24/8/19
 
 
Chama-me Pelo Teu Nome. O fantasma de Guadagnino

Chama-me Pelo Teu Nome. O fantasma de Guadagnino

Cláudia Sobral 18/01/2018 22:35

De “apricot”, relevante será saber que fez uma longa viagem e no sentido inverso àquele que se julga. Nem árabe nem grego, veio primeiro do latim malum (fruto) praecocum (precoce, prematuro), para fruto que amadurece cedo. Só depois foi “berikokkon”, em grego, e por fim “albarkuk”, em árabe. 

Lição oferecida pelo assistente, Oliver (Armie Hammer), ao professor que visita durante o verão na sua casa de férias em Itália, onde há de conhecer o filho do segundo, Elio (Timothée Chalamet), de 17 anos, que com ele embarcará na (re)descoberta da sua sexualidade.

Algures no norte de Itália, em 1983, assim começa o mais recente filme de Luca Guadagnino, adaptado do romance homónimo de André Aciman por James Ivory, que depois de Sundance daria a volta a 2017 para o terminar com o incompreensível epíteto de um dos melhores filmes do ano, a ponto de o realizador ter revelado já vontade de fazer uma sequela - ou mesmo várias.

Incompreensível porque, além da mais que citada e reproduzida metáfora dos alperces, no final, nem discussões à mesa sobre Buñuel e a morte de Buñuel e o seu “Fantasma da Liberdade” (1974), nem o piano, nem a cultura clássica no debitar de referências com que Guadagnino não nos larga - na verdade, parece querer abrigar-se nelas - serão capazes de salvar um filme em que tudo virá de mais. Tudo, exceto o que faz um filme.

No fim de contas, este “filme do ano” aparece como uma espécie de Kechiche mal amanhado. Como um fantasma do que poderia ter sido.

 

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×