15/04/2024
 
 
Uso do Snapchat e Instagram ligado ao aumento do desejo por cirurgia estética

Uso do Snapchat e Instagram ligado ao aumento do desejo por cirurgia estética

Dreamstime Maria Moreira Rato 25/03/2024 20:52

O termo “dismorfia do Snapchat” já entrou no léxico médico, descrevendo uma tendência em que os indivíduos procuram melhorias cosméticas para imitar as versões filtradas de si mesmos que apresentam online.

 

Um novo estudo publicado no Journal of Clinical and Aesthetic Dermatology - Efeitos da pandemia de COVID-19 no uso de redes sociais e na aceitação de procedimentos cosméticos é da autoria de Iman F. Khan, Henriette De La Garza, Michelle Lazar, Kevin F. Kennedy e Neelam A. Vashi - sugere uma forte ligação entre o uso de redes sociais, aplicações de edição de fotos e o desejo crescente por procedimentos cosméticos. Os investigadores descobriram que os indivíduos que passam um tempo considerável em plataformas como Snapchat e Instagram, e aqueles que se envolvem com aplicações de edição de fotos, são mais propensos a considerar a possibilidade de se submeterem a uma cirurgia estética. Os investigadores pretendiam explorar as formas diferenciadas pelas quais as representações virtuais de nós próprios impactam as nossas decisões na vida real, particularmente no que diz respeito à nossa aparência física. O termo “dismorfia do Snapchat” já entrou no léxico médico, descrevendo uma tendência em que os indivíduos procuram melhorias cosméticas para imitar as versões filtradas de si mesmos que apresentam online.

Aliás, já em 2018 falava-se na "dismorfia do Snapchat", pois os filtros do mesmo têm a capacidade de suavizar a pele, esconder imperfeições como manchas ou olheiras, afinar o rosto, adicionar sardas e até mesmo aumentar o tamanho dos lábios ou dos olhos. Como resultado, começaram a emergir novos padrões de beleza entre os jovens. Esta obsessão por alcançar uma imagem perfeita, muitas vezes distorcida pelos filtros digitais, pode levar as pessoas a perderem o contacto com a realidade e criar expectativas irreais sobre a sua própria aparência. Tal pode ser particularmente prejudicial para adolescentes e pessoas com Transtorno Dismórfico Corporal (TDC), uma condição de saúde mental que afeta a perceção da própria imagem. A "dismorfia do Snapchat" é apenas um exemplo do impacto negativo que as redes sociais podem ter na autoestima e na saúde mental dos jovens. Estudos anteriores já haviam demonstrado que o uso excessivo das redes sociais, incluindo o vício em tirar selfies, pode contribuir para problemas de saúde mental. E estes filtros não estão limitados ao Snapchat: também estão disponíveis noutras plataformas como Instagram e Facebook. Até mesmo celebridades aderiram a essa tendência, partilhando fotos e vídeos editados com esses filtros.

Este novo estudo investiga as implicações mais amplas das redes sociais e da edição de fotos nas intenções de cirurgia estética, especialmente à luz do maior foco na aparência durante a pandemia de COVID-19. “Embora tenha havido um aumento no foco cosmético durante a pandemia de COVID, até agora não havia dados que destacassem uma ligação clara ou fatores que tornassem os doentes mais ou menos propensos a submeterem-se a tratamentos cosméticos”, explicou o autor correspondente Neelam Vashi, professor associado de dermatologia e diretor do Boston University Cosmetic and Laser Center no Boston Medical Center, em comunicado. O estudo concentrou-se em indivíduos atendidos numa clínica ambulatorial de dermatologia num hospital urbano em Boston, de outubro de 2019 a junho de 2021. Este período foi selecionado para recolher dados de antes e durante a pandemia de COVID-19, oferecendo uma oportunidade única para analisar mudanças nas atitudes em relação a procedimentos cosméticos.

Para participar, os indivíduos deveriam ter 18 ou mais anos e ser fluentes em inglês ou espanhol, garantindo que as pesquisas pudessem ser concluídas sem barreiras linguísticas que afetassem a compreensão ou as respostas. Os participantes foram convidados a preencher pesquisas que receberam aprovação prévia do Conselho de Revisão Institucional do Campus Médico da Universidade de Boston. Estas pesquisas incluíram perguntas sobre dados demográficos, padrões de uso de redess sociais, perceções sobre procedimentos cosméticos e o desejo de se submeter a tais procedimentos. Os investigadores encontraram uma correlação significativa entre a quantidade de tempo gasto em plataformas, especificamente Snapchat e Instagram, e o aumento do desejo por procedimentos cosméticos. Os participantes que relataram passar mais tempo nestas plataformas eram mais propensos a acreditar que as redes sociais influenciaram a sua decisão de considerar melhorias cosméticas. Isto sugere que a exposição prolongada às imagens selecionadas e aos estilos de vida apresentados nestas plataformas pode aumentar a insatisfação com a aparência, levando a um maior interesse em soluções cosméticas.

O uso de aplicações de edição de fotos como FaceTune, Lightroom e SnapSeed antes de partilhar selfies nas redes sociais foi outro preditor significativo da consideração dos participantes em enveredar por procedimentos cosméticos cirúrgicos e não cirúrgicos. Esta descoberta indica que o ato de alterar digitalmente a aparência pode traduzir-se num desejo de fazer mudanças semelhantes na realidade, possivelmente devido às discrepâncias entre o 'eu' online editado e o reflexo não editado no espelho. Além disso, o estudo descobriu que o envolvimento com conteúdos de redes sociais relacionados com celebridades, influenciadores e contas que mostram os resultados de procedimentos cosméticos influenciam significativamente o desejo de se submeter a melhorias cosméticas. Seguir e interagir com tais contas provavelmente expõe os indivíduos a uma maior frequência de padrões de beleza idealizados, o que pode exacerbar sentimentos de inadequação e aumentar o apelo de intervenções cosméticas para alcançar resultados semelhantes.

Através do estudo foi possível observar também diferenças significativas nas atitudes em relação aos procedimentos cosméticos antes e depois do início da pandemia de COVID-19. Verificou-se um aumento no número de participantes que consideram procedimentos cosméticos durante a pandemia, juntamente com um aumento no número de indivíduos que já haviam sido submetidos aos mesmos. Esta tendência pode refletir os efeitos combinados do aumento da utilização das redes sociais durante os confinamentos e o fenómeno da “dismorfia de Zoom”, em que o aumento das videoconferências leva a um maior auto-exame e à insatisfação com a aparência no ecrã. O estudo destaca a necessidade de os prestadores de cuidados de saúde considerarem a utilização das redes sociais pelos doentes como um fator no seu desejo por procedimentos cosméticos e de se envolverem em discussões abertas sobre as motivações e expectativas por detrás de tais decisões. “O atendimento de qualidade começa com conversas de qualidade e esperamos que este estudo incentive os profissionais a perguntar sobre todos os aspectos da vida de um doente para compreender melhor as suas motivações e objetivos de atendimento”, disse Vashi.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline