20/04/2024
 
 
Abusos sexuais. "Reinstalação do cartaz num local próximo ao original" aceite pela Câmara de Oeiras

Abusos sexuais. "Reinstalação do cartaz num local próximo ao original" aceite pela Câmara de Oeiras

  • Abusos sexuais. "Reinstalação do cartaz num local próximo ao original" aceite pela Câmara de Oeiras
  • Abusos sexuais. "Reinstalação do cartaz num local próximo ao original" aceite pela Câmara de Oeiras
03/08/2023 22:59

O grupo afirmou que, independentemente de outras opiniões, ações ou posições públicas que possa ter sobre o ato de remoção do cartaz, optou por dialogar com a CMO, representada pelo seu Vice-Presidente, Francisco Rocha Gonçalves.

 

"Depois do infeliz episódio no qual foi retirado do seu suporte sem aviso prévio (e de forma a que continuamos a questionar a legalidade), o nosso cartaz em Algés, e da consequente onda de protestos, congratulamo-nos com o facto da Câmara Municipal de Oeiras ter aberto diálogo e demonstrado junto dos orgão de comunicação social vontade de repor o referido cartaz, parte desta campanha fundada por mais de 300 pessoas e apoiada por muitas mais", avança, em comunicado, o movimento 'This Is Our Memorial', explicando que, durante a tarde desta quinta-feira, voltou ao contacto com a autarquia, "propondo a reinstalação do cartaz num local próximo ao original".

"Recebendo feedback positivo da Câmara Municipal de Oeiras e confirmação da sua reposição, aguardamos agora que esta seja efectuada conforme prometido", diz, concluindo, no comunicado enviado aos órgãos de informação: "Esperamos que, uma vez recolocado o cartaz, o foco mediático volte a ser a solidariedade com as vítimas dos abusos pela Igreja Católica e a falta de uma resposta adequada face aos acontecimentos descritos no relatório da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais na Igreja Católica Apostólica Romana Portuguesa".

Importa lembrar que o grupo 'This Is Our Memorial' comunicou que tomou conhecimento da vontade da CMO em repor o cartaz, que relembrava as conclusões do relatório sobre os abusos sexuais de crianças na Igreja Católica, via comunicação social. A CMO concordou em ceder uma posição de suporte físico para o cartaz.

O grupo afirmou que, independentemente de outras opiniões, ações ou posições públicas que possa ter sobre o ato de remoção do cartaz, optou por dialogar com a CMO, representada pelo seu Vice-Presidente, Francisco Rocha Gonçalves. O objetivo principal do movimento é dar voz às vítimas de abusos sexuais e quebrar o silêncio das instituições. Por isso, os seus membros pretendem repor o cartaz o mais rápido possível em Algés, sendo que os outros dois mantêm-se em Loures e na Alameda D. Afonso Henriques.

É de ressaltar que a Comissão Independente recebeu um total de 564 testemunhos relacionados com casos de abusos sexuais na Igreja Católica entre 1950 e 2022. Após cuidadosa validação, 512 desses testemunhos foram considerados autênticos e válidos. Com base nessas amostras, a Comissão estimou que existem cerca de 4.815 vítimas de abuso sexual no total. No entanto, esse número pode ser ainda maior, representando apenas uma parte do problema, constituindo a "ponta do iceberg".

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.

×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline