18/09/2018
 

COMO VAI A VIDA NO INTERIOR

O i dá voz a 20 rostos desse lado mais esquecido do país. Orgulham-se da qualidade de vida, dos preços acessíveis, da proximidade entre sítios e pessoas e da facilidade em arranjar vaga nas escolas. Mas na metade menos populosa do país, a vida tem muitos contras

Fernanda Neves

Dona da pastelaria Jardim | Fundão
57 anos

Depois de dez anos em Bruxelas, vim viver para o Fundão com 28 anos, depois de me ter casado e de ter tido uma criança. Tinha acompanhamento da minha família e tudo era mais calmo. Uma das vantagens é não perdermos tempo no trânsito, temos uma vida muito mais calma e organizada. Viver-se numa cidade grande é complicado por causa dos transportes, das filas, do stresse. Aqui não há disso. Uma das grandes desvantagens de se viver no interior é o acesso à cultura. Sempre que queremos ir ver espetáculos, concertos, museus, o que for, temos de nos deslocar à capital.