01/03/2024
 
 
Ideologia política afetou a forma como as notícias sobre a covid-19 foram consumidas

Ideologia política afetou a forma como as notícias sobre a covid-19 foram consumidas

Dreamstime Maria Moreira Rato 30/11/2023 12:50

De acordo com os resultados, a ideologia influenciou o consumo de notícias. Os participantes de tendência mais à esquerda perceberam a covid-19 como uma ameaça maior do que os participantes de tendência mais à direita. Em ambos os países, os participantes com tendência de direita tinham normas informativas mais baixas, o que significa que havia menos pressão dos grupos sociais e familiares para se manterem atualizados sobre as informações mais recentes sobre a covid-19. No entanto, nos Estados Unidos, aqueles com uma ideologia de direita viam a covid-19 como menos séria do que os seus homólogos alemães.

Durante a pandemia de covid-19, houve uma rápida evolução nas informações relacionadas com saúde e segurança, surpreendendo a maioria das pessoas globalmente. Uma equipa de pesquisa internacional realizou uma comparação entre cidadãos da Alemanha e dos Estados Unidos para avaliar como o público lidou com as mudanças nas orientações. Os resultados revelaram semelhanças no consumo de informações sobre a pandemia em ambos os países, mas também apontaram diferenças significativas entre os cidadãos alemães e norte-americanos que têm inclinações políticas para a direita.

As descobertas foram publicadas na revista Health Communication por Jessica Gall Myrick, professora de Comunicação em Saúde na Penn State, e Helena Bilandzic, professora de pesquisa em comunicação na Universidade de Augsburg. Myrick planeava juntar-se a Bilandzic na Alemanha como professora visitante na Universidade de Augsburg durante o verão de 2020. A pandemia cancelou os seus planos, mas as conversas que se seguiram geraram a ideia deste projeto. “Havia cientistas na TV e a fazer podcasts em ambos os países que falavam ativamente sobre a covid-19 e o desenvolvimento científico em torno dela”, disse Myrick.

“Estávamos a notar algumas semelhanças e algumas diferenças entre os nossos países na cobertura dos media e nas reações do público a essas conversas muito públicas sobre a ciência médica. Decidimos analisar as diferenças entre os dois países e também investigar o papel da ideologia política que motiva as pessoas a procurarem mais informações sobre a covid-19. Embora a Alemanha também tenha políticas de direita e de esquerda, a medicina e a ciência não são tão fortemente polarizadas como nos Estados Unidos, por isso foi uma comparação interessante", afirmou.

Segundo a phys.org, Myrick disse que o projecto é um primeiro passo na comparação dos efeitos da comunicação em saúde pública durante uma crise nestes dois países. Embora este estudo específico esteja limitado a dois países ocidentais com recursos semelhantes, Myrick explicou que este tipo de investigação pode ajudar os comunicadores de saúde a prever como os cidadãos de todo o mundo poderão procurar informações, ou evitá-las, se houver outro surto de doenças infecciosas. Os pesquisadores avaliaram como os residentes dos dois países reuniram e processaram a cobertura noticiosa da covid-19 durante os primeiros três meses da pandemia. Usando o mesmo questionário em inglês e traduzido para o alemão, Bilandzic e Myrick entrevistaram online mais de 600 residentes em cada país no final da primavera de 2020. Os entrevistados foram questionados sobre as suas perceções acerca da covid-19 e a sua utilização dos meios de comunicação social durante os primeiros meses da pandemia. .

“A pandemia é um grande exemplo de um momento muito stressante em que tivemos muito mais pessoas a querer informações sobre saúde e a tentar descobrir o que isso significava para elas e as suas famílias”, avançou Myrick. "No início, toda a gente realmente queria a informação, mas depois ela tornou-se esmagadora, ou as pessoas ficaram cansadas dela. Vimos que muitas pessoas pareciam começar a evitar novas informações, esquivando-se delas propositalmente, mesmo quando eram úteis ou relevantes". Uma razão para esta evitação de informação, propuseram os investigadores, foi o contexto político e cultural em que uma pessoa recebeu notícias. “Em diferentes países, a ideologia política tornou-se relevante para moldar a agenda pandémica e a presença de diferentes tipos de fontes e informações relacionadas com a covid-19 nos meios de comunicação social e nas redes sociais”, disse Myrick.

"Considerar o papel da ideologia política nos comportamentos de informação - procurar ou evitar - pode ajudar a localizar as raízes mais profundas dos processos funcionais e disfuncionais. Ou seja, se a ideologia política é um fator limitante para a procura de informação, o problema não reside na disponibilidade ou compreensão da informação. Em vez disso, a resistência à informação torna-se o problema". Para investigar, os investigadores perguntaram aos entrevistados até que ponto levavam a sério a covid-19, bem como até que ponto estão normalmente atualizados com as notícias e o nível de pressão que recebem da família e dos grupos sociais para serem informados.

De acordo com os resultados, a ideologia influenciou o consumo de notícias. Os participantes de tendência mais à esquerda perceberam a covid-19 como uma ameaça maior do que os participantes de tendência mais à direita. Em ambos os países, os participantes com tendência de direita tinham normas informativas mais baixas, o que significa que havia menos pressão dos grupos sociais e familiares para se manterem atualizados sobre as informações mais recentes sobre a covid-19. No entanto, nos Estados Unidos, aqueles com uma ideologia de direita viam a covid-19 como menos séria do que os seus homólogos alemães.

“Os conservadores nos Estados Unidos, na nossa amostra, viam a COVID-19 como menos perigosa”, disse Myrick. "Eles não estavam realmente tão ansiosos ou com medo da pandemia. Na Alemanha, aqueles que se inclinaram para a direita sentiram que não havia necessidade de saber tudo sobre a covid-19 naquele momento, mas ainda assim reconheceram que a covid-19 poderia ter graves ramificações e relataram emoções negativas mais fortes em relação à pandemia do que os conservadores na amostra dos Estados Unidos”. Myrick disse que isso é importante porque a resposta emocional e a severidade percebida são duas coisas que impulsionam o comportamento de uma pessoa.

Nesse caso, de acordo com a phys.org, tais comportamentos podem ser o uso de máscara, o distanciamento social ou a vacinação, quando disponível. “A covid-19 foi única em muitos aspectos, porque começámos a aprender sobre biologia e novos termos científicos com diferentes porta-vozes”, disse Myrick. "Foi o mesmo noutros países. Precisamos de continuar a trabalhar como comunicadores de saúde para garantir que levamos informações às pessoas de uma forma que elas possam processar e compreender, mesmo quando estão stressadas e ansiosas", concluiu.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline