18/04/2024
 
 
Pedro Sánchez defende lei de amnistia na Catalunha

Pedro Sánchez defende lei de amnistia na Catalunha

AFP Jornal i 28/10/2023 14:51

O líder socialista reuniu o Comité Federal do partido para discutir o acordo de coligação de Governo entre PSOE e Sumar.

Foi pela primeira vez que, Pedro Sánchez, defendeu abertamente uma lei de amnistia dos delitos cometidos na Catalunha durante o processo unilateral de independência em 2017.

Perante o Comité Federal  do PSOE, o presidente em funções afirmou que, “"Em nome de Espanha, no interesse de Espanha e na defesa da convivência entre os espanhóis, defendo hoje a amnistia na Catalunha".

Pedro Sánchez justificou a sua decisão com os resultados das eleições na Catalunha, onde os partidos independentistas perderam força, a favor do Partido Socialista da Catalunha.

“O resultado das eleições na Catalunha prova que as medidas de graça e os indultos tiveram um efeito muito maior do que o que se podia prever na sociedade catalã no sentido da superação da rutura que vivemos desde 2017", explicou o líder socialista.

Sánchez assume que esta medida não era parte do seu programa político e que não era sua intenção tomá-la de imediato, porém, justificou, na “vida "nem sempre podemos escolher os momentos" e lembrou que "o programa eleitoral do partido só pode ser cumprido integralmente quando se tem maioria absoluta"

Os resultados das eleições de Julho, obrigam o partido socialista a chegar a acordo com seis formações políticas diferentes, entre elas os independentistas do Junst per Catalunya e do Esquerda Republicana.

Ambos puseram a lei de amnistia como condição principal para levar a cabo as negociações e Sánchez lembrou os seus de que "para haver um governo de progresso e evitar um governo da direita com a extrema-direita, do PP com o Vox, a lei de amnistia é uma condição necessária".

O principal órgão do partido reuniu-se este sábado para discutir o acordo de governo de coligação entre o PSOE e o Sumar, partido da vice-presidente e ministra do Trabalho em Funções, Yolanda Díaz.

A consulta às bases é obrigatória e vinculativa e Sánchez defendeu o acordo perante o partido. "Vamos formar um novo governo de coligação para continuar a avançar na senda de progresso que iniciámos há quatro anos. E nesse sentido é muito importante o acordo assinado com Sumar, que agora deve ser submetido ao voto dos militantes", disse.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline