25/9/20
 
 
Maravilhas

Maravilhas

Ricardo António Alves 27/04/2020 19:55

O argumento de Macan apresenta-se com os ingredientes do maravilhoso: lugares malditos, lugares mágicos, lugares comuns...

Por suposta previsibilidade ou viver pouco suportável e inquietante ansiedade, a realidade parece ser algo que não se nos adequa: das cosmogonias genesíacas aos mitos fundadores, das ilhas maravilhosas aos universos alternativos – o que é a Utopia, de Thomas Moore senão uma e outra coisa? –, o homem nunca se resignou aos limites impostos pela natureza e pelas circunstâncias. O livro de hoje, Pandemonium à Paragusa, que dá início às deambulações de duas novas personagens, Colt & Pepper, situa-nos numa remota América do século XVII, e pertence ao subgénero do maravilhoso com enquadramento histórico. A terra fora colonizada por estranhas criaturas, vindas não se sabe bem de que universo, muitas antropomórficas, outras com as suas características próprias, mas a convivência de todos faz-se naturalmente.

Samuel Culpepper, “Pepper” para os amigos, é o capitão da guarda em Paragusa. Militar maduro à beira de gozar as delícias da aposentação, chefia as forças que protegem Domiciano, o “jovem duque”, que ajudou a elevar ao poder, destronando o “velho duque”. Mas há contestação e Pepper vê-se metido numa terrível encrenca quando percebe que Coltrayne, filho de sua irmã, é um dos jovens que se rebelam e pedem a cabeça do duque, auxiliados por Ossus, o feiticeiro mais poderoso daquelas paragens. Evocando a memória familiar, Pepper não hesita em salvar o sobrinho, pondo-se fora da lei, a escassos dias da sonhada reforma. O álbum, primeiro de uma série, decorre em três partes: das ruas, masmorras e salões de Paragusa, a uma taberna frequentada por gente do mar, na aldeia piscatória de Reed Cove, culminando no Bois de Bouleaux, ou bosque das bétulas, onde é possível encontrar as almas dos que já morreram. (Os bosques foram sempre tidos, nos tempos pré-modernos, como lugares ameaçadores, coio de marginais, bruxas, monstros e outras criaturas estranhas, lembremos os Irmãos Grimm…) Para franquear a entrada, há que responder a um enigma do guardião, resposta que terá de ser aprovada pelo irmão – uma criatura de pesadelo que lhe está colada às costas.

Os autores, a dupla croata Darko Macan (Zagreb, 1966) e Igor Kordej (Zagreb, 1957), têm incursões bem sucedidas nos comics (do Incrível Hulk ao Pato Donald, de Tarzan a Star Wars). Na frente franco-belga, Macan e Kordej assinam também um western, Marshal Bass, igualmente publicado pela Delourt.

Tratando-se de uma série, diremos apenas que o argumento de Macan se apresenta com os ingredientes do maravilhoso: lugares malditos, lugares mágicos, lugares comuns... numa narrativa em que homens e criaturas de todas as formas interagem. O traço de Kordej espalha-se por mil e um pormenores e torna-se deleitoso de ver num splash (prancha com uma só vinheta), recurso utilizado para a abertura de cada um dos capítulos: exímio como fisionomista, inventivo e generoso no detalhe.

Prémios Bandas Desenhadas. Com o objectivo de distinguir BD editada em Portugal, o site bandasdesenhadas.com, coordenado por Nuno Pereira de Sousa divulgou os premiados, uma vez que foi anulada a cerimónia prevista para decorrer no Festival Internacional de BD de Beja, entretanto cancelado pela pandemia. A escolha, entre mais de 300 publicações, coube Carla Ramos, Rodrigo Ramos, Susana Figueiredo e ao administrador. Colt & Pepper – Pandemonium

Colt & Pepper – Pandemonium  à Paragusa

Texto Darko Macan

Desenho Igor Kordej

Editora Delcourt, Paris, 2020

 

BDTECA

 

Prémios Bandas Desenhadas. Com o objectivo de distinguir BD editada em Portugal, o site bandasdesenhadas.com, coordenado por Nuno Pereira de Sousa divulgou os premiados, uma vez que foi anulada a cerimónia prevista para decorrer no Festival Internacional de BD de Beja, entretanto cancelado pela pandemia. A escolha, entre mais de 300 publicações, coube Carla Ramos, Rodrigo Ramos, Susana Figueiredo e ao administrador. 

Eis alguns premiados:

Álbum (distribuição comercial): Einstein, Eddington e o Eclipse: Impressões de Viagem, de Ana Simões & Ana Matilde  Sousa (Chili com Carne);

Álbum (distribuição alternativa): Conversas com os Putos e com os Professores Deles, de Álvaro (Insónia);

Ilustração: Mar de Aral, por Roberto Gomes (G-Floy e Comic Heart);

Argumento: Toutinegra, de André Oliveira (Polvo);

Série: Criminal – Livro Um, de Ed Brubaker e Sean Philips (G. Floy Studio);

Humor: Conversas com os Putos e com os Professores Deles, de Álvaro (Insónia);

BD curta: “Nós”, de Nuno Duarte e Rita Alafaiate, Legendary Horror Stories, vol. I (Legendary Books).

BD de autor ou co-autor nacional publicada no estrangeiro: A Morte Viva, de Alberto Varanda e Olivier Vatine (Ala dos Livros);

Antologia nacional: Umbra #1 (Umbra);

Edição estrangeira: Eu, Louco, de Antonio Altarriba e Keko (Ala dos Livros);

Reedição: Corto Maltese – As Célticas, de Hugo Pratt (Arte de Autor);

Edição (apuro editorial): Andromeda or The Long Way Home, de Zé Burnay (edição do Autor).

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×