19/4/18
 
 
Cavaco quis Sócrates e não Santana

Cavaco quis Sócrates e não Santana

António Pedro Santos Ana Sá Lopes 05/03/2017 09:21

Santana não esquece o incrível ano de 2004, quando Cavaco lhe chamou «má moeda» e preferiu Sócrates como primeiro-ministro. Cenas de um passado estranho e perturbador.

«Gostaria de lembrar o seguinte: José Sócrates é o primeiro-ministro que Cavaco Silva quis. É bom lembrar a história. Quis a ‘má moeda’ substituída pela ‘boa moeda’. Cavaco Silva teve o que merecia. Teve José Sócrates como primeiro-ministro. Agora queixa-se dele? Pois, paciência!». Pedro Santana Lopes, esta semana, na SIC, não conseguiu comentar o ódio recente entre Cavaco e Sócrates sem recordar os primeiros amores mútuos - dos quais o antigo primeiro-ministro foi vítima. 

Em política - e, vá lá, em quase tudo o que à condição humana diga respeito - é muito comum passar do amor ao ódio. O contrário, viajar do ódio até ao amor, já raramente se aplica. 

Santana Lopes tem razão. Naquele incrível ano de 2004 - em que Portugal estava extasiado com o Euro, as bandeirinhas do sr. Scolari nas janelas e imensos estrangeiros em Lisboa no tempo em que a cidade ainda não estava na moda nos circuitos internacionais de turismo - Santana Lopes foi um primeiro-ministro acossado por todos os partidos da oposição e por uma boa parte do seu partido, o PSD. O mais importante ativo social-democrata anti-Santana chamava-se Aníbal Cavaco Silva. 

Na altura, Cavaco estava fora da política ativa a preparar a sua segunda tentativa para chegar a Belém nas eleições que iriam acontecer em janeiro de 2006. Em novembro de 2004, publicou um artigo no Expresso que equivaleu a uma declaração de guerra a Pedro Santana Lopes, a que aliás Santana alude quando diz que Cavaco «quis a ‘má moeda’ substituída pela ‘boa moeda’». Nesse texto, Cavaco citava uma lei económica - a Lei de Gresham - para sustentar a tese de que os tempos que corriam, com Santana Lopes primeiro-ministro, eram a prova de que em política também a «má moeda» podia expulsar a «boa moeda». Trocando por miúdos: a subida ao poder de Santana Lopes (o mau) poderia expulsar de cenas outros bons, entre eles o próprio Cavaco.

O texto de Cavaco Silva é brutal e não deixa margem para dúvidas. «É chegado o momento de difundir na sociedade portuguesa um grito de alarme sobre a tendência para a degradação da qualidade dos agentes políticos (...) Por interesse próprio e por dever patriótico cabe às elites profissionais contribuírem para que na vida partidária portuguesa os políticos competentes possam afastar os incompetentes», escrevia Cavaco sem dó nem piedade (para Santana). Se nada fosse feito, dizia Cavaco, a situação continuaria a «degradar-se» até «se tornar claro que o país se aproxima de nova crise grave». Dias depois da publicação do artigo de Cavaco Silva no Expresso, o Presidente da República Jorge Sampaio acaba por decidir matar o Governo Santana Lopes e dissolver a Assembleia da República

Por essa época, fontes próximas de Cavaco Silva admitiam aos jornalistas que, caso Santana Lopes continuasse primeiro-ministro - se vencesse as eleições de 2005 - Cavaco Silva não seria candidato a Presidente da República. O Professor não suportaria conviver com a «má moeda». Tão insuportável esse convívio lhe parecia que quando Santana Lopes, em campanha eleitoral, lhe pede para que a sua imagem seja usada nos cartazes - ao lado de outros ex-líderes - Cavaco recusa. O argumento é delicioso: a sua imagem não poderia aparecer ao lado de Santana Lopes «por razões académicas». Obviamente que a recusa era política, até porque nunca nenhum político tinha descoberto a existência de «razões académicas» para não participar na campanha do seu próprio partido, que tinha liderado durante 10 anos. 

Entretanto, o PS tinha um novo líder: chamava-se José Sócrates e foi eleito no congresso convocado depois da demissão de Ferro Rodrigues. Ferro ficou furioso com a decisão de Sampaio não convocar eleições e dar posse a Santana Lopes, atitude que o então secretário-geral do PS leu como falta de confiança na sua liderança (e em parte era, porque o PS, acossado pelo caso Casa Pia, vivia uma turbulência interna e Sampaio teve isso em conta, apesar de os socialistas terem vencido as europeias no mês anterior). Ferro demite-se a 9 de julho de 2004. O PS entra em eleições internas: os candidatos são três: Manuel Alegre, João Soares e José Sócrates. João Soares já se tinha rebelado contra a liderança de Ferro meses antes - e anunciado a sua candidatura a secretário-geral no congresso seguinte - meses antes da demissão de Ferro. Manuel Alegre tentou convencer António José Seguro a avançar, mas Seguro - depois de um jantar com Jorge Coelho e outros destacados militantes realizado no centro do país - não se candidata. Sócrates há muito que preparava a sua ascensão a secretário-geral, a partir de um núcleo pequeno de apoiantes (José Lello, Renato Sampaio e poucos mais) que cresceu até à vitória no congresso. Por essa altura, os próximos de Sócrates gostavam de vender o novo secretário-geral como «o Cavaco do PS».  Ou seja, para os seus apoiantes, Sócrates seria o homem «determinado», que não se intimidava, capaz de conquistar as massas como o tinha feito Cavaco Silva em duas maiorias absolutas. Apesar dos socialistas terem sido genericamente anticavaquistas - e terem feito uma oposição dura aos Governos Cavaco - a comparação com Cavaco ainda era uma mais-valia na sociedade portuguesa. Guterres tinha deixado o Governo com a marca de «indeciso», Ferro teve dificuldades por causa do processo Casa Pia. Sócrates seria agora «o determinado». A la Cavaco. 

Em privado, Cavaco Silva ia confessando que preferia uma vitória de José Sócrates nas legislativas a ver Santana Lopes continuar como primeiro-ministro. E, como sempre tinha sido defensor de maiorias absolutas, o cenário que lhe era mais simpático era mesmo a vitória de Sócrates com maioria absoluta. Na altura, o Público conta o que pensa Cavaco Silva sobre as eleições legislativas de 2005, através de relatos de várias fontes próximas. Perante o clamor na direção do PSD, Cavaco é forçado a desmentir o indesmentível. 

A relação entre os dois novos protagonistas do poder - Sócrates primeiro-ministro e Cavaco Presidente - começa no melhor dos mundos. Cavaco Silva elogia o «ímpeto reformista» do Governo Sócrates e os ministros de Sócrates chegam a dizer que se «inspiram no ímpeto reformista de Cavaco Silva». Em 15 de janeiro de 2007, o então ministro da Justiça Alberto Costa diz: «O nosso grande antecedente na redução das férias judiciais foi uma iniciativa legislativa de um Governo de Cavaco Silva. Foi essa a primeira vez que houve uma proposta de lei nesse sentido e com uma fundamentação totalmente correta. O que fizemos foi inspirar-nos nesse exemplo de ímpeto reformista». Os ímpetos carinhosos eram mútuos. Poucos dias antes, nos tradicionais cumprimentos de Natal, José Sócrates tinha sido quase eufórico a dirigir-se a Cavaco Silva, debaixo de todos os holofotes: «Gostamos de trabalhar consigo, senhor Presidente», disse o então primeiro-ministro, agradecendo o «empenhamento pessoal em conduzir uma cooperação institucional à altura das necessidades e expectativas dos portugueses». 

«Estamos a fazer aquilo que o país exige», respondeu Cavaco, elogiando também «o espírito leal de bom relacionamento» entre os dois. Santana Lopes, como se viu, não se esqueceu do que se passou no Natal de 2006. Os outros protagonistas provavelmente gostariam de nunca mais se lembrar.
 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

Não tem utilizador? Clique aqui para registar

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×