18/11/18
 
 
"Parece que não sabem que o muro de Berlim caiu e o sistema falhou"

"Parece que não sabem que o muro de Berlim caiu e o sistema falhou"

Filipa Traqueia 06/05/2018 15:41

O novo partido liberal critica o “Estado-papá”, o excesso de impostos e a “engenharia social” do governo

Miguel Ferreira da Silva não tem dúvidas de que faltam alternativas ao sistema político atual. O presidente da Iniciativa Liberal (IL), o mais recente partido constituído que adota o liberalismo como principal ideologia, acredita que o problema do país “é o próprio Estado”.
“Do CDS até ao PCP, todos são estadistas, todos defendem o sistema em que estão inseridos e o problema já não é uma questão de ser de esquerda ou de direita. É o próprio Estado, o próprio sistema político e partidário que está caduco e que é preciso ser renovado”, disse ao i.
Ferreira da Silva considera que a “frente reacionária de esquerda”, nome que dá ao acordo parlamentar entre o PS, o PCP, o Bloco de Esquerda e Os Verdes, está a querer “fazer engenharia social e planificação”. “Parece que não sabem que o muro de Berlim caiu, que o sistema do lado de lá falhou e querem continuar a usar a engenharia social e planificação, querem dar-nos migalhas para nos controlar. E quando pode o cidadão decidir sobre o seu próprio futuro?”, questiona.
O presidente da IL acredita que Portugal está “muito além” do atual sistema político-partidário e existe “uma sociedade que é muito mais liberal do que um sistema político que está obviamente obsoleto, está velho e precisa de renovação”.
E é com base nesta ideia de “(-) Estado (+) Liberdade” que a IL aprovou no sábado o programa político, que tem precisamente esta expressão como mote. O documento que resultou de um processo colaborativo – há semelhança do que fizeram com o manifesto partidário – defende “mais transparência”, “melhor representatividade”, “mais simplicidade”, “menos despesa e melhor gestão” e “menos prestação e mais liberdade de escolha”.
“Nós ouvimos os partidos do sistema – e se calhar com boas intenções – dizer que estão a ouvir os portugueses. Vão a uma terra e tomam um café durante cinco minutos no Café Central mas acabam por ser sete ou oito pessoas fechadas numa sala a fazer o programa”, explica Ferreira da Silva. “Nós fizemos as coisas um bocadinho ao contrário” acrescenta.
Na criação do programa, a comissão política do partido acabou por ter de peneirar a “avalanche de contribuições” recebidas porque “muitas delas eram medidas concretas que eram mais próprias de um programa eleitoral, explicou o presidente enquanto reforçava a existência de contribuições “muitíssimo valiosas para o programa político”.
Depois de criado, o documento foi discutido e votado na convenção nacional da IL que se realizou este sábado no Hotel Fénix Lisboa.

Estratégia da IL

Apesar de recusarem posicionar-se no tradicional modelo esquerda-direita, reconhecem que “as políticas liberais têm muito daquilo que hoje em Portugal – por falta de um partido liberal – é considerado de esquerda ou de direita na questão de costumes”, explica Ferreira da Silva. “Obviamente que as posições liberais são posições que favorecem a autodeterminação, a liberdade individual e a não discriminação, seja por que motivo for”.
Para a IL, quem está a retirar a liberdade ao país é o “Estado-papá” – que também chamam de “Dono Disto Tudo” ou “grande Patrão” – através dos impostos que são cobrados aos cidadãos. “Os partidos querem a Segurança Social para quê? Para terem uma forma de controlar a sociedade, de controlar o rebanho, passo a expressão”, diz, criticando o “capitalismo de compadrio”. “É Estado, Estado, Estado para controlar esse tal rebanho e isso tem-se agravado nos últimos tempos, apesar das boas notícias que aparentam haver na economia.”
“Precisamos de um Estado mais pequeno e mais eficaz, um Estado cada vez mais fora do bolso e do quarto dos portugueses”, pode ler-se no programa político a que o i teve acesso. E, para isso, defendem, entre outros pontos, que seja feita a revisão da Constituição e a alteração do sistema eleitoral que, à semelhança do sistema político, consideram “obsoleto”. 

Eleições à porta

Com as eleições à porta, a IL anuncia que, em breve, estará disponível para voltar a receber propostas para a criação de programas eleitorais para as Legislativas, Europeias e das Regiões Autónomas. “A nossa intenção é apresentar-nos a todas”, afirma Ferreira da Silva.
“Somos fiéis ao nosso ADN e vamos, mais uma vez, voltar a estar abertos à constituição de um programa eleitoral com medidas concretas e específicas para cada eleição”, explica, acrescentando que a composição das listas também estará em discussão, pondo de parte a escolha dos candidatos através de “um diretório partidário só por si e sem qualquer outro tipo de legitimação”.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×