30/11/20
 
 
Vítor Rainho 23/10/2020
Vítor Rainho

vitor.rainho@ionline.pt

Esconder a verdade não dá bom resultado

O Executivo tentou esconder que a zona do Tâmega e Sousa estava com casos a mais, pondo em risco a operacionalidade dos hospitais da região. Pode até perceber-se que o Governo não queira criar o pânico.

Na última edição do semanário SOL, Nélson Pereira, diretor da urgência e medicina intensiva do Hospital de São João, disse uma frase que é o melhor retrato da situação que vivemos: “Está por todo o lado, quase não conseguimos identificar os surtos. A sensação é que as coisas estão de tal forma disseminadas que não há surtos. Quase toda a gente conhece alguém que está infetada ou em quarentena, o que é significativamente diferente do que aconteceu na primeira onda”.

Mesmo perante estas observações tão assertivas, o Governo levou dias e dias a ver o óbvio: era preciso tomar medidas para estancar as zonas mais afetadas. Mas, não. O Executivo tentou esconder que a zona do Tâmega e Sousa estava com casos a mais, pondo em risco a operacionalidade dos hospitais da região. Pode até perceber-se que o Governo não queira criar o pânico. Só que não se entende como a equipa de António Costa não ouve os especialistas como Nélson Pereira que defendem a transparência total, para que todos saibam o que se passa e o que devem fazer.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×