13/8/20
 
 
Da velha estante: a lei do trabuco e do punhal

Da velha estante: a lei do trabuco e do punhal

Ricardo António Alves 13/07/2020 22:20

O álbum dá-nos um bom enquadramento histórico inicial, sequenciado por três narrativas em que o pretexto é a caça a João Nunes, o Ferreiro

Um país que sobrevive às razias que Portugal sofreu em boa parte do séc. xix aguenta tudo, incluindo troikas e covides. Vejamos: três invasões francesas, retirada estratégica da corte para o Brasil, regência britânica, revolução constitucional, guerra civil devastadora entre liberais e absolutistas, 3-Constituições-3, ingerência externa armada, as estradas do país tomados de assalto do Minho ao Algarve – do Remexido à Maria da Fonte e ao Padre Casimiro...
É neste período dramático e fascinante em que era mais seguro viajar de Lisboa ao Porto por mar que por terra, o tempo de Garrett e Herculano, que se situa a ação de Mataram-no Duas Vezes (1987), primeiro álbum da projetada série A Lei do Trabuco e do Punhal, infelizmente sem continuidade, com texto de Luís Avelar (n. 1955) e desenhos de Pedro Massano (Lisboa, 1948).

O território é o interior beirão, Avô, Benfeita, Midões – nomes que hoje só dizem algo a poucos mais do que os que lá vivem, terras de Oliveira do Hospital, Arganil, Tábua... e a personagem central é João Brandão (1825-1880), o “régulo” ou “o terror das Beiras”, misto de bandoleiro e político, um cacique dentro e fora da lei.

O álbum dá-nos um bom enquadramento histórico inicial, sequenciado por três narrativas em que o pretexto é a caça a João Nunes, o Ferreiro, aquele que virá a morrer “duas vezes”, inimigo jurado, pessoal e “político” – passe o exagero de atribuir qualquer desígnio político à cacicagem – deste salteador letrado que permaneceu no imaginário popular. 
Se não se trata de uma obra-prima, Mataram-no Duas Vezes é uma assinalável realização da BD portuguesa. Ao contrário do que se via em muitas das suas congéneres, a informação histórica prestada ao leitor não é metida a martelo na boca das personagens, soando tantas vezes a falso, mas assumidamente fornecida através de asteriscos ou em vinhetas próprias para o efeito. Se o trabalho de Pedro Massano respeitante às fisionomias nem sempre nos agrada, é notável o tratamento dado a cada prancha, com planos visualmente muito fortes e um saudável desrespeito pelos limites das vinhetas. 

Lembrando uma carta de Eça de Queiroz a Oliveira Martins, entusiasmado após a leitura de Os Filhos de D. João i (1891), exortando o historiador a pegar nas incontáveis personagens sedentas de biografia e outras abordagens que povoam o nosso passado, este podia e pode ser um dos caminhos para os quadradinhos portugueses. Uma das pranchas mais notáveis é a que identifica, desfilando a cavalo, os sicários de João Brandão: o Juliana, a ferocidade em forma de homem; o Gralha, fala-barato, sempre com um corvo ao ombro; o Anjinho, alcunha apropriada para um violador; o Palaio, muito religioso, benzia-se antes de matar; o Venta Larga, feio como o nome, mas de tiro certeiro; o Faca de Mato, sempre munido dum cutelo de magarefe com que estripava quem lhe fizesse frente. Criaturas que só esperam um argumentista à Charlier ou à Dorison que os venha chamar do inferno, o seu habitat natural.

BDTECA

Léonard Uma paródia a Leonardo da Vinci, esta série criada em 1975 por Turk e De Groot. As invenções são múltiplas, algumas inesperadas, como sucedia com as do próprio Leonardo. A dupla Turk & De Groot, vinda desde o início dos anos 70 com o genial Robin Dubois (ou Robin da Mata, entre nós), desfez-se e desde 2016 que é Zidrou a assegurar os argumentos. Neste 51.º álbum, Léonard inventa… o crime organizado.

Léonard – Génie du Crime, Le Lombard, Bruxelas, 2020. 

O melhor amigo do cão O autor espanhol José Fonollosa é voluntário numa associação de abrigo e proteção canina. A experiência de cuidar destes animais carentes é-nos dada num álbum ternurento e de traço suave.
 
Refugio, Grafito Editorial, Valência, 2020.
 
A nossa companheira morte À morte, o melhor será olhá-la de esguelha, pois sabemos que ela está sempre por perto, à espera, à espreita. E esse olhar convém que seja gelidamente irónico. L. L. de Mars, suíço, também escritor e ilustrador, publica uma série de tiras que a mostra na faina diária junto dos mais ou menos incautos. Com humor, como podemos ver na capa, fazendo uma selfie junto a uma das suas telas preferidas, A Ilha dos Mortos (1880), do também suíço Arnold Böcklin. 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×