27/9/20
 
 
Clemente Pedro Nunes 08/05/2020
Clemente Pedro Nunes

opiniao@newsplex.pt

A pandemia, a China e a globalização

As autoridades chinesas não podem negar que estavam alertadas para os enormes riscos biológicos dos vírus hospedados em animais selvagens.

Portugal está confrontado com uma brutal pandemia, provocada por um vírus proveniente da China, que tem ceifado tragicamente muitas vidas e prejudicado a economia do nosso país e de toda a Europa.

A prioridade de todos nós tem sido a salvaguarda das vidas humanas e a adaptação da atividade quotidiana ao Estado de Emergência que entretanto foi decretado.

Mas uma democracia de qualidade tem de ir mais longe e analisar estrategicamente as origens duma pandemia que, em dois meses, foi capaz de se espalhar por todo o mundo, destruindo dezenas de milhares de vidas num verdadeiro filme de terror.

1 – O que se passou de facto para chegarmos até aqui?

De acordo com as informações oficiais do Governo chinês, este novo coronavírus surgiu, em princípios de dezembro, em Wuhan, uma cidade da província de Hubei, no interior da China.

A passagem do vírus para os humanos terá ocorrido num mercado dessa cidade onde se vendem animais selvagens vivos, incluindo morcegos e pandolins.

Note-se que não é a primeira vez que uma grave epidemia tem início em mercados de animais da China. Já em 2003, a epidemia da SARS teve a mesma origem, mas foi travada sem ter provocado os efeitos devastadores deste novo vírus, nomeadamente porque foi utilizado um fármaco eficaz, o Tamiflu.

Os enormes riscos biológicos que os vírus transportados por estes animais selvagens provocam foram entretanto estudados por vários cientistas, em especial da Universidade Tecnológica de Wuhan.

Em dezembro de 2015 foi publicado na revista Nature um artigo científico sobre o vírus que provocara a SARS que evidenciou a enorme perigosidade para os humanos deste tipo de vírus e da respetiva manipulação.

Lendo com atenção as conclusões deste artigo fica-se perplexo por as autoridades chinesas não terem tomado de imediato medidas preventivas para impedir a propagação deste tipo de vírus, desde logo proibindo o funcionamento dos mercados de animais selvagens vivos, que são vendidos sem qualquer controlo sanitário.

Sublinhe-se que tendo este artigo como coautores dois professores da Universidade de Wuhan, as autoridades chinesas não podem negar que estavam alertadas para os enormes riscos biológicos dos vírus hospedados neste tipo de animais.

2 – A China é hoje uma superpotência mundial, tendo tido um notável sucesso com a globalização.

Recordamos que a reentrada da China nos mercados internacionais se deu a partir do acordo entre os americanos e o dirigente chinês Deng Xiao Ping que, no final da década de 70 do século passado, estabeleceu a fórmula “um país, dois sistemas”.

Ou seja, a partir daí, a China passou a ter um sistema político baseado no controlo pelo Partido Comunista e um sistema económico capitalista, o que lhe tem permitido aceder sem restrições aos mercados globais.

É esta a fórmula que funciona há mais de 40 anos, tendo permitido dar prosperidade a muitas centenas de milhões de chineses e dar ao país uma capacidade de liderança económica e tecnológica a nível mundial.

3 – Face às origens desta pandemia, provocada pelos mercados tradicionais da China profunda, somos obrigados a refletir sobre as regras que a globalização tem de ter para que não se converta num pesadelo como o que agora nos atinge.

Como é possível que o país que lidera hoje muitos dos desenvolvimentos da economia digital e que dá cartas na nova tecnologia 5G pode também ter mercados de animais selvagens, que são um grave risco biológico para a vida e a saúde de dezenas de milhões de pessoas em todo o mundo?

Considero que, aqui chegados, certas regras da globalização terão forçosamente de ser revistas, sob pena de a globalização se converter num veículo de morte.

Urge estabelecer um tratado de prevenção de riscos biológicos, para acompanhar, detetar e resolver com rapidez e eficácia todos os locais do mundo onde se possa iniciar uma “catástrofe biológica”, como agora aconteceu em Wuhan, na China.

Recorde-se que foi o Tratado da Não Proliferação Nuclear, assinado entre a América e a União Soviética nos anos 60 do séc. xx, que permitiu a coexistência pacífica na Guerra Fria e evitou uma terceira guerra mundial.

Agora estamos de novo num momento em que um tratado político ao mais alto nível tem de regulamentar questões tecnológicas vitais, como são os riscos biológicos.

Trata-se de uma questão extremamente complexa que, todavia, há que encarar de frente e com urgência.

A democracia de qualidade exige que se analisem estrategicamente os problemas que ameaçam o nosso país e o mundo. Mesmo aqueles que nós gostaríamos de nunca ter de enfrentar.

Como esta pandemia que agora ameaça a nossa própria vida.

 

Professor catedrático do Instituto Superior Técnico
Subscritor do “Manifesto: Por Uma Democracia de Qualidade”

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×