16/6/21
 
 
Novo teste deteta anticorpos invisíveis

Novo teste deteta anticorpos invisíveis

Jornal i 30/05/2021 16:39

O trabalho dos investigadores baseia-se em linhas celulares obtidas pela engenharia genética dos laboratórios CSIC e assenta num teste conhecido como citometria de fluxo que só precisa de um microlitro de sangue retirado do dedo, adianta a Efe.

Um novo teste de "extrema" sensibilidade desenvolvido no Hospital Geral de Alicante, em Espanha, é capaz de detetar anticorpos contra a Covid-19 até agora invisíveis em doentes que recuperaram da doença e que aparentemente não tinham gerado qualquer imunidade.

 

Criado com base na tecnologia genética do Conselho Nacional de Investigação Espanhol (CSIC), o teste foi desenvolvido pelos investigadores de Hematologia e Imunologia Fabián Tarín, Francisco Marco e Paula Piñero, do Centro Hospitalar de Alicante e do Instituto de Saúde e Investigação Biomédica de Alicante (Isabial).

"Até à data tínhamos provas de que uma percentagem minoritária (cerca de 5%) de pessoas com infeção comprovada, especialmente leve, assintomática, e imunodeprimidos parecia não desenvolver anticorpos e provavelmente permaneciam desprotegidos perante uma possível reinfeção", disse Fabián Tarín à agência espanhola de notícias Efe.

Esta técnica, mais sensível do que as convencionais, revela que "quase metade destes doentes possuem anticorpos em pequenas quantidades, invisíveis a outras técnicas, podendo, portanto, ter alguma proteção contra o SARS-CoV-2", explicou o investigador.

Portanto, a deteção dessas baixas taxas de anticorpos, que são indetetáveis noutros testes, é uma informação valiosa para a estratégia médica destes pacientes que, de facto, podem ser protegidos caso voltem a ser infetados.

O trabalho dos investigadores baseia-se em linhas celulares obtidas pela engenharia genética dos laboratórios CSIC e assenta num teste conhecido como citometria de fluxo que só precisa de um microlitro de sangue retirado do dedo, adianta a Efe.

Francisco Marco, membro da Sociedade Espanhola de Imunologia, destacou que o teste visualiza um tipo "essencial" de anticorpo, do tipo IgA, que permanece até oito meses após a infeção na grande maioria dos doentes e que constitui a primeira barreira contra o vírus.

Ler Mais


Especiais em Destaque

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×