19/11/19
 
 
GES/BES. Juiz Carlos Alexandre vai fixar medidas de coacção a dezenas de arguidos
Ricardo Salgado está em prisão domiciliária sem vigilância electrónica desde sexta-feira

GES/BES. Juiz Carlos Alexandre vai fixar medidas de coacção a dezenas de arguidos

Ricardo Salgado está em prisão domiciliária sem vigilância electrónica desde sexta-feira Ana Brígida Isabel Tavares 28/07/2015 11:21

Ricardo Salgado e os cinco responsáveis já constituídos arguidos no âmbito do processo do Grupo Espírito Santo são apenas a ponta do iceberg. Mais cabeças vão rolar.

Dezenas de arguidos do caso BES/GES vão passar nos próximos tempos pelo Tribunal Central de Instrução Criminal para serem interrogados pelo juiz Carlos Alexandre e ficarem sujeitos a medidas de coacção, a exemplo do que sucedeu sexta-feira com Ricardo Salgado. O i sabe que os diversos processos nas mãos do Ministério Público há cerca de um ano atingirão muitos responsáveis a diversos níveis do império empresarial e financeira que ruiu com estrondo há um ano. Depois de ter colocado Ricardo Salgado preso em casa com vigilância policial em vez de vigilância electrónica, o juiz Carlos Alexandre vai ter de decidir sobre as medidas de coação a aplicar a mais um rol de arguidos no caso Grupo Espírito Santo.

A Procuradoria-Geral da República não quer avançar, “de momento”, mais pormenores à informação que confirma como arguidos, além de Ricardo Salgado, outras cinco pessoas: Isabel Almeida (ex-directora financeira do BES), António Soares (ex-director da BES Vida), José Castella (que foi responsável pela tesouraria do Grupo Espírito Santo), Pedro Luís Costa (ex-administrador da Espírito Santo Activos Financeiros) e Cláudia Boal de Faria (que pertenceu à área de vendas e estruturação do BES).

No entanto, o i sabe que esta lista deverá engrossar a muito breve trecho. 

Leia na íntegra na edição em papel desta terça-feira.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×