17/04/2024
 
 
Mais de 40% dos eleitores norte-americanos temem que a IA atrapalhe a corrida presidencial

Mais de 40% dos eleitores norte-americanos temem que a IA atrapalhe a corrida presidencial

Dreamstime Maria Moreira Rato 25/03/2024 18:54

Uma pesquisa, levada a cabo nos EUA, conclui que a política é o setor número um que foi afetado negativamente por deepfakes (conteúdo gerado por IA com o objetivo de enganar), de acordo com os entrevistados.

Um novo estudo revela que quase metade dos eleitores norte-americanos acredita que o conteúdo gerado pela inteligência artificial (IA) terá um impacto negativo no resultado da corrida presidencial em novembro (43%). A pesquisa realizada com 2.000 eleitores registados revela não apenas que as pessoas estão cada vez mais pessimistas em relação a um universo digital político cheio de deepfakes, mas também que as pessoas não conseguem distinguir entre conteúdo gerado por IA e conteúdo criado por humanos. Os entrevistados foram solicitados a diferenciar entre imagens geradas por IA e imagens criadas por humanos e a maioria identificou de forma errada todas as imagens de IA como criadas por humanos. Em média, apenas um terço dos entrevistados (33%) conseguiu identificar corretamente as imagens geradas por IA. As comparações entre o áudio da IA ​​e a voz humana não foram mais promissoras. Quando um clipe de áudio com voz de IA foi reproduzido, um quinto dos entrevistados (20%) não tinha a certeza se era humano ou IA, enquanto 41% acreditam que a voz de IA era autenticamente humana.

Encomendada pela Yubico, em parceria com a Defending Digital Campaigns, e conduzida pela OnePoll, a pesquisa conclui que a política é o setor número um que foi afetado negativamente por deepfakes (conteúdo gerado por IA com o objetivo de enganar), de acordo com os entrevistados. Mais de três quartos (78%) estão preocupados com o facto de o conteúdo gerado pela IA ser utilizado para se passar por candidatos políticos e espalhar desinformação e 45% dizem estar “muito preocupados” com esta questão. Quase metade (49%) dos entrevistados tende a questionar se vídeos políticos, entrevistas e anúncios online são reais ou se são conteúdo deepfake. Outros sete em cada dez estão preocupados com a perda de informações políticas autênticas e verdadeiras entre a desinformação online. “Além da ameaça da IA ​​e das falsificações profundas que espalham desinformação, 85% dos entrevistados não têm um alto nível de confiança de que as campanhas políticas protejam efetivamente as suas informações pessoais”, disse o porta-voz David Treece, vice-presidente de arquitetura de soluções da Yubico, em comunicado. “Isto pode ter efeitos prejudiciais numa campanha, uma vez que a perda de confiança numa campanha pode significar que os eleitores evitam envolver-se no processo eleitoral, desde a retenção de donativos até ao ponto de não votarem no candidato. É imperativo que os candidatos tomem as medidas adequadas para proteger a sua campanha e, mais importante, para construir a confiança dos eleitores, através da adoção de práticas modernas de segurança cibernética, como a autenticação multifator”.

Os entrevistados dizem que as suas principais preocupações com a segurança cibernética durante a temporada eleitoral de 2024 prendiam-se com a possibilidade de um político que eles apoiam ser hackeado com sucesso, espalhando informações e opiniões falsas (24%) e que as campanhas políticas não levassem a segurança cibernética suficientemente a sério em geral (24%). Para remediar esta situação, os eleitores registados gostariam que as campanhas e os candidatos tomassem precauções para evitar que os seus websites fossem pirateados (42%), utilizassem fortes medidas de segurança, como autenticação multifatorial nas suas contas (41%), e criassem protocolos e funcionários de segurança cibernética. Apenas 15 por cento têm um elevado nível de confiança de que as campanhas políticas protegem eficazmente as informações pessoais que recolhem. Na verdade, mais de dois em cada cinco entrevistados (43%) afirmam ter partilhado informações pessoais com uma empresa ou organização que foi hackeada.

Dos 60 por cento dos eleitores registados que doaram para uma campanha política, 42 por cento não concluíram uma transação de doação online devido a preocupações com a segurança da mesma e com a forma como as suas informações pessoais seriam tratadas. Quase um terço (30%) duvida que as campanhas correspondam às suas expectativas de implementação de padrões de segurança cibernética para proteger as suas informações pessoais. A perceção pública nesta área teve uma grande influência nos resultados eleitorais: 36 por cento dos inquiridos dizem que a sua opinião sobre um candidato mudaria se o candidato sofresse um incidente de cibersegurança, como o seu e-mail ser pirateado. Quarenta e dois por cento daqueles que doaram para uma campanha dizem que a probabilidade de doar novamente mudaria se a campanha fosse hackeada e 30 por cento relatam que isso mudaria até mesmo a probabilidade de um candidato receber o seu voto.

“As campanhas políticas são alvos de maus atores, incluindo estados-nação, cibercriminosos e hacktivistas. Dados os altos riscos neste ano eleitoral, os riscos são ainda maiores”, afirma o porta-voz Michael Kaiser, presidente e CEO da Defending Digital Campaigns. “Toda a equipa da campanha – desde o candidato até aos voluntários – deve compreender que são alvos e proteger-se a si e à campanha com as ferramentas e tecnologia de segurança cibernética adequadas. Qualquer violação pode desviar toda uma campanha e consumir um tempo precioso à medida que o relógio avança em direção ao dia das eleições. Como mostra esta importante pesquisa, os eleitores têm grandes expectativas sobre como as campanhas protegem as suas informações”. 

A 14 de março, várias plataformas online, incluindo TikTok, Facebook, Instagram, Twitter (agora chamado de X), Google e YouTube, receberam notificações para explicar as medidas que estão a adotar para combater os "deepfakes", uma técnica que permite manipular vídeos trocando o rosto das pessoas, mapeando as suas características faciais e sincronizando os movimentos labiais. Esta ação surge devido à preocupação da União Europeia com o potencial uso de imagens e áudio falsos para influenciar eleições, visto que estas ocorrerão em toda a UE dentro de três meses.

Esta exigência reflete o compromisso da UE com a implementação séria da nova Lei dos Serviços Digitais. O comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton, assegurou que a lei está em pleno funcionamento e que as equipas estão totalmente empenhadas nesse sentido. A Lei dos Serviços Digitais da UE, considerada pioneira a nível mundial para plataformas digitais, entrou em vigor a 25 de agosto do ano passado. Os objetivos desta lei incluem criar um ambiente seguro para os utilizadores, reduzindo a exposição a conteúdos ilegais, promover a transparência das plataformas e fomentar a competitividade e inovação no mercado único europeu.

Esta ação da Comissão Europeia ocorre após a Meta (anteriormente Facebook) anunciar que irá restringir o acesso a conteúdo político no Instagram e no Threads, diminuindo a visibilidade de publicações sobre eleições ou governos. Além disso, o TikTok também está a tomar medidas para combater a desinformação durante os períodos eleitorais, restringindo a promoção paga de conteúdo político e estabelecendo um centro eleitoral, além de lançar campanhas de educação sobre literacia informativa.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline