22/02/2024
 
 
Primeiro-ministro britânico discorda da deportação de migrantes para Ruanda

Primeiro-ministro britânico discorda da deportação de migrantes para Ruanda

Jornal i 29/06/2023 15:43

O Executivo vai agora pedir autorização para recorrer desta decisão para o Supremo Tribunal britânico.

Rishi Sunak, primeiro-ministro britânico, disse esta quinta-feira discordar fundamentalmente de uma decisão judicial de deportação de migrantes para o Ruanda e anunciou que o Governo vai recorrer.

Esta manhã, o Tribunal de Recurso de Londres decidiu que o Ruanda "não é um país terceiro seguro" para enviar migrantes irregulares que chegam ao Reino Unido, contrariando a posição do Governo conservador.

"Embora respeite o tribunal, discordo fundamentalmente com as suas conclusões", afirmou num comunicado, reiterando que o Ruanda é um país seguro.

O Executivo vai agora pedir autorização para recorrer desta decisão para o Supremo Tribunal britânico.

"A política deste governo é muito simples, é este país - e o vosso governo - que deve decidir quem vem para cá, não os bandos de criminosos" que ajudam os migrantes ilegais, frisou.

O Governo de Rishi Sunak assinou um acordo com Kigali para processar os casos de "imigrantes ilegais", a fim de reduzir as chegadas em pequenos barcos através do Canal da Mancha, que separa a França da Inglaterra.

O plano do Governo britânico foi criticado nos últimos dias porque, de acordo com as próprias estimativas, vais custar cerca de 169 mil libras por pessoa (195 mil euros), mais do que se fosse feito no Reino Unido.

O tribunal deu provimento a um recurso apresentado por requerentes de asilo e organizações não-governamentais contra uma decisão judicial, em dezembro, que validava a política do Governo.

A decisão, que foi apoiada por dois dos três juízes, significa que as deportações para o Ruanda "são ilegais" até que o país africano "corrija as deficiências do seu processo de asilo", de acordo com as normas exigidas.

O Partido Trabalhista calculou que, com base nos 75.492 pedidos de asilo recebidos nos 12 meses anteriores a março, o custo do programa poderá ser superior a 12 mil milhões de libras (13,95 mil milhões de euros), muito mais do que os 3,6 mil milhões de libras (4,187 mil milhões de euros) gastos no atual sistema de processamento do Reino Unido.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline