23/7/18
 
 
Professores: profissão mal-amada

Professores: profissão mal-amada

Joaquim Jorge 13/06/2018 12:58

Os professores são sempre causa de controvérsia que se torna tétrica. Os portugueses querem um ensino público de qualidade, mas não o querem pagar para os seus filhos terem uma educação decente. 

Neste diferendo da contagem do tempo de serviço, o que se ouve dizer pelos comentadores de serviço é que os professores ganham muito e não se pode pagar. Os portugueses são muito invejosos e ciumentos, acham que os professores são uns privilegiados. O professor para atingir o topo da carreira precisa de 34 anos  se cumprir os requisitos: módulos de formação, observação de aulas, relatório, tempo de serviço, entre outros.

Mas, então pode-se pagar a um médico, a um juiz e não se pode pagar a um professor porquê? 

Porque é que qualquer pessoa dá palpites sobre a escola, o ensino público, sem saber do que fala? Quem deve primeiramente falar de uma escola são os professores, depois os alunos (que nunca se pede a opinião), a seguir, os pais dos alunos, e no fim, o Ministério da Educação. 

Infelizmente em Portugal, os inúmeros ministros da Educação nunca deram aulas no ensino secundário. Não sabem do que falam nem têm experiência in loco da panóplia de problemas de uma escola. 

A primeira coisa, que um governo deveria ter, seria um Ministério do Ensino Secundário que englobasse todos os graus de ensino: pré-primário, primário, preparatório e secundário. Esse ministério tivesse na tutela um Ministro que tivesse sido professor numa escola.

Infelizmente os sucessivos Ministros da Educação são professores do Ensino Superior, em que o seu conhecimento de causa dos diversos graus de ensino é altamente deficiente e diminuto. 

Esta luta da contagem do tempo de serviço liderada por Mário Nogueira só agora teve eco devido à greve das avaliações. E os pais dos alunos gritaram: “aque-d’el-rei” que os nossos filhos não vou ter notas e não podem passar de ano.
Os professores são a classe mais mal-tratada que há memória em Portugal. Não há respeito pela sua função, pelo seu trabalho individual. Ainda, há gente que em Portugal pensa que um professor só dá aulas! 

Esquecem-se que há todo um trabalho burocrático de bradar aos céus desde actas, relatórios, dossiers de turma, instrução de processos disciplinares, preenchimento de inquéritos, grelhas e plataformas, arquivos de documentação, preparação de aulas, correcção de testes, vigilâncias de exames, entre outros.

Mas o que custa mais a um professor é ter a fama que tem muitas férias e é um manguela. As pessoas confundem férias dos alunos com férias dos professores. 

Os professores são uma espécie em vias de extinção. Todos aqueles que tecem críticas, dão conselhos, sugestões, indicações e opiniões aconselho-os a passarem uns dias numa escola e depois falamos.

Biólogo, fundador do Clube dos Pensadores 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×