23/04/2024
 
 
Investigação policial na Madeira sem estar em “xeque”

Investigação policial na Madeira sem estar em “xeque”

Jornal i 15/02/2024 19:05

O diretor nacional da PJ expressou a sua “total confiança, segurança e serenidade” na investigação, mas admitiu preocupação

O diretor nacional da Polícia Judiciária (PJ) afirmou esta quinta-feira que a investigação policial no caso das suspeitas de corrupção na Madeira não fica “em xeque”. No entanto, Luís Neves admitiu “face ao que era expectável”.

“Não, não coloca em xeque o nosso trabalho, sabemos o que estamos a fazer, estamos seguros no que estamos a fazer, estamos convictos e muito motivados no trabalho que temos vindo a realizar há anos nesta investigação”, disse o diretor nacional da PJ. 

“O que quero dizer e transmitir enquanto diretor nacional é a minha total confiança na equipa que investiga estes factos”, acrescentou Luís Neves, para quem “não há frustrações” face à decisão do tribunal no final do primeiro interrogatório judicial.

O diretor nacional da PJ expressou a sua “total confiança, segurança e serenidade” na investigação, mas admitiu preocupação. 

“Estamos preocupados, naturalmente, face à operação que desencadeámos, face ao que era expectável, as decisões dos tribunais são para ser respeitadas, há mecanismos e o que é certo é que a investigação continua, sendo certo que não haverá aqui nenhuma decisão transitada em julgado”, disse Luís Neves, citado pela agência Lusa. 

Recordando que o Ministério Público (MP) já anunciou recurso das medidas de coação, disse também que o inquérito não está nem encerrado nem arquivado.

“Isto acontece nas investigações e nos percursos. Investigar é um caminho, esse caminho vai ser feito sem que a PJ se desvie um milímetro dos seus objetivos, que é esclarecer a verdade”, disse o diretor nacional.

O diretor nacional da PJ declarou ainda que, face ao que sabe hoje”, voltaria a desencadear a operação na Madeira sem mudar nada, fazendo tudo “de igual forma”, uma vez que, defendeu Luís Neves, “os objetivos foram alcançados”.

“Quero reiterar que fizemo-lo com total sigilo, com total segurança e com eficácia de documentação que foi apreendida e que é muito relevante”, disse.

No âmbito da investigação, o ex-autarca do Funchal Pedro Calado e os dois empresários detidos durante três semanas no âmbito da investigação a suspeitas de corrupção na Madeira ficaram na quarta-feira em liberdade, sob termo de identidade e residência.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline