17/04/2024
 
 
Taxa de mortalidade mais elevada entre aqueles que temem doenças graves

Taxa de mortalidade mais elevada entre aqueles que temem doenças graves

Dreamstime Jornal i 16/12/2023 21:40

Os investigadores do estudo analisaram 4.100 pessoas diagnosticadas com hipocondria e compararam-nas com 41.000 pessoas semelhantes em idade, sexo e município de residência sem a doença. As taxas gerais de mortalidade foram mais altas nas pessoas com hipocondria.

Um estudo sueco descobriu um paradoxo sobre as pessoas diagnosticadas com um medo excessivo de doenças graves: elas tendem a morrer mais cedo do que as pessoas que não estão hipervigilantes em relação aos problemas de saúde. A hipocondria, agora chamada de transtorno de ansiedade e doença, é uma condição rara com sintomas que vão além das preocupações comuns com a saúde. Pessoas com o transtorno não conseguem livrar-se dos medos, apesar dos exames físicos e exames laboratoriais normais. Alguns podem mudar de médico repetidamente. Outros podem evitar cuidados médicos.

“Muitos de nós somos hipocondríacos moderados. Mas também há pessoas no outro extremo do espectro que vivem num estado perpétuo de preocupação, sofrimento e ruminação sobre ter uma doença grave”, disse Jonathan E. Alpert, médico no Montefiore Medical Center, em Nova Iorque, em declarações à Associated Press (AP). As pessoas com esta doença estão a sofrer e “é importante levá-las a sério e tratá-las”, disse Alpert, que não esteve envolvido no novo estudo. O tratamento pode envolver terapia cognitivo-comportamental, técnicas de relaxamento, educação e, às vezes, medicamentos antidepressivos.

Os investigadores descobriram que as pessoas com o diagnóstico apresentam um risco aumentado de morte por causas naturais e não naturais, especialmente suicídio. O stress crónico e o seu impacto no corpo poderiam explicar algumas das diferenças, escreveram os autores. O estudo, publicado quarta-feira no JAMA Psychiatry, abordou “uma clara lacuna na literatura”, afirmou David Mataix-Cols, do Instituto Karolinska, na Suécia, que liderou a investigação, à AP. “Tivemos sorte”, disse, porque o sistema sueco de classificação de doenças tem um código separado para a hipocondria, permitindo a análise de dados de milhares de pessoas ao longo de 24 anos, 1997-2020. Pesquisas mais antigas sugeriam que o risco de suicídio poderia ser menor para pessoas com a doença, mas “o nosso palpite, com base na experiência clínica, era que isso seria incorreto”, disse Mataix-Cols. No estudo, o risco de morte por suicídio foi quatro vezes maior para as pessoas com o diagnóstico.

Os investigadores analisaram 4.100 pessoas diagnosticadas com hipocondria e compararam-nas com 41.000 pessoas semelhantes em idade, sexo e município de residência sem a doença. Usaram uma medida chamada pessoa-ano, que contabiliza o número de pessoas e por quanto tempo elas foram rastreadas. As taxas gerais de mortalidade foram mais altas nas pessoas com hipocondria, 8,5 versus 5,5 por 1.000 pessoas-ano. Pessoas com a doença morreram mais jovens do que as outras, com idade média de 70 anos versus 75 anos. O risco de morte por doenças circulatórias e respiratórias era maior. O cancro foi uma exceção; o risco de morte era quase o mesmo.

Encaminhar um doente excessivamente ansioso para profissionais de saúde mental é um cuidado, disse Alpert, que lidera o conselho de pesquisa da Associação Psiquiátrica Americana. Os doentes podem ficar ofendidos porque sentem que estão a ser acusados ​​de imaginar sintomas. “É preciso muito respeito e sensibilidade para transmitir aos doentes que esta é uma espécie de doença, que tem um nome”, disse Alpert. “E, felizmente, existem bons tratamentos".

Estudos realizados em vários países apontam para que 2% a 5% da população mundial sofra de hipocondria. Os sintomas passam por: ter medo intenso de ter uma doença grave; preocupação extrema com sintomas físicos, imaginando que podem ser sinal de doença grave; ir ao médico com frequência e fazer exames e análises constantemente; trocar de médico com frequência, em busca de uma segunda opinião que indique uma condição grave; verificar frequentemente o corpo em busca de sinais de doença; pensar ter uma doença de cada vez de que ouve falar no tema e estar a par do nome de doenças e de medicamentos.

Para além disso, as pessoas que crescem num ambiente de superprotecção ou com familiares hipocondríacos têm maior tendência a ter uma preocupação excessiva com a saúde; quando há um histórico de mortes por doença na família ou amigos, pessoas saudáveis podem passar a ter sintomas de hipocondria e, naquilo que diz respeito à personalidade, queixar-se pode ser uma forma de chamar a atenção. Os hipocondríacos tendem a ser pessoas com tendências obsessivas e inseguras.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline