20/10/20
 
 
Mário Bacelar Begonha 25/07/2018
Mário Bacelar Begonha

opiniao@newsplex.pt

A verdadeira Sociologia indica o futuro!

Quando alguém, que se intitula sociólogo, se comporta de forma tão absurda, que até surpreendeu António Costa, só podemos admitir que está a preparar o seu próprio futuro

A “A Ciência que tem por objecto o estudo das relações sociais que se estabelecem entre seres humanos que levam à constituição das sociedades”. Esta é uma definição possível de Sociologia.

...Mas, hoje, o que interessa, com tanta “informação” e “data”, é a visão prospectiva, ou seja, poder adiantar, ou “antever”, o futuro, de modo a podermos preparar a sociedade para o enfrentar melhor e com menos “acidentes de percurso”...

Aliás “qualquer médico, com grande conhecimento e experiência, é o que faz perante um doente: avalia a situação actual (presente), ou seja, faz um DIAGNÓSTICO e, perante as perspectivas da evolução da situação, prescreve uma TERAPEUTICA, ou seja, um caminho a seguir, de modo a evitar um fim trágico, que poderia ser a morte do doente. Neste sentido o médico é também um cientista social, que existe há milhares de anos só que a Sociologia é muito recente, estamos a falar de Conte (curso de Filosofia Positiva), e Durkhein, (séc. XVIII / XIX).

... Mas quando alguém, que se intitula sociólogo, e se comporta de forma tão absurda, que até surpreendeu António Costa, só podemos admitir que está a preparar o seu próprio futuro, porque “exigir” à “geringonça”, (leia-se estrema esquerda) “RESPEITO” pelos compromissos com a “U.E.” e a “NATO”, é o mesmo que dizer-lhes: adeus, felicidades e até sempre...!

Hoje, ser um bom político, requer uma elevada dose de cinismo, de hipocrisia, grande domínio da semântica, para escolher palavras que só alguns letrados conhecem e, sobre tudo, o domínio absoluto da “DOUTRINA DA MENTIRA PLAUSIVEL”, ou seja, da DESINFORMAÇÃO, que teve o seu expoente máximo num conhecido político, durante a invasão do Iraque e a queda do seu ditador.

...Mas voltando a Portuga, faz impressão assistir à “derrocada” da democracia, da verdadeira, e ver surgir uma “oligarquia” “P:S:”, com discursos musculados, populistas, estilo “Podemos”, mas que sabemos hoje, que, nas suas vidas privadas, se comportam como a “esquerda caviar”...

No futuro, este “P.S.”, será um partido que troca a competência e a independência, dos filiados escolhidos, pela obediência e submissão, absolutas, ao líder, ou seja, ”queres o tacho, então tens que obedecer, cegamente, ao teu líder”!

Tal e qual como no tempo de Salazar! Mas ao menos não digam que são democratas.

É pura questão de léxico!. É que quando alguém, que desde sempre, após o “25 de Abril”, se identifica com a social-democracia, do DR. Mário Soares, e vê o que se passa hoje, sofre muito mais que qualquer outro cidadão de outro sector, porque sente que está a perder todas as suas referências e, que elas, estão de facto mortas, ou seja, morreram com Mário Soares.

Agora, resta-nos o futebol, a praia, se o Verão aparecer... e o preparar de mais uma legislatura que se afigura uma grande incógnita, já que há-de chegar o tempo do contra--ciclo, quer do Turismo, quer da “Onda” do Imobiliário, e, da paz, na Europa e no Mundo. Depois resta-nos voltar à rotina da prática da corrida matinal, na rua, de madrugada, porque não há dinheiro para mais, o ginásio, para os mais endinheirados e esclarecidos, pois sabem que esta prática é que os poderá manter vivos, e com alguma sanidade mental, já que sem este “desiderato”, podem perder a sua HOMEOSTASIA, ou seja, o seu equilíbrio funcional-orgânico.

Então, até à remodelação, não daquilo que possam pensar, mas daquilo em que nunca pensaram, ou seja, uma nova forma de mentir dizendo a verdade!

Sociólogo

Escreve quinzenalmente

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×