1/11/20
 
 
Um ícone gaúcho

Um ícone gaúcho

Ricardo António Alves 12/10/2020 16:13

O local encerra o universal. Jorge Amado, o mais universal dos escritores em língua portuguesa, fez com que a Baía e o seu povo fossem apreciados por leitores de todos os azimutes, um marinheiro de Sebastopol, um surfista de Queensland ou uma secretária de Turim, por exemplo. Quando pegamos numa personagem como Macanudo Taurino Fagunde, gaúcho da campanha, com um rebenque (chibata de couro) numa mão e uma cuia com chimarrão na outra e largo poncho vestido, podemos experimentar dificuldades numa primeira leitura. Mas não será por isso, com um dicionário à beira de um clique, que nos afastará desta personagem hilariante, num português brasileiro contagiado por castelhanismos.

Neltair Rebés Abreu (Santiago, 1950), adoptou como nome artístico o topónimo da cidade natal, perto da fronteira com a Argentina. Criado em 1976 e publicado pelo jornal Folha da Tarde, de Porto Alegre, como comentário à actualidade, o Macanudo mostra de onde vem, não apenas pela indumentária como pela aparência, inspirado na figura do grande folclorista gaúcho Paixão Côrtes e pelos conhecidos e familiares do autor: um tio característico, uma reminiscência de infância ou uma personagem popular. Daí que a abordagem de Santiago a Macanudo e companhia pelo humor seja benévola, mesmo quando crítica. Taurino é um anti-herói boa praça nado e criado por entre o gado (o Brasil é o maior produtor mundial de bovinos), simplório, inculto, terra-a-terra, tradicionalista pouco afeito a modernices. Pode sair da pampa mas a pampa não sai dele… Com um traço ágil, lembrando o de Augusto Cid, Santiago retrata a sua criatura com profunda empatia, pois, no fundo, está a falar dos seus, da sua gente. Se o humor nesta colectânea de tiras e cartoons é distendido e bonacheirão, subjaz-lhe também uma subtil crítica aos poderes instituídos, em especial o militar. Recorde-se que uma parte deste trabalho foi elaborado durante os 21 anos de ditadura (1964-1985). E depois há a miséria, a desigualdade, e o desinteresse, a invisibilidade da pobreza demasiado presente. João Cabral de Melo Neto lembrou que na década de 1940 as senhoras do Recife faziam camisolinhas para a Índia, quando a esperança média de vida ali era superior à de Pernambuco.

Dois cartoons em páginas contíguas demonstram diferentes maneiras de fazer humor com o problema da terra e dos latifúndios: uma família “favelada”, esquálida, é rodeada por um agrário, capangas, armamento ligeiro e pesado, justificando-se ao atarantado delegado que estava a sentir-se ameaçado – um registo muito à Quino, aqui fica a homenagem. Na página ao lado, o latifundiário tem quase uma apoplexia quando ouve o papagaio palrar “reforma agrária”, indignado com a “bandalheira” que haviam ensinado ao bicho, enquanto o Macanudo faz cara de anjo. É deste equilíbrio, entre o estereótipo e o humor mais crítico, que Santiago torna o seu Macanudo Taurino Fagunde um boneco com especial relevo.

O MELHOR DO MACANUDO TAURINO

Texto e desenhos: Santiago Editora L&PM, Porto Alegre, 1997

BDTECA

MADEMOISELLE J. Uma das melhores BDs lidas este ano, de que falaremos com pormenor em próximas semanas. A acção decorre em Paris, em 1938, não apenas no conhecido quadro de tensão europeia que desembocaria em guerra no ano seguinte, mas também durante a exposição universal que a cidade-luz acolhera nesse ano. Como protagonista uma jovem estagiária de jornalismo. O argumento é de Yves Sente (Blake e Mortimer, Thorgal, XIII) e os desenhos de Laurent Verron (Boulle e Bill). Mademoiselle J – Je ne Me Marierai Jamais, edição Dupuis, Marcinelle, 2020.

ERMAL. Com o quarto livro, intitulado Ómega e Alfa, termina esta série aliciante da autoria de Miguel Santos, em que, num exercício de “história alternativa”, após um enfrentamento nuclear entre Estados unidos e União Soviética no solo europeu, o 25 de Abril nunca teve lugar e Angola, ou melhor dizendo, a “Cidadela” (Luanda), passa a ser o centro de operações de um império desarticulado. Edição Escorpião Azul, Lisboa, 2020. 

UMA BRUXINHA E O SEU GATO.  Pepper é uma feiticeira adolescente e tem um gato, Carrot, que a acompanha nas aventuras num mundo encantado, com castelos, poções, dragões e outros seres imaginários. Para crianças e para quem não se esqueceu de sê-lo. Pepper & Carrot – Vol- 1, de David Revoy, edição FA, 2020. 

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×