01/03/2024
 
 
Membros de um casal podem ter hipertensão em comum, segundo estudo

Membros de um casal podem ter hipertensão em comum, segundo estudo

Dreamstime Maria Moreira Rato 11/12/2023 09:05

"Queríamos descobrir se muitos casais que muitas vezes têm os mesmos interesses, ambiente de vida, hábitos de vida e resultados de saúde também podem partilhar a tensão arterial elevada", disse o coautor principal do estudo.

Se um dos cônjuges ou parceiros de um casal heterossexual tem tensão arterial elevada, o outro parceiro muitas vezes também tem, de acordo com uma nova investigação publicada no Journal of the American Heart Association, uma revista de acesso aberto e revista por pares da American Heart Association. Os investigadores procuraram saber se os parceiros heterossexuais nos EUA, Inglaterra, China e Índia refletiam o estado da tensão alta um do outro. Estudos anteriores exploraram a união de hipertensão arterial e outras doenças entre casais num único país ou utilizaram pequenas amostras regionais. “O nosso é o primeiro estudo que examina a união da hipertensão arterial em casais de países de rendimento alto e médio”, disse o coautor principal do estudo, Jithin Sam Varghese, professor assistente no Emory Global Diabetes, Centro de Pesquisa da Emory University em Atlanta. "Queríamos descobrir se muitos casais que muitas vezes têm os mesmos interesses, ambiente de vida, hábitos de vida e resultados de saúde também podem partilhar a tensão arterial elevada". 

Os investigadores analisaram medidas de tensão arterial de 3.989 casais norte-americanos, 1.086 casais ingleses, 6.514 casais chineses e 22.389 casais indianos e descobriram: a prevalência de ambos os cônjuges ou parceiros com tensão arterial elevada foi de cerca de 47% em Inglaterra; 38% nos EUA; 21% na China e 20% na Índia. Em comparação com as esposas casadas com maridos sem tensão arterial elevada, as esposas cujos maridos tinham tensão arterial elevada tinham 9% mais probabilidade de ter tensão arterial elevada nos EUA e em Inglaterra, 19% mais probabilidade na Índia e 26% mais probabilidade na China. Dentro de cada país, foram observadas associações semelhantes para os maridos. A associação foi consistente quando as análises foram estratificadas por área de residência dentro de cada país, riqueza familiar, tempo de casamento, grupos etários e níveis de escolaridade.

“A tensão arterial elevada é mais comum nos EUA e em Inglaterra do que na China e na Índia, no entanto, a associação entre o estado da tensão arterial dos casais foi mais forte na China e na Índia do que nos EUA e em Inglaterra. Na Índia, há uma forte crença em permanecermos juntos como uma família, então os casais podem influenciar mais a saúde um do outro", disse o coautor principal do estudo, pós-doutorado em epidemiologia pela Columbia University Mailman School of Public Health. “Nas sociedades coletivistas na China e na Índia, espera-se que os casais dependam e apoiem um ao outro, emocional e instrumentalmente, para que a saúde possa estar mais intimamente ligada”. Estas descobertas destacam o potencial do uso de abordagens baseadas em casais para o diagnóstico e tratamento da hipertensão arterial, como triagem baseada em casais, treinamento de habilidades ou participação conjunta em programas, observou Li, autor sénior, pós-doutorado pela Universidade do Michigan e autor correspondente do estudo.

Os investigadores usaram dados transversais – capturando um único ponto no tempo – retirados de estudos sobre envelhecimento que são representativos de populações de países inteiros, incluindo o Estudo de Saúde e Aposentadoria 2016-17 nos EUA, o Estudo Longitudinal Inglês 2016-17 sobre Envelhecimento, o Estudo Longitudinal de Saúde e Aposentadoria da China de 2015-16 e o ​​Estudo Longitudinal de Envelhecimento de 2017-19 na Índia. Esses quatro estudos harmonizaram desenho e medidas, e cada um adotou uma pesquisa domiciliar que primeiro recrutou um participante primário que correspondia à idade de elegibilidade -; 50 anos ou mais para estudos nos EUA e Inglaterra e 45 anos ou mais para estudos na China e Índia -; e então convidou o seu cônjuge ou companheiro a participar, independentemente da idade. Os casais foram definidos como participantes heterossexuais que vivem no mesmo agregado familiar e que declararam ser casados ​​ou em união de facto, e aqueles que eram mais velhos do que a idade legal para o casamento no seu país no momento do inquérito.

A idade média dos maridos no estudo foi de 65,7 anos nos EUA; 74,2 anos em Inglaterra; 61,5 na China; e 57,2 anos na Índia. A idade média das esposas no estudo foi de 62,9 anos nos EUA; 72,5 anos em Inglaterra; 59,2 anos na China e 51,1 anos na Índia. A hipertensão arterial foi definida com base em medições num determinado momento. Os participantes foram considerados hipertensos se apresentassem um dos seguintes: tensão arterial sistólica superior a 140 mm Hg ou diastólica superior a 90 mm Hg, medida por profissionais de saúde; ou se responderam sim quando questionados se tinham histórico de hipertensão. Entre as limitações do estudo estava o seu desenho transversal, o que significa que capturou um único ponto no tempo e, portanto, apenas uma medição da tensão arterial, e que as pesquisas incluíram apenas casais heterossexuais.

Segundo o site Medical News, de acordo com as estatísticas de 2023 da American Heart Association, em 2020, quase 120.000 mortes foram atribuídas principalmente à tensão alta e, de 2017 a 2020, 122,4 milhões (46,7%) de adultos nos EUA tinham tensão alta. "Varghese, Lu e colegas relatam uma descoberta importante entre adultos de meia-idade e mais velhos: se o seu cônjuge tem hipertensão, é mais provável que a outra pessoa também tenha hipertensão. Estas descobertas são importantes porque a hipertensão está entre os fatores de risco cardiovasculares modificáveis ​​mais dominantes e permanece altamente prevalente e mal controlada a um nível cada vez mais global. Como apontam os autores, o foco atual das estratégias clínicas e de saúde pública para controlar a hipertensão no nível individual não é adequado. Os autores sugerem que as intervenções direcionadas aos cônjuges podem, portanto, ser especialmente eficazes", disse Bethany Barone Gibbs, professora associada e presidente do departamento de epidemiologia e bioestatística da Escola de Saúde Pública da Virgínia Ocidental.

"Seguindo esta ideia, fazer mudanças no estilo de vida, como ser mais ativo, reduzir o stress ou seguir uma dieta mais saudável, pode reduzir a tensão arterial; no entanto, essas mudanças podem ser difíceis de alcançar e, mais importante, de sustentar se o seu cônjuge ou parceiro (e unidade familiar maior) não estão a fazer mudanças consigo", disse ela. "Essas descobertas também sugerem uma abordagem mais ampla - intervenções que utilizam um modelo socioecológico, considerando os determinantes da hipertensão nos níveis individual, interpessoal, ambiental e político, provavelmente serão necessárias para reduzir o fardo global da hipertensão para a saúde pública", concluiu.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline