23/02/2024
 
 
Santander vai eliminar postos de trabalho e fechar balcões

Santander vai eliminar postos de trabalho e fechar balcões

Sónia Peres Pinto 10/06/2017 20:44

Banco poderá reduzir até três mil postos de trabalho e fechar balcões depois de ter comprado o Popular por um euro. A duplicação de estruturas e de funções é a razão apontada.

 

O Santander vai ter de reduzir a sua estrutura, tanto em postos de trabalho como em balcões depois de ter comprado esta semana o Banco Popular por um euro, no âmbito de uma medida de resolução para evitar a falência desta instituição bancária. 

A ideia, segundo a imprensa espanhola, é eliminar três mil postos de trabalho e os cortes serão nas posições e serviços que o banco tiver em duplicado, assim como na eliminação de balcões. 

A instituição financeira liderada por Ana Botín vai avançar com uma oferta de rescisões voluntárias e reformas antecipadas. E este programa de corte de custos poderá também ter implicações em Portugal, uma vez que é o segundo mercado do Popular e onde o Santander também tem uma forte presença. 

E os números falam por si: em Portugal, o Popular tem perto de 900 funcionários e a este número junta-se aos 6167 que o Santander Totta tinha no fecho de 2016. Já em  Espanha o Popular emprega 12 mil funcionários. Também em termos de balcões, os números são significativos: 118 em Portugal em 1600 em Espanha. 

Com a aquisição do Popular, o Santander é obrigado a aumentar o seu capital no valor de sete mil milhões de euros para cobrir o capital e as provisões necessárias para fortalecer o Popular. 

A filial portuguesa não foi objeto de resolução e está incluída no perímetro de venda, pelo que passa também a integrar o grupo do Banco Santander, revelou o órgão regulador. 

Feitas as contas, com esta operação, a instituição financeira torna-se o maior banco em Espanha - com 17 milhões de clientes - e o maior banco privado em Portugal, com quatro milhões de clientes, representando 17% do mercado português.   

Ana Botín, presidente executiva do Santander, garantiu que o objetivo é manter todos os clientes e explica que o negócio vem numa boa altura. A responsável explicou ainda que a marca será única: Santander. O Banco Central Europeu (BCE) adotou este mecanismo de decisão de resolução, dando ordem para a transferência de todas as ações e capital do Popular para o Santander pelo custo de um euro «devido à recente situação de stress de liquidez». Segundo o BCE, a instituição financeira estava «em queda ou prestes a cair». 

 Estas dificuldades já tinham sido admitidas pelo próprio CEO do Popular, Emilio Saracho, que escreveu aos seus colaboradores a reconhecer a «situação difícil» da instituição financeira. O responsável começou por dizer que «as informações que têm sido publicadas afetam o trabalho e o ânimo» de todos os colaboradores do banco, mas «a nossa obrigação como profissionais passa por nos centrarmos no dia-a-dia e nos clientes». Saracho adiantou também, na altura, que estava a trabalhar em diferentes alternativas «para cumprir os requisitos regulatórios impostos pelo BCE para o próximo ano», que passassem pela venda de ativos estratégicos e uma operação de venda a outra entidade financeira. E foi este último cenário que acabou por se concretizar. 

Também a presidente do Conselho Único de Resolução, Elke König, revelou que «a decisão tomada salvaguarda os depositantes e as funções críticas do Banco Popular. Isto mostra que os instrumentos dados às autoridades de supervisão depois da crise são eficazes para evitar o uso do dinheiro dos contribuintes no resgate a bancos».

Também a Comissão Europeia aprovou a medida, no âmbito das regras de concorrência, e disse que «foi o melhor caminho para assegurar a continuidade das funções importantes desenvolvidas pelo banco e para evitar efeitos adversos significativos sobre a estabilidade financeira». 

Já Ana Botín destacou ainda que esta é uma boa notícia tanto para Espanha como para a Europa.  «Há uma resolução sem que haja ajuda de Estado. Não há nenhum custo para os contribuintes. É uma operação estritamente privada. É uma grande notícia para a Europa. O sistema espanhol será mais sólido com esta operação», salientou.  

 

Operação em Portugal

O negócio do Banco Popular no mercado nacional encontrava-se em processo de transferência para deixar de ser um banco de direito nacional e passar a ser uma sucursal do Popular. Agora, passa a fazer parte do grupo espanhol Santander.

O Banco de Portugal acrescentou ainda que «esta solução não contempla financiamento por parte de organismos nacionais e protege as poupanças confiadas ao Banco Popular Portugal, assegura a continuidade dos serviços prestados em Portugal e o financiamento à economia». Daí defender que esta solução preserva a estabilidade do Banco Popular Portugal e contribui para a salvaguarda da estabilidade do sistema financeiro português. 

Esta não foi a única aquisição do banco espanhol no mercado português.  Também em dezembro de  2015, o Santander comprou o Banif por 150 milhões de euros. A solução garantiu «a total proteção das poupanças das famílias e das empresas confiadas no Banif», foi referido, na altura.

 

Despedimentos no setor

A verdade é que o anúncio de mais despedimentos no setor não parece surpreender os sindicatos.  Aliás, esta tem sido a fórmula encontrada pelos bancos nos últimos anos para responder à redução dos custos operacionais que tem sido imposta e que ganha maior relevo quando se assiste à compra de um banco por outro que está instalado no mesmo mercado. 

O Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários (SNQTB) admitiu que a compra do Banco Popular pelo Santander é «menos má» do que uma eventual resolução ou liquidação do primeiro, mas antecipou uma «maior pressão» para a redução dos postos de trabalho.

«A curto prazo, os trabalhadores vão ser integrados num grupo com maior capacidade, o que é importante, mas a médio e longo prazo estes processos tendem a traduzir-se em menor oferta concorrencial e na redução de postos de trabalho. Temos que estar atentos para que isto se faça com o mínimo de perdas para o trabalho e para a sociedade portuguesa como um todo»,  afirmou. 

Uma opinião partilhada por Rui Riso, presidente do Sindicato dos Bancários do Sul e Ilhas que recentemente já tinha alertado para mais cortes  no grupo Santander. Isto porque, de acordo com o responsável, antigos colaboradores do Banif que passaram para a Oitante podem ficar sem emprego quando o banco espanhol terminar a migração dos sistemas informáticos da antiga instituição portuguesa.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline