01/03/2024
 
 
Padrões irregulares de sono associados ao declínio cognitivo em adultos mais velhos

Padrões irregulares de sono associados ao declínio cognitivo em adultos mais velhos

Dreamstime Maria Moreira Rato 08/12/2023 14:30

No geral, os resultados do estudo mostraram que a curta duração do sono e a variabilidade significativa do sono estavam associadas a uma função cognitiva deficiente. Os distúrbios crónicos do sono podem aumentar os riscos de doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, acidente vascular cerebral, depressão e diabetes, o que aumenta o risco de deterioração cognitiva. 

Num estudo recente publicado na revista JAMA Network Open, os investigadores avaliaram a associação entre padrões de sono e alterações cognitivas associadas à idade entre adultos mais velhos. A deposição de amilóide, que aparece ≥15 anos antes do comprometimento cognitivo, precede o declínio cognitivo. A estratégia de tratamento mais eficaz pode ser atingir os mecanismos patogénicos no início da progressão da doença, de acordo com Pooja Toshniwal Paharia, do site Medical News. A identificação dos fatores que precedem o declínio cognitivo e funcional pode levar à terapia e à prevenção décadas antes do desenvolvimento da demência.

Os distúrbios do sono têm sido associados à demência; entretanto, não se sabe como as variações longitudinais do sono afetam a ocorrência de comprometimentos cognitivos. A curta duração do sono e a má qualidade do sono estão associadas a uma maior carga patológica da doença de Alzheimer. Métricas simples do sono restringem estudos que demonstram uma relação entre distúrbios crónicos do sono e diagnóstico de demência. No presente estudo, os investigadores investigaram se os padrões longitudinais de duração do sono autodocumentada estavam associados ao comprometimento cognitivo entre adultos mais velhos.

A equipa analisou longitudinalmente os dados do Estudo Longitudinal de Seattle (SLS); o estudo avaliou a função cognitiva (entre 1997 e 2020) e a duração do sono autodocumentada (entre 1993 e 2012) entre adultos mais velhos. A equipa inscreveu participantes do SLS da Health Maintenance Organization (HMO) de Washington e do Group Health Cooperative (GHC) de Puget Sound de 1956 a 2020. Os investigadores incluíram apenas indivíduos que forneceram dados demográficos completos e aqueles que receberam a bateria neuropsicológica e preencheram o Health Behavior Questionnaire (HBQ).

Os dados demográficos auto-relatados incluíram sexo (masculino ou feminino), etnia, raça, status de portador do alelo da apolipoproteína E ε4 (APOE*E4) e nível de escolaridade. Os participantes preencheram o HBQ a cada três a cinco anos, cinco vezes de 1993 a 2012, e foram submetidos a avaliações neuropsicológicas a cada cinco a sete anos de 1997 a 2019. O comprometimento cognitivo foi o desfecho do estudo, conforme descrito por desempenhos abaixo dos limites no Mattis Dementia Escala de Avaliação (DRS, pontuações abaixo de 129) e o Mini-Exame do Estado Mental (MEEM, pontuações abaixo de 26). Além disso, a bateria neuropsicológica do SLS incluiu a Escala de Depressão do Centro de Estudos Epidemiológicos (CES-D), segundo explica Pooja Toshniwal Paharia, do site Medical News.

A duração do sono foi autorreferida como a mediana do sono noturno da semana anterior e avaliada longitudinalmente em vários momentos. Os investigadores avaliaram os fenótipos do sono [sono curto (menos de sete horas), sono médio (sete horas), sono longo (mais de sete horas)], duração mediana do sono, alterações na duração do sono e variabilidade do sono. Realizaram a modelagem de regressão de risco do tipo proporcional de Cox para determinar as taxas de risco (HRs) e a análise de dados entre setembro de 2020 e maio de 2023.

Entre os participantes do SLS inscritos inicialmente, apenas 1.104 que completaram as avaliações neuropsicológicas e o HBQ foram incluídos no estudo, após a exclusão de 278 indivíduos sem informações demográficas, especialmente o genótipo APOE. Como resultado, 826 indivíduos [com idade média de 76 anos; 57% (n=468) mulheres; 26% (n=217) portadores de APOE*E4] compuseram a população do estudo. "A modelagem de regressão proporcional de Cox (concordância, 0,8) mostrou que a maior variabilidade nos padrões de sono (HR, 3,1) e o status de sono curto (HR, 3,7) estavam significativamente relacionados ao comprometimento cognitivo. A equipe observou maior declínio cognitivo com o avanço da idade. Dos 614 indivíduos, 44 (sete por cento) apresentaram declínio cognitivo na avaliação final, com maior declínio cognitivo entre os indivíduos mais velhos".

O nível de escolaridade (HR, 1,2) e a posse de ≥1,0 ​​cópias APOE*E4 (HR, 2,1) foram significativamente relacionados com o comprometimento cognitivo. A modelagem considerando a influência da depressão mostrou que o status de portador de APOE*E4 (HR, 2,1) e o nível de escolaridade (HR, 1,1) estavam significativamente relacionados com o risco de declínio cognitivo. Pessoas com sono curto (HR, 2,8) e aumento da variabilidade nos padrões de sono (HR, 2,2) foram significativamente relacionadas com a deterioração cognitiva associada à idade.

A incorporação de parâmetros longitudinais de avaliação do sono nos modelos mostrou que vários fatores estavam significativamente relacionados com o risco de comprometimento cognitivo, incluindo nível educacional (HR, 1,3), status de portador de APOE*E4 (HR, 2,7), fenótipos de sono curto (HR, 3,7), e maior variabilidade nos padrões de sono (HR, 3,1). O estudo encontrou uma correlação significativa entre idade e nível de escolaridade, sendo os indivíduos mais velhos menos instruídos.

"No entanto, a equipa não encontrou diferenças significativas no status do alelo APOE*E4 por idade. As pontuações globais da CES-D mostraram que indivíduos com idade entre 65 e 84 anos relataram menor depressão em comparação com aqueles com idade <56 e ≥85 anos. A idade também influenciou significativamente a duração do sono, com indivíduos mais velhos experienciando durações de sono mais longas e menos pessoas com sono curto e médio. A idade foi associada à menor variabilidade do sono nas avaliações longitudinais da duração do sono", esclarece Pooja Toshniwal Paharia, do site Medical News.

No geral, os resultados do estudo mostraram que a curta duração do sono e a variabilidade significativa do sono estavam associadas a uma função cognitiva deficiente. Os distúrbios crónicos do sono podem aumentar os riscos de doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, acidente vascular cerebral, depressão e diabetes, o que aumenta o risco de deterioração cognitiva. "A privação do sono está associada ao aumento da carga de placa amilóide, bem como ao aumento ventricular mais rápido, agravando a neurodegeneração associada à doença de Alzheimer. A atividade glinfática do tipo ativo do sono auxilia a depuração de amilóide, α-sinucleína e tau, enquanto a privação aguda do sono a diminui", conclui Pooja Toshniwal Paharia, do site Medical News.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline