25/8/19
 
 
Fernando Rosas: “O CDS até tem um dirigente gay! Ai que moderno que ele é!”

Fernando Rosas: “O CDS até tem um dirigente gay! Ai que moderno que ele é!”

Miguel Silva Jornal i 22/03/2018 18:45

O fundador do Bloco de Esquerda ironizou na TVI sobre Adolfo Mesquita Nunes, considerando a direção do CDS como envolta “numa modernidade postiça”

Ironia e causas LGBT não é uma combinação habitual nos próximos ao Bloco de Esquerda. O partido, sempre progressista nas ditas questões fraturantes, não costuma juntar a expressividade mais agressiva a tais bandeiras. Fernando Rosas, todavia, não seguiu esse costume na sua mais recente aparição televisiva.

No programa Prova dos Nove, que partilha com Paulo Rangel e Pedro Silva Pereira na TVI24, o fundador do Bloco de Esquerda referiu-se indiretamente ao vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes, que recentemente assumiu a sua homossexualidade numa entrevista de vida ao Expresso.

Disse Fernando Rosas, ex-deputado do Bloco de Esquerda, sobre Mesquita Nunes: “O CDS pode ter esta coisa da modernidade e tal, são muito modernos, até têm um dirigente que diz que é gay… Ai que moderno que ele é!”, ironizou.

Mas, para Rosas, há uma coisa que é certa: “eles [o CDS] podem comer no PSD, podem ratar no PSD, até podem subir, mas o resultado que vão ter enfraquecerá o bloco da direita”. Portanto, para Rosas, melhor para a esquerda.  

Essa vertente recentemente mais “moderna” do CDS, continuou o académico, não passará de um “disfarce” eleitoral dos centristas. “Sob o disfarce, sob o manto desta modernidade postiça do CDS, está o velho CDS contra a Interrupção Voluntária da Gravidez, contra o casamento entre pessoas do mesmo género e contra a morte assistida”, afirmou depois.

“É um CDS absolutamente contra a modernidade”, concluiu Rosas, modernamente, na TVI24.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×