25/8/19
 
 
Trump distancia-se de lei antiaborto do Alabama defendendo ser pró-vida

Trump distancia-se de lei antiaborto do Alabama defendendo ser pró-vida

AFP Jornal i 19/05/2019 17:57

O Presidente dos EUA avisou que o aborto será um dos principais temas das próximas presidenciais. 

A pensar nas eleições presidenciais do próximo ano, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, distanciou-se da lei antiaborto do Alabama que o proíbe até em casos de violação. Alinhou com outros republicanos que dizem que a lei vai longe de mais, ressalvando ao mesmo tempo as suas credenciais próvida. Se apoiasse a lei do Alabama, Trump corria o risco de alienar uma parte significativa do eleitorado feminino no país. 

“Como a maioria das pessoas sabe e aqueles que gostariam de saber, sou fortemente pró-vida, com três exceções: violação, incesto e proteção da vida da mãe, a mesma posição assumida por Ronald Reagan”, escreveu Trump no Twitter. “Chegámos até muito longe nos últimos dois anos com 105 novos e maravilhosos juízes federais (muitos ainda estão para vir), dois excelentes novos juízes do Supremo Tribunal, a política da Cidade do México [lei federal que proíbe o apoio do Estado a grupos e organizações pró-aborto] e uma nova e total atitude positiva sobre o direito à vida”, acrescentou o chefe de Estado, apelando de seguida aos republicanos “para se manterem unidos” por o tema vir a ser um dos "principais" no combate eleitoral que se aproxima. 

Em reação à recente aprovação da lei antiaborto pelo Senado do Alabama, a senadora e concorrente às primárias democratas Elizabeth Warren teceu duras críticas aos republicanos, acusando-os de terem aprovado uma lei “perigosa e excecionalmente cruel”. “Vivi nessa América [quando o aborto era proibido] e deixem-me dizer-vos uma coisa: não vamos regressar ao passado - não agora, nem nunca. Vamos combater isto. E vamos ganhar”, afirmou no Twitter a senadora. 

A questão do aborto ganhou novo destaque desde que Trump chegou à Casa Branca, em janeiro de 2017. Os estados do Missouri, Mississípi e Geórgia, a que se juntou agora o Alabama, aprovaram leis antiaborto, no que é encarado por muitos analistas e ativistas a favor da interrupção voluntária da gravidez como uma verdadeira ofensiva conservadora no país. Com as recentes nomeações para o Supremo Tribunal de juízes conservadores, os republicanos esperam vir no futuro a reverter a decisão de Roe vs Wade, que reconheceu o direito ao aborto no país. 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×