02/10/2022
 
 
Cristina Fernández alega interferência política no julgamento

Cristina Fernández alega interferência política no julgamento

Jornal i 20/09/2022 16:14

"Depois de quase três anos de audiência onde foram recolhidas múltiplas provas, ficou demonstrado que o que foi dito em 2016 e até antes carecia de veracidade e que as provas recolhidas destroem qualquer tipo de acusação, naturalmente falsa e sem fundamento", alegou um dos advogados da vice-presidente, Carlos Beraldi.

A vice-presidente da Argentina, Cristina Fernández, alegou hoje "interferência" do poder político e da comunicação social e colocou em questão a "imparcialidade" dos tribunais no julgamento onde está acusada de corrupção, enquanto presidente, entre 2007 e 2015.

"Depois de quase três anos de audiência onde foram recolhidas múltiplas provas, ficou demonstrado que o que foi dito em 2016 e até antes carecia de veracidade e que as provas recolhidas destroem qualquer tipo de acusação, naturalmente falsa e sem fundamento", alegou um dos advogados da vice-presidente, Carlos Beraldi.

"Apesar disso, durante nove dias ouvimos" do Ministério Público "uma alegação onde, esquecendo tudo o que foi fundamentado neste julgamento, reproduziu as mesmas acusações formuladas desde 2008 e 2016", frisou Beraldi.

A Procuradoria do Ministério Público argentino terminou as suas alegações em 22 de agosto com um pedido de 12 anos de prisão para Cristina Fernández e o seu impedimento de desempenho de cargos públicos pelos alegados delitos de associação ilícita e administração fraudulenta durante os seus dois mandatos como presidente.

O advogado acrescentou que foram ouvidas "coisas insólitas" reportadas pelos meios de comunicação no sentido de que as provas da Procuradoria eram "conclusivas" e frisou que "nunca tinha ouvido tal disparate".

Fernández tinha antecipado, no domingo, o início da sua defesa técnica pedindo aos seus seguidores no Twitter para ouvirem "com atenção como se desmascara a farsa elaborada pelos procuradores [Diego] Lucani e [Sergio] Mola" e questionou, ironicamente, se os diários Clarín e La Nación a iria transmitir.

Em 23 de agosto já tinha emitido um discurso, através das redes sociais, onde afirmava que este processo, iniciado em maio de 2019, era "um julgamento ao Peronismo e aos governos nacionais e populares".

Fernández acusou os procuradores de adotarem o "guião" dos meios de comunicação afetos à atual oposição política, afirmou que a sentença "já estaria escrita" contra si e voltou a denunciar um "lawfare" (perseguição judicial).

A argumentação da defesa da vice-presidente decorre no meio do impacto gerado pelo ataque sofrido pela antiga chefe de Estado em 01 de setembro, ao qual escapou ilesa e pelo qual duas pessoas estão acusadas e outras duas estão detidas.

O ataque ocorreu nas imediações da casa da vice-presidente, no bairro da Recoleta, em Buenos Aires, durante uma das manifestações que têm sido promovidas pelos seus apoiantes desde que o Ministério Público pediu a condenação da antiga presidente.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline