teve a ver com coisas mal resolvidas no 25 de Novembro e que os Comandos continuaram a ser perseguidos, não sei se é por isso mas realmente foi um crime. Foi também uma estupidez trazerem os paraquedistas da Força Aérea para o Exército.  Mas eu tinha um alferes miliciano excecional, que já faleceu, que me disse: “Meu capitão, se for para os paraquedistas nós vamos todos para os paraquedistas”. A única companhia que foi para os paraquedistas foi a minha. E entrámos com a garantia de que podíamos usar os nossos símbolos - a boina vermelha. E depois de ter ido para a Brigada Paraquedista foi quando houve aquele problema na Bósnia e eu comando uma companhia de paraquedistas e também de  comandos. Foi a primeira companhia que entrou no teatro de operações da ex-Jugoslávia, ainda com aquilo meio a arder. Fiz a primeira missão na Bósnia em 1996.

Mas vocês eram mais uma missão de fiscalização ou de combate mesmo?

Quando os sérvios começaram a prender os capacetes azuis aos postes e às antenas, nós recebemos uma primeira ordem. É engraçado que quando o estado-maior do batalhão, - na altura o major Rovisco Duarte [atual chefe de Estado-Maior do Exército] - nos deu uma estimativa de baixas era brutal. Era uma missão de imposição de paz, ou seja, nós íamos entrar à força na Bósnia. Quando recebemos esta missão presenciei algo inédito na minha vida militar - de repente a guerra colonial passou e nós vamos entrar na guerra e temos filhos e mandam-nos para três mil e tal quilómetros de distância e dizem-nos: “Vão morrer 600”. Nós éramos 900, uma grande parte voltava em sacos de plástico. E eu lembro-me de que houve ali uma reação interessante, houve uma reação de a malta não querer ir. Fiquei surpreendido como é que oficiais do quadro disseram isso. A escola militar devia chamar-se escola de guerra, porque tem de preparar oficiais para combater e quando um oficial ou alguém diz que não vai porque são 600 mortos e não quero morrer… o que dizer dos praças que não o podem dizer, não têm escolha. Depois acabámos por ir todos, a missão correu bem, houve logo duas baixas de dois miúdos que agarraram numa bomba americana que lhes explodiu nas mãos. A missão foi muito difícil porque entrámos numa cidade hostil - e até fui eu que dei a alcunha ao comandante da cidade, dei a alcunha de Zeca Diabo, era um tipo impressionante, hoje em dia é um dos tipos procurados pelo Tribunal de Haia, ele era um lobo velho que combatia há cinco anos, respeitado pela população e que nos hostilizou nitidamente. Quando entrámos naquela cidade, o ambiente era de cortar à faca. Tenho uma situação que está descrita no meu livro [O Beijo da Quissonde], com um polícia sérvio que me meteu uma pistola na cabeça. Houve uns tiros de um sniper sérvio contra uma viatura italiana, a malta mete os F16 em cima da cidade e eu estou a beber um café e entram os polícias, cercam-me e ele completamente embriagado mete-me uma arma na cabeça. Depois houve ali muita pressão, mas tudo acabou bem. Mas há uma situação interessante que mudou a perspetiva da população sérvia em relação ao batalhão português. Eles realmente hostilizavam-nos, mas o soldado português, que neste caso eram paraquedistas e comandos, é um soldado de um valor inestimável. Eram eles que me vinham dizer “ó meu capitão, posso ir comprar carne do meu salário para dar às famílias?”. E houve uma família de um senhor, avô, chamado Nilton que perdeu os cinco filhos na guerra e vivia com a nora e com um órfão, o Andrea, e eu consegui arranjar-lhe um contrato: como nós não tínhamos lavandarias para lavar a roupa aos soldados, fiz um contrato com elas para nos lavarem e engomarem a roupa, cada um de nós dava um x, e para aquela família foi ótimo. Reconstruíram a casa, foi uma coisa humanitária. E fui o único oficial da NATO convidado para o batismo ortodoxo do Andrea, o órfão de guerra. 

Mas depois da Bósnia foi para?

Fui para o Kosovo. Entrei com o primeiro batalhão do general Calçada, depois fui convidado pelo coronel Marquilhas para ir para segundo comandante para Timor e quando vim de Timor foi quando me perguntaram o que tinha feito de mal aos coronéis que não gostavam de mim e houve um general que me chamou para ir trabalhar para ao pé dele e aí fui para o Afeganistão e estive cerca de dois ou três anos a ir e a vir, sempre isolado, numa agência da NATO de lições aprendidas. Corri o Afeganistão, era oficial de planos. Eu gosto pouco de papéis e então, embora fosse oficial de planos, oferecia-me sempre para ir em missões, às vezes com os ingleses e os italianos, e acompanhava patrulhas, mas no fundo o meu trabalho era um trabalho de Estado-maior. Esta organização das lições aprendidas no fundo é uma agência da NATO que lança oficiais que vão identificando lições - problemas que surgem nas missões -, identificam a lição, propõe-se uma medida corretiva, essa medida corretiva passa a missão aprendida, a lição aprendida passa a manual, o manual passa a doutrina, a doutrina passa a treino. Portanto, é um processo de aprendizagem e de treino. Estive no Afeganistão nessa vertente. Depois tive um período mais duro, em Mazar-e-Sharif, no norte, que é o paraíso dos talibãs, no Camp Mike Spann, estive aí deslocado durante um tempo.

Não tinha situações de combate.

Não. Havia algumas, às vezes éramos bombardeados, havia uns tipos que nos largavam umas ameixas lá dentro. Entretanto, quando me estou a preparar numa sexta-feira para ir para o Afeganistão, sou chamado ao hospital militar principal. Uma médica minha amiga, foi a médica do batalhão em Timor,  falou comigo e disse-me que eu tinha um cancro. Um tumor ligado a stresse, o cromocitoma, e provocava-me episódios de morte súbita. Comecei a ter esses episódios já à noite, no Kosovo, começava a entrar numa aflição muito grande, pensava que era stresse e não era. O conselho foi eu abandonar na altura para que continuasse a viver situações dessas. Recebi a notícia a 8 de outubro, a 9 estive a bater mal e decidi que não ia contar a ninguém, nem à minha família, e dia 10 decidi viver até aos 102 anos. E todos os anos apago as velas que me faltam para os 102. Apaguei 46 velas no ano passado, este ano vou apagar 45. Portanto, acabaram por me aconselhar a não permanecer. Há aqui uma coisa interessante que é: saí das Forças Armadas e podia ter saído como deficiente a ganhar três vezes mais do que ganho hoje e eu não sou deficiente. E não quis ser deficiente, mesmo com os acidentes que tive, que estou todo partido. Portanto, saí com a minha pensão normal, dos anos de serviço que tenho e recusei-me sequer a meter um processo para ganhar incapacidade e ter descontos ou ter qualquer tipo de regalias. Estou-lhe a dizer isto porque as pessoas não sabem porque saí.

Pois, reformou-se cedo.

Com 46, por aí. Deram-me na altura pouco tempo de vida, era um tumor complicado, andei quase um ano ali no hospital da Força Aérea em medicina nuclear e estou aqui, safei-me. 

Mas, depois, investiu noutras atividades.

Sim. Tinha um alferes nos Comandos, o dr. João Luís Gonçalves, e fui convidado na altura para ir para Angola para uma empresa que está aí na berra, a Tecnoforma. Tive uma reunião na altura com o Passos Coelho, não tenho qualquer conotação política, convidaram-me e disseram que precisavam de um tipo duro lá. Ofereceram-me um salário em relação ao qual eu até perguntei se eles iam por aquele valor, e eles disseram não. E eu perguntei por que me estavam então a oferecer aquilo, ganhava muito mais na minha vida militar. Estive a trabalhar com eles cerca de sete meses, acabei por ser despedido sem receber. 

Mas chegou a estar em Angola?

Cheguei a estar em Angola. Saí, aquilo foi um bocado duro, houve ali alguma troca de palavras porque perguntavam-me se estava tudo bem, eu meti uma licença sem vencimento na altura porque saí da vida militar quando pedi para passar à reserva e à reforma, vinha a Portugal e metia o cartão no multibanco, como não tinha vencimento na tropa e também não tinha vencimento de Angola e se não tivesse a minha mulher a trabalhar… estava tudo bem, mas estava sem salário. Eu até me admirei porque pensei que diretor geral devia ser uma grande vida, mas não era. E um rapaz na altura pediu-me alojamento lá nas nossas instalações, dormíamos numa camarata e quando saí ele perguntou-me de quanto precisava para montar uma empresa. E passados dois ou três dias o dinheiro entrou e montámos uma outra empresa que teve sucesso, era uma empresa de formação nestas áreas comportamentais, como liderança, gestão de pessoal, recursos humanos. A coisa correu bem, mas à boa maneira angolana, aquilo, quando começou a dar dinheiro, perdemos a empresa e ficou dos angolanos. E saí e comecei a trabalhar em Angola como consultor. Investi depois na minha formação, com o meu dinheiro. Quando saí da vida militar, na altura ainda estava com o tumor, sempre me interroguei sobre o ser, sobre a identidade, sobre a consciência e fiz um curso de coaching aqui em Portugal e aquilo foi transformacional e eu sempre me interroguei por que é que não se ensina aquilo aos miúdos na escola. E sou capaz de ao longo da minha vida ter investido mais de 100 mil euros  em formação, desde Singapura, África do Sul, EUA, Alemanha, Espanha - e hoje em dia sou convidado para ir à Faculdade de Psicologia na Universidade de Coimbra, sou convidado para ir ao Júlio de Matos dar formação, vou dar formação a psicólogos industriais na África do Sul nesta área comportamental, mais ligada à Neurociência. Acabei por ser depois consultor em nome individual numa série de empresas, desde a Mota-Engil, etc.. Mas eram trabalhos que eu fazia individualmente.

Até hoje, não?

Sim, tive um projeto pro bono no presídio de Torres Novas, quase 80 sessões. Aquilo começou por ser só a presos, mas depois os guardas gostaram muito e fui convidado para dar também a guardas.

É defensor do serviço militar obrigatório?

Não sou.

Mas quando diz que a tropa é a única escola de ética e moral do país…

Digo, digo, mas não sou. As coisas têm um timing, eu concordo com o serviço militar obrigatório mas para o implementar têm de remodelar então o sistema de avaliação dos oficiais do Exército. Os oficiais são formados na Academia mas não são formados numa escola de guerra. Estão a ser formados para serem engenheiros, para serem doutores, para estarem num gabinete, mas nem conhecem a tropa, comandam por envelopes. Tirando em algumas tropas, como por exemplo os comandos, em que os capitães e os alferes vão para lá.

Quem são os homens que estão na República Centro Africana?

São paraquedistas. Conheço o comandante, é uma unidade bem preparada. Eu não vivo aquela guerra das boinas estúpidas que se vive, são soldados portugueses e temos de os apoiar. Eu tenho as duas boinas, a minha boina verde está em cima da urna do meu pai, usei-a pouco. Fui oficial dos comandos mas os paraquedistas têm uma instrução digna, estão bem preparados.

Não tanto como os comandos.

Não tanto como os comandos, pronto, estou a dar aqui uma resposta politicamente correta, mas tenho um grande amor a ambos. O meu pai, só de pensar na morte dele e no que sofreu e no ícone que ele é, que realmente é uma referência para os paraquedistas, tenho necessariamente de os respeitar e respeito-os e não entro nessas guerras. O serviço militar obrigatório é importante, agora é muito mais importante que os chefes sejam escolhidos por militares e não por políticos.

Os chefes são escolhidos por políticos?

Claro que são. Eu conheço-os a todos. As Forças Armadas estão politizadas e polarizadas. Eu até dei o caso outro dia quando vocês deram a entrevista, o General Chaves levou muito na ripa por dizer que “o Tinoco Faria é um bom rapaz, com um ar paternalista mas tem falta de senso”. Mas depois levou com uma resposta aí no facebook porque é engraçado que eu vejo os bons militares hoje em dia, aqueles tipos que a gente olha para eles e são centuriões, mas a nível intelectual são pessoas distintas, tiveram uma carreira militar exemplar, não são chamados a falar. São chamados a falar tipos que são considerados pela instituição militar umas nulidades.

De quem está a falar?

Do Vasco Lourenço e do Chaves. O Vasco Lourenço estava nos Açores punido e apanhou o comboio do 25 de abril e é um tipo fantástico, mas tem muitos pés de barro. Não chamam outros oficiais a quem se conhece a história toda, com uma perspetiva mais desassombrada e que também foram oficiais de Abril e criaram-se aqui uma série de mitos à volta de abril, mas pronto, isso é uma outra entrevista.

Acha que este afastamento do comandante Pipa Amorim dos comandos foi por ter elogiado Vitor Ribeiro que foi um dos homens do 25 de Novembro?

Já pus isto publicamente e vou-lhe dizer o que se passou. O que o Vasco Lourenço foi dizer à televisão é uma mentira. Ele disse que não acreditava que o comandante Pipa Amorim tivesse sido demitido por ter defendido Vitor Ribeiro e o 25 de Novembro, e que o chefe de Estado-Maior do Exército fez uma rotação normal. Quis passar uma imagem de que isto é tudo normal, mas isto não é tudo normal. O que se passou com o Pipa Amorim - e nós temos um almoço no sábado que não é contra o CEME, mas é um almoço de homenagem ao coronel Pipa Amorim pela sua coragem.

Não lhe falta alguma coragem em dizer que é contra o CEME e que acha que é um homem político?

Quem, eu? Eu não sou contra o CEME. Agora, ele está a ter um desempenho… Eu fiz o Movimento das Espadas e isso até foi uma coisa que não acabou. Ele pensa que acabou mas não acabou, vai crescer e está a crescer. Mas voltando a Pipa Amorim, se o chefe de Estado-Maior do Exército tivesse dado uma ordem a Pipa Amorim, por exemplo “não falas sobre isto” e o Pipa Amorim tivesse falado e o CEME o pusesse na rua, eu concordava com o CEME porque é chefe, dá uma ordem e o comandante não cumpriu a ordem. Agora, o que é grave aqui é virem mentir e porem o Exército a mentir ao povo.

Como assim?

A dizer que aquilo está dentro e ao abrigo das rotações normais dos oficiais e não é. O que aconteceu foi que, no discurso já não sei em que data, o Pipa Amorim - dantes não se fazia isto, um comandante mandar o discurso ao CEME, como se tivesse de ir à PIDE para vir censurado e hoje pedem os discursos.

A todos os comandantes?

Não sei, mas pedem para ler e dizem “olha, não quero que fales nisto”. E o Pipa Amorim fez um discurso, penso que foi em Abril, sobre o Victor Ribeiro e quando desceu a tribuna, o CEME faz uma coisa que ninguém faz a um comandante, que é pôr-se aos gritos com ele à frente de toda a gente. Não almoçou, abandonou imediatamente o recinto e as coisas ficaram por aqui. Há outro discurso em que ele defende os camaradas, as calúnias que são feitas contra o regimento e a cabala que há em relação aos camaradas que estão condenados neste processo. Esse o é o discurso já de junho, isto é o primeiro discurso. Eu, se fosse coronel, sabe o que fazia? Movia-lhe um processo, queixava-me dele, metia-o em tribunal. Na altura de Tancos, em que ele exonerou os coronéis, eu se fosse um dos coronéis da unidade metia-o imediatamente em tribunal, porque ele não pode fazer isso.

Mas fez.

Fez. A seguir ao episódio do discurso, o CEME e o Pipa Amorim encontram-se num dia qualquer de uma unidade e com uns croquetes e ainda a comer vira-se para ele e diz “olha, não sei se já sabes que vais sair do Regimento de Comandos, já tenho substituto para ti e depois vou-te pôr na inspeção do Exército”. Quer dizer, dá-lhe ali a notícia… ao que o Pipa Amorim terá respondido “não me vai pôr em lado nenhum, porque no dia a seguir eu passo à reserva”. Portanto, informam o comandante com croquetes e pastéis de nata na mão. Onde é que estamos? Isto é vida militar, é tropa? Depois, o segundo comandante liga ao Pipa Amorim a dizer que tinha chegado uma nota a nomear o novo comandante, que era o Pombo. Nem desnomearam o outro. Pombo que já estava indigitado para ir comandar Vila Real e que já tinha ido visitar Vila Real, já lá tinha ido ver a unidade para onde ia. Nem estava previsto ir para o Regimento de Comandos. Há aqui um contrassenso, não é? Quer dizer, já estava o oficial indicado para Vila Real, já foi ver, e de repente agarram nele e vai mas é para os Comandos. A nota é de 8 de maio, porque logo a seguir ao episódio de abril o CEME preparou a nota para o tirar dali. E a nota chega ao Regimento de Comandos. O Pipa Amorim, no dia 16 de junho fazia um ano de comando, não há nenhum comandante na história dos comandos que tenha feito só um ano, faz sempre no mínimo dois anos. Disseram-lhe que ele ia fazer três anos quando entrou e sai antes de fazer um ano por uma ‘revenge’. Este livro, a dois dias do lançamento, com embaixadores convidados, 500 e tal convidados, um comandante por ordem dele ligou-me e disse “não podes lançar o livro na Academia Militar, proibido pelo CEME”. E por acaso há um conde, um tipo qualquer da monarquia, que soube disto e ligou-me e emprestou-me um palácio para lançar o livro e em dois dias eu mudei tudo. Até me disseram que estavam lá uns a tomar nota.

Do que diziam?

De tudo, de quem estava presente. Este almoço vai estar carregado daquela malta. Agora, a verdade dos factos é que não foi uma rotação normal, o Exército foi obrigado a mentir.

Mas a culpa é do poder político?

Sim. Os políticos se queriam ter um bom Exército e valorizá-lo deviam deixar que fossem os chefes a escolher os seus chefes. Quando foi o tempo do Chaves, o Chaves andava com o Fernando Nogueira e mais o Mendes Moreira e mais um gajo do meu curso e nós chamávamos-lhes o trio maravilha, eram os do PSD. Quando entra o PS, entra outro grupo. A tropa tem vários problemas, um deles é que os militares são maçons. A minha pergunta em relação às dezenas e centenas de militares que são maçons é: eles têm um juramento maçon, nós temos o de bandeira. Qual é o que eles cumprem? Não podem cumprir os dois.

Acha que há muitos maçons na tropa?

Há, está cheia. São eles que mandam nas Forças Armadas, como na Economia.

Acha que os militares deviam ser proibidos de entrar na maçonaria?

Completamente, como também devem estar proibidos de pertencer a partidos políticos. O problema das Forças Armadas foi a politização das mesmas. Eu gostava de viver num país em que a classe política fosse sóbria. Em que os deputados e os ministros fossem trabalhar de transportes públicos. Em que não houvesse um orçamento de quatro ou cinco milhões para assessores e carros. Mas que país é este? Depusemos a monarquia e o Presidente vive num palácio e o primeiro-ministro também tem um palácio com um orçamento brutal? Que exemplo é este para a nação? Escolhem um ministro para a Defesa que foi objetor de consciência, metem outro que também nunca foi à tropa e é gay, que foi motivo de chacota de toda a tropa. Nós até brincávamos a dizer que ia passar a ser obrigatório ser gay. A falta de moral e de ética com que as Forças Armadas são vistas, e a forma como os generais aceitam ser tratados… o problema é a miséria dourada. É andarmos cheios de estrelas, de caricas e chapas da coca cola  com galões, recebemos pouco, somos mal tratados, somos humilhados publicamente, como foi o caso dos Comandos, e os chefes aceitam isso. A minha grande luta aqui, e podem ir vasculhar toda a minha vida militar que é intocável, é o respeito, respeito que sempre exigi dos meus chefes. E os chefes, que são agora os novos generais e comandantes do exército, eram homens de gabinete.

Não tem receio de ser considerado folclórico, de não o levarem a sério?

Quem disse isso foi o general Chaves e ele é que é folclore. Eu fiz um post em relação ao qual todos os oficiais, desde generais a coronéis, disseram até que em fim que alguém disse a verdade. O que foi o Chaves como oficial? Foi adido militar várias vezes por ter passado à frente de outros, porque tinha conotações políticas, ainda era major e já gritava com generais porque era assessor do ministro da Defesa. Até me disseram que não devia ter falado assim dele, porque ele foi meu instrutor. Mas ele deu-me o quê, esta camisa? Deu-me o quê? Eu não falo mal de ninguém, agora não falem de mim porque se se põem a jeito a falar de mim… “Ah o Tinoco é um rapaz generoso, mas com falta de senso”. Eu quero ser exatamente essa pessoa com falta de senso e a falta de senso hoje é exatamente nada mais nada menos do que não ser politicamente correto.

Atendendo a que diz que, de acordo com o partido que está no poder, a hierarquia militar muda, de que forma é que acha que o 25 de Novembro ainda incomoda as pessoas que estão no poder?

O 25 de Novembro realmente impediu que se instalasse aqui um regime de esquerda, com alguns tipos que ainda andam aí na nossa praça e permitiu que a democracia de alguma forma fosse restaurada. Eu sei que há muitos anticorpos em relação à malta do 25 de Novembro, o facto de na Assembleia da República não se querer comemorar o 25 de Novembro, que é uma data se calhar mais importante que o 25 de Abril. E o 25 de Abril está muito endeusado, já que aconteceu por causa dos salários da tropa. É muito utilizado depois pelos políticos para termos democracia e etc., mas foi basicamente por isso. Eu não consigo definir - a esquerda, obviamente, que se opõe sempre a estes valores do 25 de Novembro -, mas não sei se não haverá outras fações, porque poucas pessoas tiveram a coragem moral e a coragem física para tomarem conta do país e darem um berro. E vou-lhe dizer uma coisa, o que nós estamos a viver hoje na nossa sociedade em termos da pouca vergonha que isto está, há muito mais razões para fazer um 25 de Abril agora, tirando a Guerra Colonial, do que havia na altura.

Porquê?

É ver as notícias. É a corrupção total, foi agora aquilo dos incêndios, são presidentes de câmara, os Sócrates, esta malta toda política tem impunidade em relação a tudo. Em relação a isto das armas, por exemplo, não é punido ninguém, foi um furriel que foi punido. As armas desaparecem e fazem um escarcéu. É uma classe política cheia de mordomias, dizem que vivem na Madeira e depois vivem aqui e recebem as ajudas de custo e nós o que presenciamos é, além da crise económica que vem aí outra vez, a crise moral e ética.

Mas não acha que pode ser considerado um bocado, permita-me a expressão, lunático ao dizer que é preciso fazer outro 25 de Abril?

Não é preciso fazer, nem é preciso revolução, nem vir com armas cá para fora. O que está a acontecer neste momento é que temos 50% da população que não vota. E depois temos malta que vota e que até é paga para votar. A maioria da população está descontente, não acredita no sistema partidário e no sistema político. E o Movimento das Espadas foi um grito de revolta.

Está a falar de Tancos.

Sim, os cinco coronéis foram exonerados. E eu fiz aquele Movimento de Espadas contra todos os generais porque o problema é que os militares estão há tanto tempo habituados - não temos sindicato e não devemos ter - a ser humilhados e a calar, e as coisas continuam iguais. Eu agora estou sempre a ser abordado para fazer partidos políticos, mas não quero fazer. Foi ontem e anteontem, abordam-me e mostram-me partidos já constituídos para eu ficar à frente de partidos. Eu não quero fazer partidos porque isto tem um tempo de maturação, mas começa a formar-se um movimento de consciência, com milhares de pessoas que se vão juntando e falando comigo e perguntando caminhos, para que consigamos mudar a nossa sociedade e torná-la numa sociedade mais justa, com menos corrupção, com políticos que não sejam bois. Acho que o ministro das obras públicas tem de ser um engenheiro de cano, tal como o ministro da defesa um embaixador ou antigo general, o ministro da justiça um juiz decente…

Não acha isso um bocado primário? Um ministro tem de gerir pessoas.

Tem de perceber as coisas e conhecer minimamente.

O que acha deste ministro da Defesa?

É uma besta. Um bom falante, que está numa posição extremamente confortável nisto de Tancos porque quem está a levar com o embate todo é o chefe de Estado-Maior do Exército. Este ministro é um incompetente.

Também acha que o CEME é uma besta?

Não, não acho, Nem vou dizer isso de um militar. Agora o ministro é uma besta. É um tipo que percebe muito pouco de Forças Armadas e não tem honra com a forma como tratou alguns oficiais quando saíram. É um boy do partido às ordens do Costa, e cumpre, cumpre o seu mandato sem se sujar. Até lhe olhei para as unhas e ele tem as unhas imaculadas. Deve ser um pianista, não lhe encontramos uma mácula: um advogado, bem falante, mas à frente  das Forças Armadas e como ministro da Defesa tem sido uma nulidade.

Porque nunca fala do Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas?

Falei do outro, mas do atual não falo porque não o conheço, não falo de quem não conheço. É uma figura um bocado emblemática e há aqui também uma outra figura que é o comandante supremo das forças armadas. 

O Presidente Marcelo.

Sim, que devia ter mais intervenção, porque ele é o comandante, e não tem.

E acha que Marcelo….?

O Comandante Supremo das Forças Armadas devia ter mais intervenção, porque é o comandante. E não tem. Devia bater com a mão na mesa, que ele pode fazer isso, e exigir que se apurassem responsabilidades. Como é que um CEME vai ao conselho, à Assembleia da República dizer “eu não sei o que estou aqui a fazer”. A impunidade é tanta que até um militar goza com os deputados a dizer:  “eu não sei o que é que estou aqui a fazer, portanto vocês vão mas é bugiar”.

O Presidente da República não está…

Houve uma altura em que fui enganado e gostei dele, por causa dos beijinhos, das selfies. Comecei a simpatizar com ele do ponto de vista humano. Mas acho que, realmente, nesta última fase, Marcelo é um homem muito inteligente, é o garante do sistema atual, que é um sistema republicano e palaciano, que é um sistema de palácios e de cortes e de viagens e de ostentação, mas são republicanos. Nós vivemos na anti-república, não sei se já reparou, porque a república não é isto. Nós vivemos numa bandalheira. E o Presidente da República é o dono, o chefe da bandalheira.

Quando foi instituída a República, como sabe, a bandalheira também era muita.

Também era muita, mas então nós evoluímos em termos sociais para pior. Hoje estamos pior. Estamos pior porque há mais informação. Antes as pessoas não tinham informação, a malta que estava em Trás-os-Montes não sabia nada disto. Mas hoje nós sabemos. Hoje sabe-se tudo e as pessoas estão descontentes. Isto para lhe dizer que, neste momento, há já uns bons milhares de pessoas que se podem vir a organizar - eu não gosto de partidos, já o Agostinho da Silva dizia que a palavra “partido” é a que parte, os partidos partem e dividem as pessoas. A minha perspetiva para a sociedade é utópica e idealista… Mas pergunto, se os deputados conseguem cooperar por causa do financiamento dos partidos, sentarem-se de forma delicada, serem amigos uns dos outros e chegarem a um acordo sobre o financiamento dos partidos, por que é que não conseguem chegar a acordos sobre Saúde e Educação? Só por uma coisa: votos, dinheiro. Estão à frente do partido, não estão à frente das pessoas. Hoje em dia vivemos numa ditadura democrática, em que os partidos são realmente ditaduras partidárias em que há uma obrigação de voto - e a pessoa que sai fora do rebanho é excluída do rebanho - e em que não há um foco nas pessoas, nas gentes, no povo. Há um foco é nos interesses do partido. E é isto que o cidadão comum lê.

E o que pode o movimento das espadas pode? E, já agora, quem é o movimento das espadas?

O movimento das espadas são muitas pessoas - e não são nem de esquerda nem de direita, são pessoas de esquerda e de direita, pessoas que vão da direita quase nacionalista, mas que não estão já preocupadas com isso, até uma esquerda… pessoas que foram eminentemente comunistas ou bloquistas. Portanto, é um movimento de pessoas transversal, que tem realmente uma preocupação fundamental de moralização da classe política. Termos políticos que escolhidos pelo povo, mas que possamos olhar para eles e dizer: “Estes tipos são fantásticos”.  

Partem do movimento das espadas?

O movimento das espadas foi o início. 

Então vai criar um partido? Vai-se transformar num partido?

Pode. No nosso sistema há uma grande probabilidade de se tornar num partido. Não quer dizer que seja eu. Neste momento já há muita gente envolvida. Nos últimos dois dias foram três grupos grandes que me abordaram, que se querem sentar comigo, já fui a reuniões a Tomar aqui e acolá…  

Movimentos de militares?

Não, não tem nada a ver com militares. 

Mas este movimento das espadas é criado depois de Tancos, ou estou errado?

É criado com a exoneração dos coronéis. 

Nessa altura disse que tinha o apoio de muitos oficiais?

Não só oficiais. Muita gente, civis também. As famílias de oficiais, dos coronéis que foram embora…

É por isso que diz que o movimento das espadas não está acabado. Em relação ao almoço de sábado, na Expo, li que são 500 lugares..

O restaurante tem capacidade para 500 pessoas e já está quase cheio. 

Não será a mesma coisa que os almoços do engenheiro Sócrates, em que está prevista muita gente e depois…

Não, não. Estão confirmados por mim, um a um, por telefone, por email. Civis. Vêm pessoas da Noruega ligados a este movimento. 

Qual movimento?

O movimento das espadas e este movimento, que é um movimento de consciência, e não se vai chamar das espadas. O email para onde as pessoas mandam é “O Portugal que queremos”, é mais dentro dessa perspetiva. E vem malta de todo o lado.

Mas o que acha que se vai discutir lá?

Não se vai discutir nada. 

Então? É só almoçar? Ninguém faz discursos?

Há discursos, dois, provavelmente. De um dos oficiais mais antigos e do coronel Pipa Amorim.

Ele vai estar presente?

Sim, ele e a esposa. Mas está cheia a sala. Nem sei se cabemos todos.

O que se vai passar mais?

Basicamente vai ser isso. Vai ser lido um discurso que já está preparado, mas há aqui uma coisa que é importante que fique definido: neste momento tenho aí umas série de pessoas que me andam a difamar na praça pública. E houve um movimento de difamação a dizer que eu estava a organizar o almoço em apoio aos camaradas que estão com o processo-crime. Isso é mentira. E essa pessoa, que já está identificada, começou a ligar a várias pessoas a dizer para não irem ao almoço porque o almoço era negativo. Mas o almoço não é um almoço de revolta, não é contra o general CEME, é de homenagem à coragem moral de um comandante que, sabendo o que lhe aconteceu por discursar, defendeu os homens à mesma e foi encostado à parede. O que está aqui mal, em termos éticos, é obrigarem o Exército a mentir. 

Eu percebo que a formulação não possa ser muito clara. Mas se é para condenar…

Isso é uma leitura sua. Todas as leituras são possíveis…

É ou não é para condenar o comportamento do Rovisco Duarte…

Não, não é para condenar o comportamento. 

Tem noção do que disse em relação ao CEME?

Sim, sim. E continuo a dizer. Eu sou o maior amigo dele, ajudá-lo a moralizar-se. Criar consciência do que ele anda a fazer. Agora… pediram-me para organizar o almoço. A ideia nem foi minha. Organizei e é um almoço de homenagem ao coronel Pipa Amorim, ex-comandante dos Comandos, por ter sido prematuramente exonerado ou demitido.

Vão falar sobre Tancos e comandos?

Não sei. O homem do discurso é que sabe. Li-o aí num almoço, mas sei que ele basicamente se vai focar… no Pipa Amorim há lá uma parte no final um bocadinho mais política… mas depois vão ter acesso, aquilo é aberto para quem quiser. Basicamente: eu não me queria meter em nada disto. Eu tenho a minha vida pacata, dou formação…

Não teme que os seus negócios privados saiam prejudicados?

Não. Se forem, ainda melhor. É da maneira que eu formo um partido. Muitas das empresas em que eu trabalho até são de pessoas que sofrem e que me leem e seguem-me e isto funciona um bocadinho ao contrário… a minha ambição é controlada. Eu não quero fazer negócios em grandes grupos. Há uns anos, fiz negócios em Angola, com grandes projetos, grandes empresas, muito dinheiro. Hoje em dia vivo bem com aquilo que tenho. Se os meus negócios saírem prejudicados não vou sentir. Não é por aí. Há uma coisa que as pessoas me acusam e há pessoas que não vão ao almoço por isso: concordam com tudo o que eu digo, mas não concordam com a forma como eu digo. As pessoas ou me amam ou me odeiam. E eu sou amigo dos meus inimigos porque eu gosto de criar muitos inimigos. É sinal de que as coisas estão a mexer. O CEME se não gostar de mim, não gosta e é algo que não consegue resolver sobre si. É mais consigo do que comigo. Se mexo com alguns valores, poderes instalados, nomeadamente as forças armadas estarem completamente politizadas, haver militares que estão na maçonaria… eu pergunto a que juramento a que eles obedecem: é o do partido, é o da maçonaria, à bandeira, à Pártia? É que não se pode jurar a dois ao mesmo tempo. 

 

Entrevista publicada na edição de 7 de setembro de 2018

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×