08/12/2022
 
 
Espanha. O touro branco entrou morto na arena

Espanha. O touro branco entrou morto na arena

AFP Afonso de Melo 24/11/2022 11:41

Poucas vezes será possível assistir a algo como se viu na noite de ontem no Espanha-Costa Rica: depois de três golos marcados de dez em dez minutos terem posto os espanhóis à beira de uma goleada histórica, o público distraiu-se do jogo, caiu no desinteresse e até se podiam ouvir conversas misturadas.

DOHA – Vou cumprindo como um mantra: saio de casa, meto-me no metropolitano – já não me lembrava de andar assim de metro desde há 20 anos quando, com o meu irmão José Vidal, em Seul, no Mundial 2002, íamos do hotel para o centro da cidade passando para tomar o pequeno-almoço num café que tinha croissants que pareciam acabados de chegar de Paris –, dirijo-me aos estádios, passo pela zona de imprensa para escrever umas linhas, sento-me no meu lugar da bancada e vou descrevendo os jogos que se desenrolam à minha frente, neste caso um Espanha-Costa Rica que foi espicaçado pela surpreendente derrota da Alemanha, uma hora antes, perante o Japão (1-2), o que promete algo de especial para o Espanha-Alemanha que vem já aí a seguir, no próximo domingo, no longínquo Al Bayat (40 km, sem paragens pelo caminho). Prometo lá estar!

A Costa Rica é um país lindíssimo de florestas e de praias, perfurado a vulcões, quase todos fumegantes, mas o seu futebol não tem história, ou pelo menos é um bocado como dizia o Eça quando lhe pediram uma biografia: “É igual à da República de Andorra”. Ou seja, não existe.

No Estádio Al Thumama fez questão de não existir logo desde o primeiro minuto, de tal ordem que, quando Dani Olmo fez o 1-0, aos 11m, podemos afirmar que já veio tarde. Sabemos como a velha Fúria, primeiro cognome dado à seleção espanhola pela forma como enfrentava os seus adversários, passou Mundiais atrás de Mundiais a prometer muito e a cumprir zero. Depois, trocou de estilo. Passou a ser menos touro e mais toureiro. Deixou de marrar a direito contra o que lhe aparecia pela frente para se dedicar a chicuelinas e manoletinas, rabiando adversários até ao momento elegante de, com a sua espada de aço de Toledo, os golpear fatalmente no cachaço com um gesto próprio de Dominguín. Foi exatamente assim que apareceu o 2-0, por Asensio, dez minutos depois. Perceberia logo qualquer saloio que El Matador não estava ali para brincadeiras embora as movimentações contínuas e os pormenores técnicos e dançantes de Ferrán Torres, Gavi, Olmo, Pedri e Asensio – com Busquet no seu papel impassível de metrónomo – fossem francamente divertidas para todos os que iam assistindo ao bailado, exceptuando, naturalmente, umas centenas de costa-riquenhos que também não devem ter vindo para este torneio carregados de expectativas. Depois do 3-0, num penálti convertido por Ferrán Torres (31m) – a Espanha parecia fazer questão de ir marcando de dez em dez minutos – a única expectativa de toda a gente sem excepção – embora os latino-americanos tenham fama de otimistas – era a de saber até onde iria o exagero da ‘fiesta’. A coisa chegou ao ponto de estarmos no centro do silêncio. Ou quase. Quero dizer, ouvia-se o som de conversas misturadas, um ou outro som de buzina, mas nem cantos nem gritos nas bancadas. Poucas vezes assisti a um jogo tão calado, talvez só na Índia, mas noutros tempos… Nem do lado dos espetadores espanhóis havia som ou movimento. Uma quietude estranha e vermelha…

 

Ah! Pobre Costa Rica!

Estivéssemos nós em Pamplona em vez de Doha e, pelo meio do silêncio, haveria de estralejar o famoso Txupinazo – aquelo som impressionante do estalar de dedos, concatenado, toda a gente de trajes encarnados ou com algo de encarnado sobre o corpo, seguidos de gritos em honra de San Fermín. Só que, decididamente, não há muito espaço para meter Pamplona no Qatar. Isto sou eu a dizer. Ao fim ao cabo também não há espaço para touradas no Qatar e ontem assistimos a uma. Ou a uma imitação de uma tourada. Afinal o touro – que veio de branco – entrou na arena praticamente morto. Enfadado, o toureiro foi espetando o cadáver. Mas, francamente! Nem “Olés!”??? Se a equipa de Luis Enrique cumpriu aquilo a que estava obrigada, a rapaziada que a segue – agora já sem o grande Manolo a bater no bombo como se disso dependesse a existência de toda a família – foi uma desilusão. O segundo golo de Torres (54m) não mereceu mais do que umas palmas desprezíveis. O quinto, lindo!, de Gavi (74m), o sexto, de Soler (90m), e o sétimo, de Morata (90+2m) ligeiras ovações. Ah! Pobre Costa Rica! Nem um remate. Nem um esboço de revolta. Um cadáver de língua de fora estendido no chão.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline