18/8/18
 
 
Ferraz da Costa. “As pessoas não querem trabalhar, as empresas não conseguem contratar”

Ferraz da Costa. “As pessoas não querem trabalhar, as empresas não conseguem contratar”

Mafalda Gomes Sónia Peres Pinto 16/02/2018 11:17

Para o presidente do Fórum para a Competitividade há falta de mão-de-obra em todos os setores mas ninguém quer trabalhar

A economia cresceu 2,7% em 2017, a maior subida desde 2000. Ficou surpreendido com o resultado?

Não. A folha de conjuntura do Fórum da Competitividade no início de 2017 começou a apontar para um crescimento de 2,7%, muito antes do próprio governo. Uma meta que acabou por se concretizar.

E para 2018?

É difícil saber o que vai acontecer porque estamos dependentes do exterior. A economia portuguesa, sendo uma economia aberta e pequena, também está dependente de muitos fatores externos. Alguns sinais são positivos, como é o caso da Alemanha que está a apresentar números fantásticos mas, de uma forma geral, o mundo está todo a crescer. Há uma incógnita relativamente à Catalunha que tem um peso relativamente importante no nosso comércio externo. De uma forma geral, os sinais externos são quase todos positivos, daí considerar a nossa performance fraquinha face às previsibilidades.

Qual seria o crescimento desejável?

Poderíamos crescer acima de 4% se quiséssemos.

E porque não crescemos?

Porque os objetivos governamentais não são esses. Portugal nunca teve o crescimento económico como o seu principal objetivo. Ter um crescimento mais elevado é a única forma séria de criar possibilidades de promoção e de crescimento profissional para os mais jovens. Uma economia que não cresce não cria lugares de chefia e não dá hipóteses aos mais jovens que acabam por ficar à espera que os mais velhos morram. Ainda por cima, hoje vive-se mais anos e qualquer dia trabalha-se até aos 80 anos. As empresas são quase lares de terceira idade. Para que isso não aconteça é necessário que haja muitas empresas a crescer acima dos 5% e felizmente temos algumas de dimensão média a crescer nesse patamar.

Mas ainda são uma minoria?

Já são umas centenas, mas precisávamos que fossem milhares. O Fórum Económico quer fazer um trabalho para determinar quais foram as empresas que nos diversos setores e nas diversas regiões apresentaram crescimentos acima da média porque são essas empresas que deveriam ser apoiadas em termos estratégicos e pontualmente deveriam ser ajudadas para comprarem as empresas que dentro do seu setor cresceram menos. Só assim é que conseguem ter objetivos muito maiores em termos de internacionalização. Uma PME de um país pequeno não está, por norma, em mais do que um país em termos de internacionalização e isso é um risco. Se temos uma boa quota de mercado com determinados tipos de produtos ou serviços e estando na União Europeia então deveríamos estar em condições para multiplicar esse sucesso em outros países. Já sabemos como é que se faz, o produto já está confirmado, já há referências porque o primeiro é sempre mais difícil então porque é que não estamos em mais países? Na generalidade dos países com sucesso, as empresas conseguem passar de start-ups para empresas de dimensão internacional num período de tempo relativamente curto. Em Portugal isso não acontece.

Qual é a razão?

Uma das razões deve-se à carga fiscal. Por exemplo, nos Estados Unidos, uma empresa que investe não paga praticamente impostos.

O mesmo acontece às exportações com a aposta de muitas empresas num único só mercado…

Há dois ou três anos, a grande maioria das empresas que exportava, apostava apenas num único mercado. E na esmagadora maioria esse país era Angola.

E se esse país entra em crise…

Começam os problemas.

Foi o que aconteceu com o setor da construção?

A construção é um caso ainda mais complicado. As construtoras fizeram um trabalho notável ao conseguirem ganhar empreitadas porque enfrentavam diversas dificuldades. Durante muito tempo ninguém aceitava sequer uma garantia de um banco português porque estávamos ao nível de lixo. O problema é que as pessoas já se esqueceram como foi esse período.

Por outro lado, estamos a assistir a taxas mínimas ao nível do desemprego…

Mas há falta de mão-de-obra em muitos setores há bastante tempo. Qualquer empresa que queira contratar pessoas não consegue. E essa dificuldade é sentida tanto na agricultura, como no turismo, indústria ou serviços, é por toda a parte. Nós temos aqui algumas áreas na nossa atividade (farmacêutica) onde não crescemos mais porque não encontramos pessoas.

Leia mais na edição de fim de semana do i

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×