01/03/2024
 
 
Mães cada vez mais tarde

Mães cada vez mais tarde

Dreamstime Inês Teotónio Pereira 05/12/2023 22:59

A maternidade cada vez mais tardia. Há cada vez mais mães aos 50 anos sendo que a média no primeiro filho é 30,8. Já nos hospitais privados é aos 35 anos. Um fenómeno que está a deixar de o ser para se tornar numa normalidade.

Em Portugal, a idade média da mãe ao nascimento do primeiro filho é aos 30,8 anos. Desde 1983 que a idade média das mulheres que são mães pela primeira vez tem a vindo a aumentar todos os anos: há 40 anos era 23,5. Já a idade média das mães que têm filhos é 32,2 e a curva também tem sido sempre ascendente, segundo os dados da Pordata.

Os números revelam uma tendência que explica o aumento das complicações dos problemas clínicos e até sociais inerentes a esta nova realidade: um terço dos bebés que nasceram o ano passado tinham mães com 35 ou mais anos, o que reflete um aumento de cerca de 7 por cento em comparação com o ano anterior. Cerca de 65% dos nascimentos corresponderam a mães com idades dos 20 aos 34 anos e 1,9% a mães com menos de 20 anos. Em 2020, 5,3% do total dos primeiros filhos nasceram de mulheres com 40 ou mais anos: 2416 tinham 40 ou mais anos e vinte bebés nasceram de mães que tinham pelo menos 50 anos. “Uma tendência que não se irá inverter”, antevê o professor Jorge Lima, Coordenador do Centro de Alto Risco Obstétrico do Hospital da Luz Lisboa. “Há dez anos, apenas 4% dos nascimentos neste hospital eram de mães com mais de 40 anos. Hoje, são 14%”, relata este especialista o jornal i. E acrescenta: “É raríssimo encontrar mães com menos de 30 anos”. Toda elas mães de primeira de viagem. “Ainda o mês passado, realizei três partos em que as mães tinham 50 anos”, conta. Os especialistas apontam como idade ideal para o início da maternidade até aos 35 anos. Depois disso são exigidos maiores cuidados. É a partir desta idade que o risco de surgirem abortos espontâneos, maior dificuldade de engravidar ou doenças genéticas aumenta. A Trissomia 21, por exemplo, tem uma prevalência de 1 para 2 mil casos até aos 34 anos, aos 35 anos passa de 1 para 200, aos 40 anos é de 1 para 90 casos e de 1 para cada 35 nascimentos quando a idade das mães é mais de 45 anos.

Adiar até ao limite

As razões que se prendem com este adiamento da maternidade são várias. E a primeira é o planeamento: as mulheres são mães quando optam por ser é não porque acontece. E a programação leva a que se racionalize ao pormenor esta decisão. Que se considerem todas as condições, as vantagens e as desvantagens de ter filhos, que se encontre a estabilidade e segurança. O aumento da esperança de vida, a aposta na formação ou na carreira profissional e a construção de uma relação estável vão protelando esta decisão até ao limite. “As mulheres de hoje são independentes, grande parte delas vivem sozinhas e têm as suas carreiras”, explica este médico. Nas suas turmas do curso de Medicina onde é professor, 80 por cento dos alunos são mulheres. “Depois de se formarem, mais a especialidade, o internato e conseguirem iniciar uma carreira, já passaram os 30 anos. É assim aqui como deve ser em muitas outras áreas. Por isso, vão adiando a maternidade até ao limite”, explica. Este novo perfil social de independência das mulheres é a causa principal do adiamento da maternidade. Isto e a dificuldade em conciliar a vida profissional com a familiar. O que explica que este fenómeno do adiamento da maternidade não seja tão tardio nos países nórdicos, em que a licença de maternidade chega aos três anos. “Grande parte das mulheres que acompanho vivem sozinhas e as que não vivem, muitas chegam com homens mais novos”, revela.

Novas técnicas

Apesar dos riscos da maternidade tardia, é também o avanço da ciência que a permite. Os riscos existem, mas é possível ser mãe com mais de 40 anos ou mesmo aos cinquenta devido ao desenvolvimento que se acentuou nos últimos 20 anos. A ovodoação, um processo que consiste na doação de óvulos por mulheres até aos 35 anos a mulheres que necessitam de óvulos, uma vez que não os produzem em quantidade ou qualidade suficiente para formar embriões viáveis e consolidar a gravidez, permite a ansiada maternidade numa idade em que é quase impossível engravidar. Em Portugal, este procedimento é autorizado até aos 49 anos mais 354 dias, em Espanha, um ano mais tarde. O que permite a muitas mulheres recorrerem esta técnica em Espanha e terem os filhos em território nacional.

Com estas técnicas é também possível ter filhos depois de ultrapassadas determinadas patologias, como seja cancro. O que há relativamente poucos anos seria impensável, explica o especialista. Quanto aos riscos destas maternidades tardias, aquilo que se exige é maior vigilância, é obrigatória a consulta pré-concecional e todos os rastreios necessários de vários tipos de cancro ou de outras patologias, como as crónicas. “Com os devidos cuidados, tudo corre normalmente bem”, garante o clínico.
A ansiedade, essa, é muita. Quanto mais tarde, menos probabilidade de existir um plano B. E, nestes casos de maternidade tardia, raramente há segunda oportunidade para se partir para outra gravidez.

 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline