06/10/2022
 
 
Assalto à casa de Otamendi. PJ afasta GNR do processo

Assalto à casa de Otamendi. PJ afasta GNR do processo

Patrícia de Melo Moreira Felícia Cabrita e Vítor Rainho 18/12/2021 13:38

Uma ‘guerra’ entre a GNR e a PJ atrasou a investigação ao assalto a Otamendi. Só na quinta-feira a PJ decidiu chamar a si todo o processo. Antes, a GNR investigava o assalto e a PJ o sequestro. A perseguição da GNR aos presumíveis assaltantes foi a gota de água na competição entre as duas forças.   

 

Por Felícia Cabrita e Vítor Rainho

Tudo começou umas horas antes da cena final. Quatro homens, devidamente encapuzados, fazem um buraco numa rede, atrás do campo de golfe 2, junto à Herdade da Apostiça, e dirigem-se à casa de Otamendi, jogador do Benfica, que ainda vinha a caminho, depois de ter jogado em Famalicão, onde o clube da Luz ganhou por 4-1. Os homens colocaram-se junto à garagem da casa do jogador, na Herdade da Aroeira, na margem sul, e aí se mantiveram até que o futebolista aparecesse. 

No interior da herdade, suspeita-se que outros cúmplices tenham entrado pela porta oficial do condomínio e tenham ficado escondidos. Quando o relógio já se aproximava da uma da manhã, de domingo para segunda, surge Otamendi à porta de casa e é, de imediato, manietado com um cinto, que lhe terá sido colocado à volta do pescoço. A partir daí, começava o terror. 

O jogador, já no interior da casa, terá sido colocado na casa de banho com um dos filhos e a mulher noutro compartimento com a filha, permitindo aos assaltantes andarem pela casa onde encontraram ‘milagrosamente’ cerca de trezentos mil euros, além de relógios e joias valiosas. Segundo fontes próximas do processo, a empregada responsável pelas crianças também estaria em casa.

Calcula-se que o jogador tenha demorado perto de duas horas até conseguir fugir da casa de banho, altura em que terá chamado um segurança, com quem terá feito os primeiros desabafos. De seguida chegou a GNR que terá recorrido às imagens internas da casa, que não estão, ou não estavam, ligadas a nenhuma central de segurança. A Polícia Judiciária só chegou de manhã. E outros problemas começam aqui, até porque, supostamente, Otamendi terá dito, no primeiro depoimento à GNR, que teve uma pistola apontada à cabeça. Se foi assim, a GNR só tinha de comunicar à PJ por se tratar de um crime de sequestro com recurso a armas de fogo.

Mas não foi assim. A GNR e a PJ não comunicaram logo entre si porque os militares da GNR entenderam que parte da investigação lhes pertencia – a do roubo. Tudo se agravaria umas horas depois, já que a GNR recebe uma informação de que os suspeitos estariam na zona de Porto Brandão. Os destacamentos da GNR de Almada, Charneca da Caparica e Trafaria avançam para o local e o resultado não foi o melhor, já que os presumíveis assaltantes conseguiram fugir. Pelo meio deixaram um Audi A4, além de um Mercedes branco. Logo, diz fonte ligada ao processo, o grupo era maior do que se suspeita.

Leia a notícia na íntegra aqui 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline