1/12/20
 
 
Maria Beatriz Silva 17/11/2020
Maria Beatriz Silva


O futuro do ensino superior passa pelo online

No IST foi implementado um programa de conteúdos e formações intitulado SaRTRE (Sharing Remote Teaching and Research Experiences – Partilha de Experiências de Ensino, Supervisão e Investigação à Distância).

Criatividade, colaboração, pensamento crítico e comunicação são competências essenciais para o sucesso das novas gerações. A necessidade de desenvolvimento destas competências tem desafiado os educadores a procurar novas soluções e a adaptar estratégias de ensino.

Com o objetivo de apoiar as instituições de ensino superior a melhorar a qualidade do seu ensino e a promover a criatividade e o pensamento crítico por parte dos alunos, a OCDE lidera, desde 2018, o projeto internacional “Promover e avaliar as competências de criatividade e pensamento crítico na Educação Superior”. Entre as 26 instituições de ensino superior participantes, oito são portuguesas.

Paralelamente, a rede de universidades “UNITE! – the University Network for Innovation, Technology and Engineering” junta alunos, professores e funcionários na cocriação de um novo modelo de universidade em que os desafios da sociedade atual – como a transformação digital – são integrados com as áreas da engenharia, da ciência e da tecnologia. A criação de novos modelos potencia o desenvolvimento de novas competências nas gerações atuais e futuras de cidadãos europeus e do mundo.

No início de 2020, com a crise pandémica da covid-19 e o impacto nas vidas de milhares de alunos e docentes, as universidades sentiram a necessidade de acelerar a definição das suas estratégias de ensino remoto.

Nesse sentido, foram criadas comissões de trabalho em cada instituição para facilitar a utilização de ferramentas de apoio ao ensino à distância e a partilha de experiências entre docentes.

No Instituto Superior Técnico, esta comissão, em conjunto com um grupo mais alargado de docentes, funcionários e alunos da instituição, implementou um programa de conteúdos e formações a que chamou SaRTRE (Sharing Remote Teaching and Research Experiences – Partilha de Experiências de Ensino, Supervisão e Investigação à Distância). Para permitir a troca de experiências no ensino e na investigação, foi importante a criação de um fórum para docentes e investigadores e ciclos de formação à distância.

Entre os conteúdos mais valorizados na aplicação das estratégias para o ensino à distância estão a definição de linhas orientadoras para o ensino, para a investigação, para a avaliação e para a supervisão de dissertações de mestrado e de doutoramento.

No caso do SaRTRE foram disponibilizadas boas práticas para a sala de aula e para a avaliação, um código de conduta para alunos e ainda tutoriais de formação para um conjunto de ferramentas para o ensino à distância.

No caso particular da adaptação da avaliação curricular ao ensino à distância é necessário definir novos modelos de transferência de conhecimento para os alunos e, simultaneamente, garantir a integridade de todo o processo. As estratégias de avaliação contínua e aprendizagem com base em projetos de grupo dão resposta a este desafio e permitem aos alunos o desenvolvimento de novas competências.

O futuro do ensino universitário depende do envolvimento alargado das suas comunidades na definição de programas e linhas orientadoras gerais para o ensino à distância e na resposta às necessidades de transformação digital das diversas áreas científicas.

 

*Professora do Instituto Superior Técnico

 


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×