23/04/2024
 
 
O amor das mulheres casadas desaparece mais rapidamente do que o dos maridos em casamentos longos

O amor das mulheres casadas desaparece mais rapidamente do que o dos maridos em casamentos longos

Dreamstime Maria Moreira Rato 11/01/2024 17:12

Para conduzir o estudo, Saurabh Bhargava, professor de economia na Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh, nos EUA, acompanhou as emoções de quase 3.900 adultos heterossexuais: desde recém-noivos até casados ​​há décadas.

Um novo estudo da Universidade Carnegie Mellon descobriu que as mulheres deixam de amar antes dos maridos. O novo estudo, publicado no Journal of the Association for Psychological Science, descobriu que as mulheres relatam uma diminuição mais dramática nos sentimentos de amor ao longo do tempo, em comparação com os homens. A pesquisa mostrou que as mulheres estão mais apaixonadas do que os homens no início dos seus relacionamentos. No entanto, perdem o amor rapidamente e a razão é que ficam a cuidar da casa e a criar uma família, muitas das vezes, com uma aparente falta de colaboração por parte dos seus parceiros masculinos.

Para conduzir o estudo, Saurabh Bhargava, professor de economia na Universidade Carnegie Mellon em Pittsburgh, nos EUA, acompanhou as emoções de quase 3.900 adultos heterossexuais: desde recém-noivos até casados ​​há décadas. Os participantes foram convidados a registar com quem estavam e como se sentiam a cada 30 minutos durante dez dias, seguido de um questionário mais longo sobre o tipo e alvo do seu amor. O estudo revelou que as mulheres são muito mais propensas do que os homens a relatar momentos de sentimento de amor no início de um relacionamento, mas isso não dura. As mulheres em relacionamentos mais longos experienciaram sentimentos de amor enquanto passavam tempo com o parceiro com quase 60% menos frequência do que aquelas em relacionamentos mais recentes. Enquanto isso, os sentimentos de amor diminuíram ao longo do tempo para os homens apenas em 0,4%.

O sentimento de “amor entusiasmado” das mulheres enquanto estavam com os seus parceiros caiu quase 80% ao longo do tempo. O declínio foi muito menor para os homens, de apenas 30%. O estudo descobriu que, à medida que se estabelecem no relacionamento, as mulheres passam mais tempo a executar tarefas domésticas e a cozinhar, enquanto os homens passam cada vez mais tempo a relaxar e fazer sestas. Bhargava também observou que ter filhos pode apagar a chama de um casal, uma vez que os sentimentos de amor podem ser realocados para as crianças e as mulheres assumem a maior parte das funções de cuidado dos filhos.

O estudo também descobriu que ficar separados ajuda os casais a sentirem-se mais próximos. Os casais relataram um grande aumento no amor um pelo outro quando se reencontraram depois de estarem separados por pelo menos oito horas, não importando há quanto tempo estavam juntos. A certa altura, tudo pareceu equilibrar-se entre os participantes do estudo – após cerca de sete anos de casamento, mulheres e homens tinham a mesma probabilidade de relatar estarem apaixonados, ao mesmo tempo que diziam que estavam a gostar da companhia um do outro. “Acho que há uma interpretação otimista dos dados – embora a paixão romântica e o amor romântico diminuam, eles persistem”, disse Bhargava ao The Times (Londres).

Há apenas alguns dias, foi revelado que os cientistas descobriram os motivos pelos quais simplesmente não conseguimos parar de pensar na pessoa que amamos quando nos apaixonamos. Diz-se que um estudo publicado recentemente na revista Behavioral Sciences é o primeiro a compreender a ligação entre o sistema de ativação comportamental da mente e os sentimentos de amor romântico. "Na verdade, sabemos muito pouco sobre a evolução do amor romântico", disse o investigador principal Adam Bode em comunicado na terça-feira. "Como resultado, cada descoberta que nos conta sobre a evolução do amor romântico é uma peça importante do quebra-cabeça que acaba de ser iniciado", continuou.

Investigadores da Universidade do Sul da Austrália, da Universidade Nacional Australiana e da Universidade de Canberra analisaram respostas a questionários de 1.556 jovens adultos que se identificaram como "apaixonados". As perguntas da pesquisa exploraram as reações emocionais dos participantes ao seu parceiro, o seu comportamento em torno deles e o foco que colocaram no seu ente querido – com os investigadores a descobrir que os nossos cérebros reagem de forma diferente quando estamos apaixonados. "Sabemos o papel que a oxitocina desempenha no amor romântico porque temos ondas dela circulando por todo o nosso sistema nervoso e corrente sanguínea quando interagimos com entes queridos", explicou, à sua vez, Phil Kavanagh, académico da Universidade de Canberra. Embora já se saiba há muito tempo que o amor romântico estimula a libertação da chamada "hormona do amor", responsável pela euforia que alguém sente ao se apaixonar, este novo estudo descobriu que estar apaixonado pode fazer com que parte do cérebro se mexa para que o seu amante se torne o centro do seu mundo.

"A forma como os entes queridos assumem uma importância especial… deve-se à combinação da oxitocina com a dopamina, uma substância química que o nosso cérebro liberta durante o amor romântico", explicou Kavanagh. "Essencialmente, o amor ativa caminhos no cérebro associados a sentimentos positivos", acrescentou. Agora que compreendem melhor a reação do cérebro ao estar apaixonado, os especialistas querem concentrar-se nas diferenças entre as abordagens do amor entre homens e mulheres.

"Pensa-se que o amor romântico surgiu há cerca de cinco milhões de anos, depois de nos separarmos dos nossos antepassados, os grandes símios", disse Bode. Observou que os antigos gregos"“filosofavam muito sobre isso, reconhecendo-o tanto como uma experiência incrível quanto traumática", e que "o poema mais antigo já recuperado era na verdade um poema de amor datado de cerca de 2.000 a.C.". No entanto, tal como a maioria das pessoas, os investigadores ainda se questionam muito acerca da ciência do amor.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline