29/02/2024
 
 
CDS considera "profunda injustiça" atribuição de suplemento de missão apenas à PJ

CDS considera "profunda injustiça" atribuição de suplemento de missão apenas à PJ

Bruno Gonçalves Jornal i 11/12/2023 14:45

"Se a atribuição de um suplemento de missão à Polícia Judiciaria é de inteira justiça, a ausência do mesmo suplemento relativamente aos policias da PSP e aos militares da GNR é incompreensível e indigna", lê-se na nota dos centristas.

O CDS, numa nota enviada às redações, esta segunda-feira, defende que é “uma profunda injustiça” a atribuição de um suplemento de missão à Polícia Judiciária, mas não à GNR e à PSP.

Nuno Melo, líder do CDS, explica que este “suplemento seria não só uma valorização das funções, cada qual com seu valor, mas também um incentivo à continuação do bom trabalho de todos os agentes das três divisões”.

“Em matéria de risco e no que respeita Às obrigações básicas do Estado, ninguém pode ficar para trás”, sustenta o líder centrista.

Na nota enviada às redações o CDS explica que “a salvaguarda do Estado de Direto assenta em larga medida no esforço abnegado e permanente das Forças de Segurança” que, muitas vezes, exercem as suas funções em “condições muito difíceis” e muitas vezes com “equipamento veículos obsoletos e vencimentos reduzidos, colocam a sua vida em risco para salvaguarda das nossas liberdades”.

“Exatamente por isso, não é aceitável que, para situações equivalentes, o Governo decida um tratamento diferenciado para quem, enfrentando igualmente riscos, exerça funções na Polícia Judiciária, PSP e GNR”, esclarecem os centristas na nota.

O partido de Nuno Melo apela ainda que o executivo “decida a revisão das tabelas salariais aplicáveis às Forças de Segurança e à modernização de veículos, equipamentos e instalações, com vista à dignificação das respetivas funções, como é de elementar justiça”.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline