26/3/19
 
 
Dr. Magalhães Pessoa. Um estádio a ganhar mofo

Dr. Magalhães Pessoa. Um estádio a ganhar mofo

25/05/2012 03:00

O site da Autoridade Aduaneira e Tributária tem uma secção de venda de bens penhorados. Leiloa apartamentos e automóveis, aspiradores e impressoras, lavandarias e snack-bares. É um mundo de oportunidades de negócio. Para quem estiver interessado, há também uma bancada de 1800 lugares à venda. Apesar de agora estar montada no Estádio José Arcanjo, em Olhão, a primeira morada ficava no centro do país, em Leiria. A bancada amovível esteve no Estádio Dr. Magalhães Pessoa durante o Euro-2004 para ajudar a largar a lotação até aos 30 mil lugares prometidos. Recebeu adeptos no Suíça-Croácia (0-0) e no Croácia-França (2-2), os únicos jogos da prova que por ali passaram. Depois saiu do topo Norte, como previsto, para dar lugar a uma área de eventos e negócios.

À venda por um preço base de 54 mil euros (mais IVA a 23%), a bancada é o espelho do que aconteceu desde então ao estádio de Leiria. Construído com ideias ambiciosas de rentabilização, tornou-se desde logo um caso falhado de utilização no pós-Euro. A U. Leiria fez dele casa, mas nem assim deixou de se tornar um fardo para a câmara municipal. Em Dezembro de 2009, o presidente Raul Castro admitiu que o estádio custava cerca de 5 mil euros por dia à autarquia, entre empréstimos e despesas de manutenção.

Ao mesmo tempo, os jogos da U. Leiria estavam longe de atrair muita gente. De 2007 a 2011, a média de espectadores rondou os 2500 por jogo. Fora isso, os únicos eventos futebolísticos de relevo foram os jogos da selecção. O primeiro aconteceu a 19 de Novembro de 2003, na inauguração do estádio. Portugal ganhou 8-0 ao Kuweit, num particular que serviu de preparação para o Europeu do ano seguinte. Foi também lá que a selecção fez o segundo jogo da fase de qualificação para o Mundial-2006 – uma goleada (4-0) à Estónia. Regressou ainda a Leiria para o 1-0 à Arménia, no apuramento para o Euro-2008 e, em Março do ano passado, para o empate com o Chile (1-1).

Um mês e meio antes desse jogo amigável, a U. Leiria entregou um pedido de rescisão do contrato com a empresa municipal Leirisport, responsável pela gestão do estádio, a quem pagava 17 500 euros por jogo. A partir de 2011/12, o clube mudou os jogos para o Municipal da Marinha Grande, por um prazo de três épocas. Em troca da utilização do estádio, a U. Leiria comprometeu-se a construir um relvado sintético por ano para clubes do concelho – Atlético Clube Marinhense, Grupo Desportivo Os Vidreiros e Clube Desportivo da Garcia.

O Dr. Magalhães Pessoa ficava então sem clube residente. A pista de atletismo, a única em Portugal homologada pela IAAF (Associação Internacional de Federações de Atletismo), dava-lhe alguma versatilidade, mas nada que garantisse a sustentabilidade do negócio. Por isso, em Junho do ano passado, a câmara aprovou a proposta de levar o estádio a hasta pública pelo valor de 63 milhões de euros (João Bartolomeu, o presidente da U. Leiria, chegou a dizer que o custo final de construção atingiu os 100). Não apareceu nenhum interessado, por isso nada feito.

Entretanto, o espaço tem recebido todo o tipo de actividades. Foi lá que se realizou o Conselho Nacional do CDS-PP. Houve testes de frisbee (sim, aquele disco que se atira), para ver se o estádio tem condições para receber competições da modalidade, mas também um torneio de râguebi interescolas, uma feira outlet, uma superespecial do Rally Verde Pino ou uma festa de tunas.

Mesmo assim, sobram alguns sinais de futebol em Leiria. Em Janeiro, os juniores do Sporting jogaram os quartos-de-final da NextGen Series, com o Inter – ainda Sá Pinto era o treinador. Além disso, a selecção de sub-20 recebeu a Suíça, em Abril. Já este mês, o estádio serviu de palco para a final da 1.ª Divisão do campeonato distrital de Leiria, entre o Sport Lisboa e Marinha e o Grupo Desportivo da Pelariga (2-1). De resto, o espaço também tem sido utilizado para os treinos dos árbitros portugueses que vão estar no Euro-2012.

Os jogos de topo é que nunca mais voltaram ao Dr. Magalhães Pessoa. Amanhã, Portugal defronta a Macedónia no primeiro de dois encontros de preparação para o Euro-2012. É uma oportunidade para dar uso a um estádio que nos últimos meses só tem ganho mofo.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×