23/01/2022
 
 
Vítor Rainho 28/09/2018
Vítor Rainho

vitor.rainho@ionline.pt

Marcelo está desorientado e não sabe

Desde quando é que cabe ao Presidente da República escolher ou propor o nome do PGR?

Marcelo Rebelo de Sousa está a passar por um mau momento e, ao contrário do que é costume, não o consegue disfarçar. Percebe-se perfeitamente que o Presidente perdeu em toda a linha na história da não recondução da procuradora-geral da República e ainda não conseguiu digerir bem esse momento.

Se não for isso, então é bem mais preocupante, dando razão àqueles que entendem que Marcelo não se esquece do que a PGR fez ao seu amigo Ricardo Salgado, algo que não acredito de todo. Certo é que o Presidente não conseguiu deixar de responder a Cavaco Silva por este ter afirmado que a não recondução de Joana Marques Vidal “é a decisão mais estranha do mandato da geringonça”. Perante esta declaração o que disse Marcelo? “Quem nomeia a procuradora são os Presidentes, não são os governos. É uma decisão dos Presidentes. A nomeação da procuradora-geral da República foi uma decisão minha e de mais ninguém. Portanto, o que me está a dizer é que o Presidente Cavaco Silva, no fundo, disse que era a mais estranha decisão do meu mandato”. Como assim? Então não é o governo que propõe o nome e o Presidente concorda ou não?

Desde quando é que cabe ao Presidente da República escolher ou propor o nome do PGR? Mas o mais genial nesta história é a frase seguinte de Marcelo: “Perante isso [a declaração de Cavaco] eu tenho sempre o mesmo comportamento. Entendo, que, desde que tenho estas funções, não devo comentar nem ex-Presidentes, nem amanhã quando deixar de o ser, futuros Presidentes. Por uma questão de cortesia e de sentido de Estado”. Como assim? Não comenta, mas diz que Cavaco não teve sentido de Estado? Estará Marcelo a precisar de férias?

Percebe-se que o Presidente, o atual, apostava muito na recondução de Joana Marques Vidal e que teve de fazer figura de menino bem comportado com a posição do governo de escolher um novo magistrado para o cargo, o que, como sabemos, não é nada o papel que Marcelo gosta de interpretar.

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline