27/06/2022
 
 
Os desafios das cidades climaticamente neutras - o foco na reabilitação de edifícios

Os desafios das cidades climaticamente neutras - o foco na reabilitação de edifícios

Viver em condições de pobreza energética implica sofrimento por desconforto térmico e má qualidade do ar interior. Como consequência, a população vulnerável é mais propensa a sofrer problemas tanto físicos quanto mentais.

Por Paulo Ferrão e Ricardo Gomes

As cidades ocupam, na Europa, 4% do território e albergam 75% da população, sendo que a tendência é que este valor aumente. A nível global, as cidades são responsáveis por mais de 65% do consumo global de energia e pela emissão de mais de 70% de gases com efeito estufa (GEE). Assim, sendo a emissão de gases com efeito de estufa a principal causa das alterações climáticas, a mitigação destas emissões nas cidades, transformando-as em espaços climaticamente neutros, é um dos maiores desafios atuais, o qual já foi assumido pela Comissão Europeia com o horizonte de 2050 para todas as cidades europeias, sendo que muitas até já assumiram prazos mais curtos, nomeadamente 2030 ou 2040.

É neste contexto que os edifícios assumem um papel fundamental pois, por exemplo, em Portugal são responsáveis por mais de 30% do consumo de energia final, sendo fundamental que da sua utilização resultem emissões de GEE tendencialmente nulas, sem abdicar do conforto e da qualidade de vida dos seus ocupantes. A renovação de edifícios é uma grande oportunidade, particularmente em Portugal, pois os edifícios construídos antes de 1990 (cerca de 80%) não apresentam isolamento térmico da sua envolvente exterior e são, portanto, obsoletos do ponto de vista energético. 

Edifícios energeticamente ineficientes são uma das principais causas da pobreza energética, uma condição que afeta pelo menos 50 milhões de europeus. Em alguns países do sul da Europa, uma parcela relevante das casas não utiliza qualquer sistema de aquecimento, por exemplo em Lisboa estima-se que sejam 15%. Sem surpresa, este rácio sobe para 35% no quintil de rendimentos mais baixos. Em Portugal, viver em condições de pobreza energética implica sofrimento por desconforto térmico e má qualidade do ar interior. Como consequência, a população vulnerável é mais propensa a sofrer problemas de saúde, tanto físicos (cardiovasculares e respiratórias) quanto mentais (depressão e stress). 

O investimento para melhorar a eficiência energética dos edifícios contribui assim para faturas energéticas mais reduzidas e para saúde dos seus ocupantes. A questão é como promover esta reabilitação e em que medidas apostar. É por isso fulcral estabelecer políticas de reabilitação baseadas em mais conhecimento. Nesse sentido, as ferramentas digitais de modelação energética dos edifícios são essenciais. Ferramentas denominadas “Digital Twins”, mimetizam o comportamento térmico e energético do parque edificado e permitem responder aos problemas da crise climática. Este tipo de ferramentas possibilita a caracterização detalhada da área urbana e calcula com elevada resolução temporal variações da procura de energia em função de condições climatéricas, das características dos edifícios e do seu uso. A possibilidade de analisar e comparar cenários de intervenção nos edifícios permite a hierarquização de soluções de reabilitação e a definição de mecanismos de apoio ao investimento. Iniciativas europeias como a “Renovation Wave Strategy”, fomentam a renovação dos edifícios, propondo a implementação de medidas passivas (isolamento térmico de paredes e coberturas e janelas mais eficientes) e ativas (sistemas eficientes de climatização e de produção de energia renovável). No entanto, um dos maiores desafios na reabilitação urbana prende-se com a dificuldade em obter financiamento. Neste contexto, as plataformas digitais permitem avaliar o impacto de diferentes medidas em termos energéticos e de conforto térmico e apoiam a avaliação de vários tipos de financiamento - empréstimos, apoio a fundo perdido, ou fundos renováveis. Consoante as soluções de reabilitação, estado de conservação dos edifícios e variáveis socioeconómicas da área a reabilitar, poderão ser propostos diferentes modelos e faseamento do financiamento por parte de municípios, estado e banca, alavancando medidas de política pública que visam um plano global de renovação. 

Como exemplo, a plataforma digital desenvolvida pelo Instituto Superior Técnico no âmbito do projeto C-TECH, um projeto associado ao Programa MIT Portugal e financiado pela FCT, permite analisar medidas de intervenção, estando em curso um projeto piloto em três freguesias de Lisboa (Beato, Marvila e Parque das Nações). A visualização do impacto das medidas bem como o desenvolvimento de aplicações de apoio à decisão do cidadão, permitem que vários agentes possam beneficiar da plataforma, estudando-se o desenvolvimento de modelos de negócio inovadores na área de reabilitação. As plataformas digitais assumem assim um papel de ferramentas vocacionadas para estudar diferentes soluções e contextos de reabilitação, providenciando informação personalizada ao cidadão, fomentando a melhoria da sua qualidade vida e a sua participação na construção de cidades mais saudáveis e sustentáveis. 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.

×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline