17/11/2018
 

JÁ FECHARAM 120 LOJAS HISTÓRICAS DE LISBOA


Texto de Marta F. Reis
Fotografias de Mafalda Gomes

website design templates

Lojistas mais antigos admitem preocupação com o futuro, numa altura em que várias vozes começam a pedir mais proteção. Nos últimos tempos terão encerrado 120 lojas com algum interesse histórico. Segundo um levantamento da União de Associações do Comércio, as lojas de souvenirs baratos aumentaram 6,5 vezes. Hotéis e alojamento local multiplicam-se

A azáfama é grande ao balcão da Casa Frazão, no n.o 259 da Rua Augusta. É assim desde que anunciaram o encerramento, previsto para junho. As vitrinas gritam “liquidação até 70%”. “Há pessoas que vêm para se despedir, algumas foram apanhadas de surpresa”, diz um dos cerca de 30 sócios, funcionários a quem o fundador deixou a casa em testamento. “Se não fosse isso, não havia este movimento.” 

Como pano de fundo do vaivém de perguntas e pedidos, mais tecidos, paninhos e lenços, tudo em promoção, a parede central mantém o medalhão com o perfil de Manuel Alves Frazão, que abriu a casa de tecidos em 1933. Em baixo, as placas comemorativas das últimas décadas. Em 1958 celebraram as bodas de prata, em 1983 as bodas de ouro e, em 2008, as bodas de diamante. A contagem do tempo vai ficar por aqui. Em 2017 foram reconhecidos como “Loja com História” no programa lançado pela Câmara Municipal de Lisboa, título que durante cinco anos os iria proteger do novo regime de arrendamento urbano e adiar um previsível aumento da renda, em última instância até aos preços de mercado, isto se o contrato fosse renegociado. Os sócios optaram por aceitar uma proposta do senhorio para saírem já e não tencionam abrir noutro lugar. “Pagar rendas de 7 mil, 10 mil euros a vender tecidos?”, atira um dos responsáveis.

Poderia ser caso isolado, mas basta descer a Rua Augusta para encontrar várias vozes de desalento entre os lojistas num trajeto de 550 metros onde os turistas são muitos, as esplanadas estão cheias, mas os clientes, dentro dos estabelecimentos mais antigos, não abundam. 

A Casa Frazão não é sequer a única em vias de fechar. A Camisaria Pitta, com uma fachada pitoresca em madeira, também anuncia liquidação total. Fecha no final de maio. No local estão apenas os funcionários, sem ordem para comentar o encerramento anunciado já nas redes sociais pelo gerente, com quem não foi possível chegar à fala. Também têm o título de Loja com História e uma história a condizer. O negócio nasceu em 1887 na Rua de São Julião e mudou-se depois para o número 195 da Rua Augusta. Segundo a resenha histórica no site do programa da CML, forneceram a casa real e o corpo da presidência. E um dos pontos altos terá sido quando, em 1943, davam que falar numa das cenas da comédia “O Costa do Castelo”, em que eram elogiadas as belíssimas camisas Pitta. “‘Pita’…? Isto é seda!” “Não! Pitta Camiseiro...! Quinhentos escudos!”, ficou quase como slogan.


A casa Frazão nasceu em 1933 e foi deixada em testamento aos funcionários, hoje 30 sócios

Se o fecho de duas lojas históricas no espaço de poucas semanas poderá ser coincidência temporal, o cenário desenha-se com alguns números. Cristina Figueiredo, coordenadora do gabinete jurídico da União de Associações do Comércio e Serviços (UACS), lembra que de acordo com um recente voto de protesto aprovado por maioria na Assembleia Municipal de Lisboa, em fevereiro, estima-se que já tenham fechado mais de 120 lojas do núcleo de 300 pré-selecionadas pela autarquia para o programa “Lojas com História”, que resulta de uma ponderação de diferentes critérios que incluem espaços com mais de 25 anos ou que preservem ofícios antigos.

Em 2016, a UACS fez um levantamento exaustivo que apontou para o fecho de 108 estabelecimentos comerciais, cerca de três quartos como consequência direta ou indireta da lei do arrendamento. Mais de metade tinham 25 ou mais anos de antiguidade ou eram representativos do comércio tradicional, diz Cristina Figueiredo, que deixa ainda outro indicador: “Das primeiras 63 lojas já classificadas pela CML [como Lojas com História], cerca de metade têm contrato de arrendamento a prazo, já ao abrigo da Nova Lei do Arrendamento Urbano.” 

O que substitui o comércio tradicional? De acordo com o levantamento da UACS no verão de 2016, as lojas de recordações/souvenirs de baixo preço tinham passado de 14 em 2012 para cerca de 90 – um aumento de 6,5 vezes em quatro anos. O artesanato português – típico ou de autor – tinha reduzido de 24 estabelecimentos para 17. Só ourivesarias, joalharias e relojoarias na Baixa tinham fechado 21 em seis anos. “Diminuíram as livrarias, casas de fotografia, as casas de ferragens, as ortopedias, as casas de sementes, o têxtil lar e atoalhados, as retrosarias, quer pela crise económica e diminuição do poder de compra, quer por mudanças de consumos”, resume a responsável, que admite que a reforma do arrendamento urbano em 2012 “empobreceu a identidade e atração turística da cidade”. 

Ao mesmo tempo multiplicam-se os hotéis e o alojamento local. De acordo com um estudo recente da Cushman & Wakefield, nos próximos três a cinco anos preveem-se 50 novas unidades hoteleiras, a maioria na capital, tendo hoje a Área Metropolitana de Lisboa mais de 360 estabelecimentos hoteleiros.

 

 

 

É a crítica a algum desequilíbrio que se ouve porta a porta nos estabelecimentos mais antigos da Rua Augusta. José Quadros, há 32 anos à frente da Londres Salão – que com o fecho da Casa Frazão passará a ser a maior loja de tecidos da Baixa –, diz que a situação não pode ser vista apenas como preto ou branco. “A lei das rendas tem coisas boas: é inegável que a Baixa estava a ruir. Tínhamos um escritório na Rua da Prata num prédio de 12 herdeiros que recebiam rendas de 30 euros – é natural que nunca tenha havido obras.” 

O problema é ter-se ido longe demais, não garantindo uma proteção mais forte do comércio tradicional face ao que descambou em especulação imobiliária, diz o empresário. “Neste momento estão a descaracterizar a Baixa. Se um ET aterrasse aqui, não ia conseguir dizer se estava na Baixa de Milão ou de Bruxelas. Abrem sobretudo hotéis, alojamento local e grandes insígnias. Quando o rés-do-chão deixa de estar dedicado ao comércio, perde-se ritmo, dinamismo”, diz o empresário, que herdou o negócio do avô.

Mobirise
A casa surge em 1918, inspirada pelas alfaiatarias de Piccadilly, em Londres, e passa por trespasse para a família Quadros nos anos 50. José, irmão do humorista João Quadros, admite alguma preocupação com o futuro, mas o facto de estarem num prédio que pertence à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e de desde cedo terem percebido que tinham de adaptar o negócio aos novos tempos dá-lhe alguma serenidade. “Há um ano fomos chamados pela Santa Casa. Deram-nos seis meses para sair e nem queriam conversar. Entretanto ganhámos a classificação de Loja com História e acabaram por recuar.” Compraram tempo na negociação da renda e também a garantia de que, mesmo que o prédio sofra obras e tenha outro fim, não podem roubar espaço à loja. José admite que poderia até pagar mais de renda, mas não os 7 mil euros ou mais de que se ouve falar na rua. Hoje paga uma renda abaixo de 1000.

MAIOR PROTEÇÃO

Como resistir? Para José Quadros, tem de haver uma maior salvaguarda dos negócios que forem “economicamente viáveis”, uma limitação das rendas dos estabelecimentos protegidos, mesmo que isso implicasse alguns benefícios aos senhorios, para garantir que ganhavam algum dinheiro, mesmo que não fosse tanto.

A mesma ideia foi expressa nos últimos dias pela responsável pelo programa Lojas com História da CML. “Ao fim de cinco ou dez anos, ninguém sabe o que vai acontecer. Foi muito bom já ter havido esta lei mas, se pensarmos a médio prazo, não sabemos o que vai acontecer”, disse à Lusa Sofia Pereira. 

Lourdes Fonseca, presidente da União de Associações de Comércio e Serviços, diz ao i que irão iniciar reuniões para perceber o que se pode fazer. “Estamos convictos de que se não existisse este programa das Lojas com História, a situação ainda seria pior.” Ponto assente é que é preciso travar a descaracterização. “De uma forma geral, o que traz as pessoas a Lisboa é a especificidade da cidade. As Lojas com História, como outro comércio mais tradicional, são aquilo que nos diferencia do resto das cidades da Europa.” Para Lourdes Fonseca, além da questão das rendas, uma medida importante poderia ser garantir que as lojas, mesmo que fechem – até por acordo mútuo, como é o caso da Casa Frazão –, continuam a ser lojas de rua. “A Casa Frazão poderia tornar-se uma loja de moda ou mesmo uma nova loja de tecidos, mas manter-se como espaço comercial.” Mas como, com as atuais rendas? A responsável reconhece que esse é um dos problemas incontornáveis. “A expetativa, em termos imobiliários, das pessoas que compram os edifícios é muitíssimo grande.”

Paula Lourenço, encarregada de loja da sapataria e chapelaria Lord, sabe disso, e o facto de o edifício onde estão instalados desde 1941 estar à venda há alguns meses não é uma situação muito animadora, embora até ao momento não tenham tido qualquer contacto no sentido de saírem, diz. São outra das Lojas com História da Rua Augusta e Paula diz que o legado é muito para pensar em baixar a cabeça. As caixas de chapéus antigas que decoram o espaço, com mais de 70 anos, são apenas um dos objetos que os recordam diariamente disso, aponta.
Mobirise

Paula Lourenço, encarregada de loja da sapataria e chapelaria Lord, admite algum desconforto com a atual situação que se vive na Rua Augusta. Também são uma Loja com História

Paula emociona-se a contar como ver a palavra “liquidação” nas montras vizinhas dá pena. É assim para quem trabalha na Baixa há décadas. “O turismo veio dar mais vida à cidade, mas parece que estão a querer aproveitar ao máximo sem olhar a meios e isto, mais ano menos ano, vai acabar. Lisboa vai ficar uma cidade igual às outras todas.”

A mesma mágoa tem Guida Pereira Conceição, neta do fundador da casa de chás e cafés Pereira da Conceição, no número 102 da Rua Augusta. Atrás do balcão ao lado do marido, admitem que o turismo trouxe movimento, mas beneficia sobretudo a restauração e os hotéis. 

Há quatro anos, a renda duplicou. Não foi muito e é suportável, mas sentiu-se. Sendo uma Loja com História, estão protegidos de novas atualizações até 2022, mas o depois é uma incógnita e a revolta tem aumentado. “Tem sido uma autêntica cavalidade, todas as casas de referencia desaparecem e abrem restaurantes e hotéis porta sim porta não”, resume Luís Nunes da Silva, marido da proprietária. Reconhecem que os senhorios não têm de ser a “caixa de previdência” dos arrendatários, mas a lei das rendas foi demais. Quanto ao programa da Câmara Municipal de Lisboa, “começou tarde”, quando já se via o que aí vinha – as primeiras lojas foram reconhecidas em 2017. “Também já éramos uma loja com tradição há mais de 20 anos... As casas emblemáticas de Lisboa desapareceram e as que se mantêm estão em vias de desaparecer. Em moda de homem na Baixa, fechando a casa Pitta, acaba tudo.”

Na casa de café e chás Pereira da Conceição, a nova Rua Augusta não merece grande admiração. O turismo trouxe mais movimento, mas beneficia sobretudo a restauração. E as lojas emblemáticas estão a desaparecer aos poucos

Ao longo da Rua Augusta não chegam a uma dezena os espaços com alguma antiguidade, mesmo que nem todos sejam formalmente Lojas com História. O prédio que alberga há 30 anos a casa de malhas Achega foi vendido, mas a loja tem as portas abertas. Há a Casa Canadá, de malas. A loja de roupa Clavis 2000 também sobrevive, assim como a Casa Macário, de chás e cafés. Há a Langiarte, de roupa interior, e ainda a Ourivesaria Pimenta, no mesmo edifício da Casa Frazão, que pertence à Torres Joalheiros. 

Ao balcão da Casa Frazão é unânime que os tempos mudaram, e para onde vai esta Lisboa ainda não é muito claro. Uma cliente, moradora na Costa do Castelo, conta que todos os dias tem papéis das imobiliárias na caixa do correio. Já lhe avaliaram a casa num milhão de euros, mas o marido não quer sair. O andar de baixo foi vendido a um casal russo, “simpatiquíssimos”. Se o de cima vai para alojamento local e “começam a fazer muito barulho”, pode ser uma chatice. Um dia, a bolha rebenta, ouve-se. E os turistas perdem o interesse nas pastelarias que vão servindo bolos todos feitos no mesmo sítio, concentradas num pequeno grupo de proprietários, nas sapatarias todas da mesma cadeia ou nos negócios que depressa se percebe que não têm assim tanta história por trás. “O que vão fazer com estas camas todas?”, diz uma das lojistas descontentes, que prefere não dar a cara. “A gente sabe lá dizer se isto é bom ou mau. Para nós, nunca é bom”, remata outra trabalhadora na Rua Augusta.