27/03/2023
 
 
Série sobre agente secreto russo que morreu envenenado estreia esta quarta-feira

Série sobre agente secreto russo que morreu envenenado estreia esta quarta-feira

Jornal i 22/02/2023 19:31

Litvinenko morreu em 2006, depois de, anos antes, descobrir ligações entre as autoridades governamentais russas, os serviços secretos e vários grupos de crime organizado

Estreia esta quarta-feira na plataforma Disney+ a minissérie de quatro episódios "Litvinenko". 

A série conta a história real do agente dos serviços secretos russos Alexander Litvinenko, que morreu envenenado, em novembro de 2006. 

O agente secreto descrobriu que havia ligações entre as autoridades governamentais russas, os serviços secretos e vários grupos de crime organizado e tentou denunciar os casos, em conjunto com outros colegas. Contudo, estes tornaram-se vozes incómodas para o sistma. 

Litvinenko terá inclusive abordado o tema com Vladimir Putin, que não lhe deu importância. 

Em 2000, este grupo de agentes deu uma conferência de imprensa a relatar os casos que tinha descoberto e todos eles foram imediatamente demitidos e ficaram com ordens para não sair de Moscovo. 

Apesar disso, Litvinenko conseguiu escapar para a Turquia e, a partir daí, escapar para Londres, onde recebeu asilo. 

Já no Reino Unido começou a escrever abertamente sobre o regime de Putin, tornando-se numa das principais vozes da oposição do sistema político russo, tendo sido condenado, no seu país de origem por crimes de corrupção, embora não estivesse lá. 

Em 2006 foi-lhe concedida nacionalidade britânica, depois de trabalhar com agências governamentais como o MI6 e nesse mesmo ano a polícia foi chamada ao hospital para questionar um paciente que tinha dado entrada como Edwin Redwald Carter. Era Alexander Litvinenko.

Este alegou ter sido envenenado com polónio-210, uma substância rara altamente letal que o estava a matar lentamente, acreditando que tinha sido o próprio Putin a ordenar a sua morte, uma vez que no dia em que ficou doente tinha-se encontrado os ex-agentes secretos Dmitry Kovtun e Andrey Lugovoy. 

No ano passado, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos chegou à conclusão de que o homicídio de Alexander Litvinenko, que ficou vivo durante apenas 23 dias depois de ter sido envenenado, tinha sido cometido pelo regime russo. 

 

 

 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline