18/11/18
 
 
António Ribeiro Ferreira 08/05/2017
António Ribeiro Ferreira
Opiniao

antonio.ferreira@newsplex.pt

Valha-nos Nossa Senhora de Fátima

Juros brutais até 2020, corte nas compras do BCE e aumento permanente da dívida pública são os sinais óbvios da tragédia. Costa já tem vacas voadoras. Venham de lá mais milagres.

É verdade. Anda tudo muito contente a gastar à fartazana, o défice é ótimo, a economia voa como as vacas do Costa, as exportações e o turismo batem recordes há pouco tempo inimagináveis, os sindicatos piam muito baixinho, o Presidente da República anda feliz e o primeiro-ministro está tão cheio de si próprio que até se dá ao luxo de ser mal-educado e arrogante. O pior, como de costume, é o resto.

E este resto, sempre muito escondido aos portugueses, chama-se dívida pública. Sim, a dívida que permitiu e permite aos portugueses viverem acima das suas possibilidades e que a esquerda não quer pagar.

Sim, a dívida que não para de subir para a geringonça garantir os défices históricos e as despesas camufladas do Estado. Sim, a dívida que PS, Bloco e PCP andam agora a discutir a todo o vapor, com grupos de trabalho e relatórios que mais não são do que guiões para a tragédia em vários atos que será estreada com pompa e circunstância neste pobre país pelos medíocres do costume, que se especializaram há muito tempo em falências e bancarrotas.

Vamos então às notícias com a devida vénia aos seus atores. Portugal vai continuar a ser o país do euro com o maior nível de riqueza hipotecada pelos juros da dívida pelo menos até 2020. Este cenário tem sido constante desde, pelo menos, 2015, e assim continuará nos próximos quatro anos. E, por ter os juros mais altos da zona euro, os contribuintes nem sentem que já têm das contas públicas em melhor estado de toda a região – isto se por “melhor estado” considerarmos o saldo primário (sem contar com juros): as contas portuguesas vão ter excedentes primários e acima de quaisquer outras nos quatro anos até 2020. Estupendo. Excedentes primários ótimos conseguidos com inevitáveis e inteligentes cortes no investimento público e a sempre oportuna tesoura de Centeno na aplicação de cativações aos organismos do Estado.

Voltemos às notícias, essas desgraçadas que estragam o otimismo desenfreado de Costa e companhia e não merecem um simples comentário de Marcelo, um devoto de Fátima e do milagre de Costa. O Banco Central Europeu diminuiu a compra de obrigações do Tesouro português em abril para o valor mais baixo desde o início do programa de estímulos, em março de 2015. No mês passado, o BCE adquiriu 526 milhões de euros de bonds portuguesas no Programa de Compra de Ativos do Setor Público. O valor compara com os 663 milhões de euros em obrigações adquiridas em março, mês em que a instituição liderada por Mario Draghi inverteu a tendência e aumentou a compra de OT nacionais. Com os valores de abril, o total de dívida pública portuguesa comprada pelo BCE ao longo do programa de estímulos sobe para 27 143 milhões de euros. O anjo da guarda de Portugal nos mercados começa a voar para outras paragens e a pressão de vários países do euro, como a Alemanha, para o BCE deixar de comprar dívida aumenta com a inflação perto dos 2% e a economia a mostrar um crescimento sustentável.

Voltemos de novo às notícias. A dívida pública aumentou em março para 243,5 mil milhões de euros, mais 23 milhões de euros por comparação com fevereiro. Em relação a março de 2016 subiu 10 mil milhões de euros.

Como se vê, está tudo bem encaminhado para a tragédia. Juros brutais até 2020, redução de compras do BCE e aumento constante da dívida. Até o insuspeito Vital Moreira, que está longe de ser um adversário da geringonça, lançou um alerta oportuno: “Quando a dívida pública portuguesa continua com notação negativa por parte das principais agências de rating e o elevado spread dos juros teima em não baixar, não me parece oportuno nem prudente lançar no debate público o tema da reestruturação da dívida, como sucede agora com o relatório conjunto PS-BE. Todo o ‘ruído’ sobre o tema não é propriamente tranquilizador para os investidores nem para as agências de rating. Arrisca ser um tiro no pé.”

Perante este cenário de horror, Marcelo Rebelo de Sousa arrisca-se a ser o idiota útil de uma história que tem tudo para acabar mal. Bem podem os socialistas, agora agarrados a Macron como estiveram agarrados a Hollande, esperar boas novas de Bruxelas. Como disse Teodora Cardoso, só um milagre pode salvar a geringonça e Portugal de um novo desastre. Valha-nos, por isso, Nossa Senhora de Fátima.

Jornalista

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×